Accept: Fechando a trinca com chave-de-ouro

Resenha - Blind Rage - Accept

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


“Blind Rage” fecha a trinca de ferro iniciada por “Blood Of The Nations” (2010) e, posteriormente, “Stalingrad: Brothers in Death” (2012). Álbuns que marcaram o retorno triunfal do Accept, tendo como frontman o carismático Mark Tornillo, uma escolha mais do que acertada.
5000 acessosWacken: O lineup completo do festival5000 acessosGhost: a banda também tem um comportamento incomum nos bastidores

Impressiona a qualidade destes três trabalhos e como a banda conseguiu manter suas características moldadas no início dos anos 80 quando lançou os clássicos “Restless and Wild” (1982), “Balls To The Wall” (1983) e “Metal Heart” (1985). Aliás, única trinca que talvez supere esta atual.

“Blind Rage” tem como diferencial de seus antecessores a pegada mais agressiva e uma maior variação de ritmos. A essência se mantém, mostrando uma banda tinindo e composições de alto calibre, todas com a marca registrada do Accept: riffs a esmo e refrãos em coro.

Como já ficou comprovado nos dois álbuns anteriores, Mark Tornillo é um ótimo vocalista e, apesar da semelhança com o timbre do saudoso Udo Dirkschneider, o norte-americano parece mais ser versátil. Aliás, Tornillo é mais um caso de vocalista que se encaixou perfeitamente e faz com que quase toda saudade do baixinho Udo se vá.

Stampede, Dying Breed, Fall of The Empire (um dos riffs mais pesados da banda), 200 Years e seus riffs cavalgados típicos do Accept, além de Final Journey, podem ser os destaques de “Blind Rage” nessa tortuosa missão de destacar algo em um álbum como este.

A versão nacional traz ainda um DVD bônus gravado em Santiago, no Chile, durante a turnê de “Stalingrad”. A apresentação é memorável, direta, sem muito papo com a galera. O repertório mescla clássicos como Breaker, Monsterman, Fast As Shark, Metal Heart, Balls to The Walls com sons mais novos como Hellfire e a já clássica Stalingrad. Com uma captação profissional o DVD acaba se tornando um bônus de luxo.

Se o Accept resolvesse encerrar a carreira após “Blind Rage” teria sido no auge de sua capacidade de compor e muito mais digno do que quando a banda encerrou as atividades da última vez com o mediano “Predator” (1996). O melhor disso tudo é que a banda não parece estar interessada nisso e vai muito bem, obrigado.

http://www.acceptworldwide.com/
https://www.facebook.com/accepttheband

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube
5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Blind Rage - Accept

1517 acessosAccept: Confirmando estar na melhor fase de sua carreira2497 acessosAccept: Álbum já figura seguramente entre os melhores do ano1897 acessosAccept: Um trabalho forte que possui a marca registrada da banda2523 acessosAccept: Perfeição e competência sempre!

WackenWacken
O lineup completo do festival

1012 acessosAccept: novo álbum sai em agosto; banda fará show especial1572 acessosUDO: Lá e de volta uma última vez1522 acessosAccept: o melhor material ao vivo de sua carreira0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Accept"

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Miley Cyrus e Udo Dirkschneider

Metal AlemãoMetal Alemão
About.com elege as melhores bandas

Speed ClothesSpeed Clothes
Roupas de banho trues para musas headbangers

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 21 de janeiro de 2015

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Accept"

GhostGhost
A banda também tem um comportamento incomum nos bastidores

Iron MaidenIron Maiden
West Ham justifica a saudação "Up the Irons"

Capas de álbunsCapas de álbuns
As mais obscuras e marcantes da história

5000 acessosSteven Tyler: primeira vez aos 7 anos, com duas gêmeas5000 acessosAC/DC: isso sim é uma bela estrada para o inferno5000 acessosMichael Kiske: "nunca fui chamado para o Iron Maiden"5000 acessosWasp: por que Lemmy nao queria Chris Holmes no Motörhead?5000 acessosMetallica: James se considera um "straight edge renascido"5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1980

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online