Eletrolíticos: Lado A, o primeiro disco da banda

Resenha - Lado A - Eletrolíticos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Popini
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

- É pra viagem? - Sim, é pra viagem.

O primeiro álbum do quinteto catarinense Eletrolíticos é um retrospecto eletrizante, um criativo passeio pela psicodelia sessentista concomitante com dois dos principais estilos da década de setenta, o hard rock e o funk. A excursão musical não estaciona aí, este é eminentemente um álbum para a estrada, em que o southern e o blues estão no volante durante toda a jornada. O nível de inspiração, composição e execução é admirável, chegando-se a um álbum multívio e eloquente, que certamente os conduzirá à consolidação. Não há de se falar em saudosismo, tampouco reprodução dos anos dourados do rock, o trajeto passa por outro desafio bem diferente, mesclar o melhor das influências assumidas e conduzi-las com esmero a um som autêntico. Bon voyage!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Lado A começa acelerado com a música "For the Road", um desabafo autobiográfico da vida na estrada. O vocal urge como num balcão de country bar estivesse aguardando o seu próximo shot, enquanto os encaixes propiciados pelo instrumental seguram a onda. Rouba a cena ao final o solo de guitarra, um contagiante "keep rockin", puro malte-rock da melhor qualidade.

"Quando a canção chegar...", chega de surpresa. O seu início engana com o trem apitando distantemente e subitamente dá-se lugar a um sorteio implacavelmente balanceado de melodias funkiadas, pausas, solos, todos cheios de exuberância, permitindo à banda uma chance de mostrar suas habilidades num jamming insano.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

É fácil aceitar a terceira música do álbum. "Aceita" é cuidadosamente agradável aos ouvidos e se presta àquela sensação singalong. Um rock em linha reta, que adiciona calor e uma dimensão mais suave ao trabalho, e que conta um fantástico duelo melódico entre vocal e guitarras.

A próxima é bem movimentada. Enquanto o vocal roda a veneno e o wah-wah come à solta, o bassline e a batera demonstram o quanto a interação entre a banda está na vanguarda. "Não sei se penso bem" é pura combustão com um final um tanto psicodélico.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"As cortinas" escurecem a estrada até então percorrida, trazendo o lado escuro da obra. Neo-psicodélica, com uma fusão do jazz e do blues-rock. Uma música bem densa, sem pressa e introspectiva, conta com vocais amenos, criando uma atmosfera sombria até então inexplorada. Um destaque.

"Dispersão" fecha a obra, propositadamente para o fim da estrada e pro começo de noite. Quem sabe é aquela pra levar pra casa e curtir "cheek to cheek". Uma primorosa interação de melodia, consistência e criatividade.

Agora, resta aguardar ansiosamente pelo "Lado B".

Track-list:
For the road
Quando a canção chegar...
Aceita
Não sei se penso bem
As cortinas
Dispersão

Escute aqui:
https://soundcloud.com/eletroliticos/sets/lado-a




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Eletrolíticos"


Axl Rose: Um dos vocalistas com maior alcanceAxl Rose
Um dos vocalistas com maior alcance

Andre Matos: o que ele faria se fosse mulher por um dia?Andre Matos
O que ele faria se fosse mulher por um dia?


Sobre Rafael Popini

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336