Lothlöryen: Um material produzido com muito apreço

Resenha - Principles of a Past Tomorrow - Lothlöryen

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ícaro Batista Cardoso
Enviar Correções  


Nunca escrevi resenha de um disco, apenas de shows e eventos que compareci, mas ao ouvir esse disco me senti mais que na obrigação de escrever algumas linhas, que não sei se irão compor um texto longo, médio ou curto. Independente disso, o que transcreverei aqui é um disco que avaliei com total emoção.

Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoMetallica: Casal toca "Master" no casamento e ganha encontro com a banda

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No começo do ano encontrei com o vocalista Daniel Felipe, que tem residência próxima a minha, e entre alguns papos etílicos surgiram conversas sobre o novo disco. Ele mostrou-se muito empolgado. Quando participei do Crowndfunding (em outras palavras, um financiamento coletivo) para adquirir previamente o novo álbum, confesso que fiquei ansioso para receber o material, em especial pelo que o Daniel havia me falado.

Ao receber o disco da banda, tratei logo de ligar as minhas "caixinhas" de som, e para poder curtir mais ainda, fiz questão de abrir uma boa cerveja.

Eis que a primeira faixa já começa com uma harmonia perfeita. "... a Journey Begins", como o próprio nome diz, ".... Uma viagem se inicia" aos mais longínquos tempos de uma idade medieval, o que muito me impressionou. Um verdadeiro convite surge para apreciarmos um excelente Prog/Power/Folk Metal.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Então quando menos se espera "Heretic Chant" tem início. Som agressivo, guitarras pesadas. Leko e Alan fizeram um excelente trabalho. Um peso excepcional, com riffs ótimos e solo cortante. Daniel aparece bem agressivo nessa canção. O final é épico, violoncelos repetindo a mesma nota, como se estivessem chamando a próxima música, que ao fim do terceiro toque já se inicia.

"God is Many" tem um começo perfeito. Eu nesse momento já estava balançando a cabeça feito louco. A primeira estrofe é acompanhada de um violão, coisa linda de se ouvir. Eis que o peso toma conta. Mas o melhor está por vir, uma contagem "1, 2, 3, 4" e o refrão começa com um coro excepcional. Confesso que cantei por uns dias "The cosmic words can forecast whats's coming". Pra mim esta é a melhor música do CD.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Uma bela melodia folk se inicia, "Time Will Tell" tem um começo bem suave com total clima Medieva. É incrível como o Leko conseguiu transmitir os pensamentos que permeiam Giordano Bruno no momento de sua execução. Os versos "Inquisitor: You'll burn Now" e em seguida "Giordano: With a death of mine what life will die?" são de arrepiar. Essa canção tem sua agressividade na letra.

"Oooo oo o o". Assim começa esse baita blues celta (não sei se está correto o modo que chamei). Eis que, em tom crescente, começam a bateria com um teclado forte. Mais uma vez ressalto o trabalho excepcional das guitarras, em especial por ter um talk box, efeito que aprecio muito. As variações melódicas entre o tradicional e moderno fundiram-se muito bem nessa canção, intitulada "Manipulative Waves", seguida de "Night is Calling" que tem um começo um tanto quanto progressivo, o que se confirma nos primeiros acordes. Nessa canção é possível imaginar o diálogo acontecendo, pois, as frases foram muito bem escritas. Claro que como de costume desse disco, o toque "taverna" não poderia faltar. Mais uma vez ressalto que os refrões, que com muito coro dão ênfase ao que se passa.

"And Dowland Plays" é uma típica música instrumental barroca, muito bem construída. Mas logo em seguida ela dá lugar a mais um som progressivo. Dentre todas as canções do disco, "The Convictessa" é a que eu achei com uma maior variação em estilos, e por conta disso encontrei uma definição. Na realidade é uma porrada esse som, típico para você bangear muito.

"The Quest is On" tem uma introdução interessante, bem folk, e quando menos se espera tem-se mais peso nesse disco (que aliás é o que não falta). Nesta canção, Marcelo Benelli fez um excelente trabalho com as baquetas. Fiquei impressionado com a condução que ele fez com o bumbo nessa música.

