Angra: "Secret Garden" é o disco mais sombrio da banda

Resenha - Secret Garden - Angra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Luiz Felipe Lima
Enviar Correções  

8


O dia 25 de setembro de 2011 teve um gosto amargo para muita gente. Esse foi o dia em que o Angra fez o seu fatídico show no Rock in Rio, uma apresentação que só não foi pior do que toda a repercussão posterior. Desde membros da banda entrando em conflito com a mídia até a saída de Edu Falaschi, para muitos a banda estava morta - e eu me incluo neste grupo.

Andre Matos: segunda parte de documentário comenta Shaman e carreira soloGuns N' Roses: a história da saída de cada integrante

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Matéria originalmente publicada no site DELFOS

http://www.delfos.jor.br

Acontece que o tempo passou e não só a banda trouxe novos membros como parece ter ganho vida nova. Fabio Lione e Bruno Valverde entraram, a banda arranjou um novo empresário e após o DVD de comemoração do disco Angels Cry (que inexplicavelmente não saiu em blu-ray por aqui), eles anunciaram um novo disco de inéditas. E como você já deve ter percebido pelo título da resenha, este disco já saiu e se chama Secret Garden.

Algum tempo atrás, eu fiz uma matéria aqui no DELFOS a respeito de o que esperar do Secret Garden, e é claro que essa matéria aqui fará um paralelo com a anterior, então recomendo ler aquela antes. Além disso, aqui eu vou responder o que a nação delfiana quer saber...

COMO FICOU O NOVO DISCO?

A resposta para a pergunta do último parágrafo, a meu ver, seria que este disco está mais sombrio e misterioso do que qualquer um dos que o Angra já lançou. Digo isso porque, para além de todos os outros elementos novos e velhos que aparecem no disco, a maioria das músicas possui uma aura mais misteriosa. O fato, contudo, é que a mudança foi bem profunda, e isso pode causar um grande estranhamento à primeira ouvida.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Na matéria anterior eu dizia que esperava que este disco fosse mais pesado, seria um tanto restrito no uso de elementos brasileiros e que provavelmente usaria muitos vocais de ópera. A primeira previsão eu acertei: este disco está mais pesado do que os anteriores justamente por ser mais sombrio do que qualquer um deles. Contudo, eu errei feio na parte de vocais de ópera: o Lione só usa de fato seus dotes de ópera em um trecho muito curto de uma música, Black Hearted Soul.

No que tange ao uso de influências brasileiras, é importante destacar que elas ainda estão aqui, mas bem mais escondidas do que costumavam ser. A maior parte dos elementos brasileiros se encontra na harmonia da música, e é algo que se você não prestar atenção, acaba passando batido. É seguro dizer que nesse disco você não encontrará nada tão explícito como era no Holy Land.

A PROPOSTA DO ANGRA

Entre os elementos novos, por exemplo, eu diria que o grande destaque é o guitarrista Rafael Bittencourt assumindo os vocais em algumas faixas, o que funciona surpreendentemente bem. Nota-se um grande avanço na técnica e expressão vocal do guitarrista, principalmente se comparado ao seu primeiro disco-solo, o Brainworms I.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Dos outros elementos novos, eu aqui dou destaque à maior presença do baixo e da bateria, e principalmente a algo que se repetiu tantas vezes que me surpreendeu: uma influência forte de música pop. Sabe o que Violet Sky, Final Light e Crushing Room têm em comum? Versos dançantes. Todas as três possuem versos de ritmo contagiante, e que provavelmente vão fazer você balançar a cabeça menos como um headbanger e mais como um cachorrinho de brinquedo.

É importante destacar a reciclagem de elementos antigos. Vou tomar como exemplo Silent Call, que é uma balada curiosa por, ao mesmo tempo, ser e não ser algo que a banda costuma fazer. Ela possui uma estrutura e até uma melodia que remete às baladas anteriores da banda - principalmente as da fase Andre Matos -, mas o fato de ter sido toda feita em voz e violão a torna uma música única na cada vez mais extensa discografia do Angra.

Este exemplo deixa bem claro como a banda traz elementos antigos e os adequa à nova sonoridade. Storm of Emotions, por exemplo, tem todos os elementos que uma música como Heroes of Sand já tinha - inclusive a subida de tom no final -, mas é construída de forma tão distinta que isso acaba sendo irrelevante.

DOIS CASOS À PARTE

Um caso à parte que merece ser citado é o da faixa-título, Secret Garden. Ela é uma música cuja energia se encaixa muito bem na proposta do álbum, mas que não parece ter sido tão bem trabalhada quanto as outras. Secret Garden conta com a participação de Simone Simons (com bacon!), do Epica, que canta durante toda a música.

Isso provavelmente explica o porquê de ela não ter sido bem finalizada - a banda não tem uma vocalista de plantão que pode trabalhar as melodias vocais por quanto tempo for necessário como, por exemplo, Lione e Rafael puderam. Obviamente o dueto com Doro Pesch em Crushing Room não teve esse problema, pois uma participação especial é muito mais fácil de ser feita do que uma música inteira.

