RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRoger Waters se defende, mas David Gilmour fica do lado da esposa e confirma tudo

imagemRodinha de mosh gigantesca em show do System of a Down viraliza e impressiona

imagemQuem ganhou e quem devia ter ganhado o Grammy de metal desde 1989, segundo Loudwire

imagemEm 1974, Raul Seixas explicava detalhes dos significados por trás da letra de "Gita"

imagemMegadeth é processado por artista que criou capa do último disco da banda

imagemVeja o que esperar da turnê do Mayhem no Brasil

imagemRússia pede para que Roger Waters fale com a ONU sobre a situação da Ucrânia

imagemAs 20 melhores músicas do Nightwish, em lista da Metal Hammer

imagemO maior disco de heavy metal da história, na opinião de Doro Pesch

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemTommy Lee posta (mais um) nude em suas redes sociais

imagemBruce Dickinson explica como cuida de sua voz

imagemComo o maior riff da história do Rock foi roubado do Brasil

imagemIron Maiden está atrás de George Michael e Cyndi Lauper em votação do Rock Hall Of Fame

imagemRoger Waters ataca a Ucrânia e é ofendido por esposa de David Gilmour


Stamp

Belchior: Uma nova fase do Black Metal

Resenha - Belchior - Belchior

Por Pedro Hewitt
Postado em 19 de dezembro de 2015

Por vezes, há os que nascem dotados de talentos musicais diversificados, seja na habilidade de cantar, tocar algum instrumento, já outros, não. Dentre os que nascem com as competências citadas, há aqueles que sabem tocar, de um jeito X ou de outro Y vários instrumentos ou cantar de diversas maneiras. Antonio de Mello (Belchior), versátil músico residente dos EUA (Porém é brasileiro) é mais um exemplo dentre esses multi-instrumentistas que desenrolam perfeitamente que chegam a dispensar uma banda de 4 ou 5 membros. Dentre hordas como a Belchior, que, por qualquer motivo que seja, acabam tocando e gravando todos os instrumentos do álbum mais facilmente do que com um conjunto, também ressalto que há aqueles que fazem tudo isso de uma só vez, ou seja, ao vivo.

Trilhando caminhos áureos de grandes velharias de Darkthrone e Celtic Frost (Apenas exemplos rápidos, há muitos que observei no decorrer das faixas), quando estavam no auge do cenário exterior, tendo algumas pegadas próprias, Belchior Horda faz um som que é 100% de Raw Black Metal.
Com uma produção impecável (100% a cargo de Antonio), o debut pela qual foi recentemente lançado no Brasil possui riffs interessantes e objetivos, uma técnica que surpreende qualquer apreciador da música extrema (Apesar de ser one-man-band), 8 faixas (Sendo duas delas retiradas da demo de 2007) despejadas e organizadas da melhor maneira possível, enquanto a cozinha reta dá o tom com algumas pequenas quebradas interessantes e meteóricas, possuindo teclados para mudar um pouco do padrão pela qual ouvimos normalmente. As letras abordam temas que geram curiosidade só por ler os títulos, deixando uma marca de empolgação a cada minuto que se passa.

Uma das peculiaridades especiais que reparo desde a primeira faixa é como Belchior consegue cantar de maneira suja e bem feita e tornar os instrumentos bem fora do comum em certos momentos. Destaque para as faixas ‘Kingdom Of The Midnight Arts’ (Pelo fato da duração de 13 minutos ter algo fora do padrão Black Metal, o lado mais classic e mais diferente dos instrumentais tradicionais), ‘A Life With No Light: Unholy Ghost’, ‘Enthroned By Hell’s Fire’ (Faixa que com certeza seria ideal para algum filme de terror, só a entrada arrepia, tendo até um solo pra diferenciar mais uma vez), ‘…Cold Winds Are Calling Me…’ (Surpreendente. Possui até um video polêmico nas redes sociais onde há um suposto ritual real). A dinâmica e energia do disco faz com que o ouvinte se prenda durante toda a audição, mesmo com algumas das faixas de duração um pouco extensa.

Faixa 7 e 8 não foram re-gravadas, continuaram na mesma gravação da demo, mas que merecem uma mixagem mais profissional em um futuro material.

As demais faixas estão tão intensas que por vezes é difícil dizer qual a melhor. Em ‘A Life With No Light: The Olden Days’, com um ritmo irresistível que faz ser impossível impedir a cabeça balançar, Belchior alterna em riffs um pouco arrastados, com uma bateria nem lenta e nem rápida, com um fundo que parece ser retirado de algum galpão, que fez com a voz ficasse ecoasse de forma sensata e simples, me lembrando até de umas pegadas de DSBM por volta dos 3 minutos. Não bastava ter um som bem destacado, precisa ter um cover da lenda Mystifier, ‘Beelzebuth’ na faixa 3.

Um único ponto negativo é que no encarte além de está o mais simples possível, há apenas uma foto com um efeito tenebroso, infos de faixas (Como já tinha na contracapa poderia ter botado nem que seja 3 letras) e infos de gravações/detalhes a mais, porém isso não vem ao caso quando se trata de sons como os que ouvirá/ouviram. Arte desenvolvida por Brutal Disorder, onde proporcionou exatamente o que se trata todo material.

A identidade da Belchior Horda representa uma nova fase do Black Metal, diferenciando-se de muitos projetos, lidando a um molde de harmonia, deixando uma marca característica épica que merece um outro material o quanto antes para continuação.

Belchior: Guitarras, baixo, keyboards, vocais, baterias e produção em geral

1 . A Life With No Light: The Olden Days
2 . Kingdom Of The Midnight Arts
3 . Beelzebuth (Mystifier cover)
4 . A Life With No Light: Unholy Ghost
5 . Enthroned By Hell’s Fire
6 . …Cold Winds Are Calling Me…
7 . Orgy In The House Of Your God*
8 . I Despise Jesus Christ*

Contato:

https://www.facebook.com/BelchiorOfficial/?ref=ts&fref=ts

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Def Leppard Motley Crue 2

Regis Tadeu: Belchior cortou a nossa alma em fatias bem finas

Belchior: ele estava "desaparecido" há quase 10 anos

Fatos Desconhecidos: o último dia de Belchior (vídeo)


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Pedro Hewitt

Estudante, Headbanger, amante de relações públicas, responsável pelo Infektor Self Festival & Toque Rápido ou Peça Perdão, trabalha desde 2015 com produção de shows em Teresina. Teve a oportunidade de trabalhar com grandes nomes do Metal como Onslaught, Air Raid, Enforcer, Fist Banger, Escarnium, entre outros.
Mais matérias de Pedro Hewitt.