"Who Made the Maker" faz qualquer um viajar pelo espaço/tempo ou como quiserem chamar. Ao ler no encarte uma citação de Carl Sagan, tudo fez sentido. Se você quiser saber qual é a citação, terá que adquirir o disco.

Os toques de uma idade média estão presentes demais nesse disco, e não poderia ser diferente em "The Law & the Insider", que mistura elementos do Prog, do Power e muito folk. Um belo arranjo de piano foi feito antes do refrão, o que cria uma atmosfera mística.

Quando o disco se iniciou, "... A Journey Begins" teve um tom de convite para apreciarmos o que viria acontecer. "Wavery Time" tem um tom de despedida desse disco. Violões e violino tiveram um casamento muito bom nessa canção. É uma composição crescente, que evolui de estágio calmo e sereno até um Metal forte.

A arte do disco é excelente, contendo muitos elementos em sua capa. Curioso também é esse disco ter informações sobre o que se passa em cada música, além de ter letras em inglês e português.

Confesso que até ouvir esse disco, não conhecia algo da Lothlöryen, então busquei alguns materiais. Posso afirmar que este, sem sobra de dúvidas, é o trabalho mais maduro que a banda lançou. Daniel está com gás total nesse disco, e não precisa provar nada pra ninguém que é uma das maiores vozes deste país. Leko e Alan desenvolveram um trabalho formidável em todas as guitarras, harmonias impecáveis, riffs matadores e solos viscerais. Os Marcelo's (bass e drum) caminham juntos em todos os momentos, desenvolvendo um excelente produto na "cozinha". Leo Godde deu um toque especial na áurea da banda. Seus "keyboards" tornam-se únicos em cada composição.

É impossível ficar imune às comparações, mas eu que aprecio Blackmore's Night, Rainbow, Dio, Stratovarius, Blind Guardian, Hammerfall e mais um punhado de sons que seguem essa linha do Ocultismo, Cosmologia, Místicas e etc, não identificar elementos dessas bandas que acabei de citar, o que acho totalmente natural. Mas que fique claro que a banda tem sua pegada, seu estilo bem definido, e que podemos identificar facilmente.

Recomendo aos meus amigos que apreciem esse disco, pois é um material que foi produzido com muito apreço e que merece total atenção.

Parabéns Lothlöryen, e que vocês possam tocar "pras bandas" do Litoral Paulista logo, assim poderei vê-los, apreciar um bom extrato de cevada e colocarmos os papos em dia.

Long Live Rock N' Roll

Tracks:
1 - ... A Journey Begins
2 - Heretic Chant
3 - God is Many
4 - Time Will Tell
5 - Manupulative Waves
6 - Night is Calling
7 - And Download Plays
8 - The Convict
9 - The Quest is On
10 - Who Made the Maker
11 - The Law & the Insider
12 - Wavery Time




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Orgulho Nacional: as capas mais bonitas por artistas brasileirosOrgulho Nacional
As capas mais bonitas por artistas brasileiros

Metal Nacional: as 10 melhores músicas de 2015Metal Nacional
As 10 melhores músicas de 2015


Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoMaridos traídos
Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno

Metallica: Casal toca Master no casamento e ganha encontro com a bandaMetallica
Casal toca "Master" no casamento e ganha encontro com a banda


Sobre Ícaro Batista Cardoso

Ícaro Batista Cardoso, natural de São Paulo/SP, mas morador de Praia Grande/SP é formado em Sistemas de Informação, Palmeirense, Guitarrista. Inserido no Rock N' Roll desde sempre - por conta do seu irmão mais velho - só foi realmente ter o despertar aos 13 anos de idade, quando ouviu Powerslave. Foi como se tivesse visto o espírito de Metal Gods. Apreciador do estilo clássico do Rock/Metal. Fã de Iron Maiden (banda que ja viu várias vezes), é apreciador de outras bandas como Judas Priest, Ronnie Janes Dio (Rainbow, Dio, Elf, Black Sabbath e Heaven and Hell), Whitesnake, Scorpions, Megadeth, Slayer e Black Label Society. Tem como influência na guitarra Ritchie Blackmore, Dave Murray e Tony Iommi.

Mais matérias de Ícaro Batista Cardoso no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280