Cavera: Metal contemporâneo com inegável potencial

Resenha - Until for Rational Consumption - Cavera

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

"Until for Rational Consumption" é o primeiro disco do quarteto gaúcho Cavera, natural da cidade de Carlos Barbosa. O álbum foi precedido pelo EP "Mental Killer", de 2013. A sonoridade é um metal contemporâneo, que não tem medo de trilhar os caminhos mais atuais da música pesada. Isso é traduzido em canções logicamente agressivas, mas que trazem passagens que buscam fugir do convencional, além da constante experimentação com andamentos fora do comum.

Metal: os dez melhores guitarristas da atualidadeGuns N' Roses: Algumas curiosidades sobre o vocalista Axl Rose

Nas críticas que li a respeito do disco encontrei alusões ao System of a Down, com textos relacionando o Cavera ao quarteto norte-americano. Confesso que essa associação não passou nem próxima de meus ouvidos. O que me chamou a atenção foi a similaridade sutil, em alguns aspectos, com o Slipknot (mas bem de leve, mesmo).

Muito bem produzido, "Until for Rational Consumption" traz treze faixas bem desenvolvidas, que mostram o ótimo estágio que a banda se encontra. Alguns pontos ainda podem melhorar, principalmente nos vocais de Rodrigo Rossi (também guitarrista), que soam melhores quando mais agressivos e guturais. Não que seu timbre natural seja ruim, mas quando Rossi explora timbres um pouco mais agudos e menos graves a coisa parece meio fora de lugar. Musicalmente tudo soa muito coeso, com riffs que em alguns momentos bebem do thrash e em outros buscam inspiração em nomes mais atuais da cena norte-americana. A dupla baixo e bateria trabalho em harmonia, sustentando as composições com um groove pesado e sólido, enquanto a dupla de guitarristas traz abordagens que levam a música do Cavera para paisagens bastante distantes do metal mais tradicional.

No final, "Until for Rational Consumption" revela-se um trabalho mediano, com bons momentos como "Collision" e "Glistening Lips". O uso de vocais mais agressivos e guturais em trabalhos futuros, sem a alternância com vozes limpas, pode ser um caminho para tornar a música do Cavera ainda mais forte. Além disso, o excesso de faixas faz com que a audição seja um pouco cansativa. Um número menor de canções traria mais foco e um caminho mais definido para o disco, que acaba saindo dos trilhos em alguns momentos.

Apesar desses aspectos, trata-se de um álbum bastante interessante, e que mostra uma banda com talento e potencial inegáveis.

Facebook
https://www.facebook.com/caveramusic/




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Cavera"


Metal: os dez melhores guitarristas da atualidadeMetal
Os dez melhores guitarristas da atualidade

Guns N' Roses: Algumas curiosidades sobre o vocalista Axl RoseGuns N' Roses
Algumas curiosidades sobre o vocalista Axl Rose

Ivete Sangalo: Ouço muito SOAD, Linkin Park, Slipknot e RushIvete Sangalo
"Ouço muito SOAD, Linkin Park, Slipknot e Rush"

Sexo e Rock and Roll: músicas com conotação sexualSexo e Rock and Roll
Músicas com conotação sexual

Slipknot: Corey explica as nojentas desvantagens das máscarasSlipknot
Corey explica as nojentas desvantagens das máscaras

Lemmy: Eu parei de fumar como um homem de verdade paraLemmy
"Eu parei de fumar como um homem de verdade para"

Black Sabbath: em 1981, revista massacrava álbum Mob RulesBlack Sabbath
Em 1981, revista massacrava álbum Mob Rules


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336