Já Upper Levels é uma música que possui influências bem fortes de bandas como Dream Theater e Rush, com compassos quebrados e melodias intrincadas. É um tipo de música que a banda já havia tentado fazer no Aqua com Hollow, e que, se naquela ocasião não tinha conseguido atingir um bom resultado, nesta a banda se saiu melhor. Contudo, fiquei com a impressão de que a música, ainda que seja melhor do que Hollow, ainda assim é fraca se comparada às outras do disco. Eu pessoalmente a classificaria como uma música-nada.

AS DUAS BOLAS FORAS DO DISCO

Lembra que lá nos primeiros parágrafos eu falei que a maioria das músicas possuía um clima sombrio e misterioso? Pois é. Me refiro à maioria porque pelo menos umas duas músicas não seguem esse padrão, o que para mim faz com que o disco não seja tão coeso quanto poderia ser. Black Hearted Soul e Perfect Simmetrytrazem uma sonoridade Power Metal que, apesar de não ser ruim, soa desconexo com o que o álbum apresenta.

O problema aqui, repito, não são as músicas. Elas são bem feitas, é verdade, mas não trazem nada de novo se comparado ao que a banda já produziu. A impressão que fica é a de que elas estão lá unicamente para cumprir a cota de Power Metal que um disco da banda tem que ter. É justamente por destoarem tanto dentro de um álbum que prima por criar uma atmosfera que essas duas músicas acabam sendo uma bola-fora.

RE-REBIRTH?

O balanço final é o de que o Angra mais uma vez se reinventou. Os fãs podem gostar, mas para isso é necessário abrir bem os ouvidos e se lembrar de que o Angra, assim como na formação da Nova Era, está mudando. Mas a dica mesmo é para você que não gostava da banda ou havia desistido dela: sugiro fortemente que você confira esse registro novo, pois você pode se surpreender.

1 – Newborn Me
2 – Black Hearted Soul
3 – Final Light
4 – Storm of Emotions
5 – Violet Sky
6 – Secret Garden
7 - Upper Levels
8 – Crushing Room
9 – Perfect Simmetry
10 – Silent Call


Outras resenhas de Secret Garden - Angra

Resenha - Secret Garden - AngraResenha - Secret Garden - Angra

Resenha - Secret Garden - AngraResenha - Secret Garden - AngraResenha - Secret Garden - AngraResenha - Secret Garden - Angra

Resenha - Secret Garden - AngraResenha - Secret Garden - Angra

Resenha - Secret Garden - AngraResenha - Secret Garden - Angra




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Andre Matos: segunda parte de documentário comenta Shaman e carreira soloAndre Matos
Segunda parte de documentário comenta Shaman e carreira solo

Andre Matos: Novo site oficial do fã-clube é divulgado

Angra: Kiko Loureiro e Marcelo Barbosa fazem live sobre racismo na música hoje (11)Angra
Kiko Loureiro e Marcelo Barbosa fazem live sobre racismo na música hoje (11)

Kiko Loureiro: veja a capa de Open Source, o novo álbum solo do guitarristaKiko Loureiro
Veja a capa de Open Source, o novo álbum solo do guitarrista

Aliquid: Confira vídeo de "Angels Cry" em homenagem a Andre Matos

Andre Matos: Gus Monsanto e Fleesh homenageiam o vocalistaAndre Matos
Gus Monsanto e Fleesh homenageiam o vocalista

Andre Matos: um ano sem o inesquecível e genial maestroAndre Matos
Um ano sem o inesquecível e genial maestro

Andre Matos: Documentário revela seu lado mais humano fora dos palcos; assistaAndre Matos
Documentário revela seu lado mais humano fora dos palcos; assista

Andre Matos: Luis Mariutti homenageia vocalista com fotos e vídeo emocionanteAndre Matos
Luis Mariutti homenageia vocalista com fotos e vídeo emocionante

Andre Matos: o adeus ao maestroAndre Matos
O adeus ao maestro


Angra: conheça o Angragode e o Progpagod da BahiaAngra
Conheça o Angragode e o Progpagod da Bahia

Scream Blog Gore: Copa do Brasil - E se os times fossem bandas?Scream Blog Gore
Copa do Brasil - E se os times fossem bandas?


Guns N' Roses: a história da saída de cada integranteGuns N' Roses
A história da saída de cada integrante

Rock, Revolução e SatanismoRock, Revolução e Satanismo


Sobre Luiz Felipe Lima

Depois de ficar louco com o Ritualive do Shaman nos primórdios dos anos 2000, a sua trajetória no Metal apenas se intensificou. Fã inveterado de Pantera, aprendeu rápido que é possível achar música boa desde Death até Europe, e escreve para que cada vez mais pessoas consigam perceber que não se pode ter uma mente pequena se você quiser conhecer grandes músicas.

Mais matérias de Luiz Felipe Lima no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280