RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRoger Waters se defende, mas David Gilmour fica do lado da esposa e confirma tudo

imagemO ponto fraco de Yngwie Malmsteen segundo Ronnie James Dio, em 1985

imagemOzzy Osbourne revela qual foi o melhor guitarrista de sua carreira solo

imagemA reação de King Diamond ao ouvir Metallica tocando músicas do Mercyful Fate

imagemRoger Waters atende a Rússia e faz discurso para o Conselho de Segurança da ONU

imagemEm 1974, Raul Seixas explicava detalhes dos significados por trás da letra de "Gita"

imagemQuem ganhou e quem devia ter ganhado o Grammy de metal desde 1989, segundo Loudwire

imagemVeja o que esperar da turnê do Mayhem no Brasil

imagemPor que Herbert Vianna gosta muito do riff de "Eu Quero Ver o Oco" do Raimundos?

imagemRodinha de mosh gigantesca em show do System of a Down viraliza e impressiona

imagemMegadeth é processado por artista que criou capa do último disco da banda

imagemO show do Engenheiros do Hawaii sem Humberto, que eles achavam que havia sido sequestrado

imagemVeja Dave Grohl cantando e agitando em show do Mercyful Fate

imagemO triste motivo pelo qual o Pink Floyd não podia fazer contato com Syd Barrett

imagemRitchie Blackmore avalia os guitarristas que o substituíram no Deep Purple


Stamp

Several Skin: Cartão de apresentação da nata rockeira de Manaus

Resenha - Beyond the Scenes - Several Skin

Por Mário Orestes Silva
Postado em 13 de outubro de 2014

Lançado no ano de 1999, Beyond The Scenes é o debut de uma grande banda de Manaus. Hoje em dia com o nome simplificado para apenas Several, na época deste disco chamavam-se Several Skin. Evidente que a produção do disco realizada pela própria banda, poderia ser bem melhor, principalmente no tocante à arte gráfica. A ausência de um encarte com letras e fotos da banda transparece um amadorismo que some no apertar do play no aparelho.

A bolachinha abre com "Prosaic Circus" que é uma ótima porrada com tempos e contra tempos que tiram o gás do ouvinte. Apesar de todos os integrantes serem grandes músicos, o destaque é o baterista Beto Montrezol. O garoto sem dúvida é bastante influenciado pelo gigante Neil Peart. A boa pronúncia do inglês do guitarrista vocalista Bruno Prestes dá a impressão tratar-se de uma banda gringa. Isso também nos faz lembrar que eles já fizeram alguns shows na terra do tio Sam.

"8 Seasons Of Coma" engata logo em seguida com um bom riff e mantendo o pique de abertura. Incrível a sintonia do grupo. A terceira "Flexible" dá uma quebrada no ritmo e mostra um lado mais "tradicional", acelerando um pouco no final. A que vem em seguida "Come Above", particularmente, tenho como a melhor do álbum. Riff matador que fica grudado na cabeça do ouvinte. Vocal enfurecido no refrão que também é grudento. Excelente jogo de guitarras e perfeita sincronia de backing vocals. Grande canção que, infelizmente, nunca os vi tocarem ao vivo.

Por incrível que pareça, em seguida vem uma balada. "February" é a clara influência de Red Hot Chili Peppers. Os arranjos são refinados exaltando bom gosto na composição. A sexta faixa é dividida em duas partes. "(I) The Judas Hug (II) Unemployed Porno Star" tem uma introdução com bateria percussiva e levada tranquila. Em seguida entra um rockão, que lembra Alice In Chains e sofre variações distintas em seu decorrer até o final. A próxima "Deeper" está mais para uma vinheta, por tratar-se de uma viajem (no sentido lisérgico mesmo da palavra) de 51 segundo que lembra bem o Nine Inch Nails. "Sweet" deixa mais evidente a influência das bandas de Seattle, mas ainda soa melhor do que a maioria do grunge.

"Muppet" confirma a inspiração de Nine Inch Nails com um clima um tanto sombrio. "Kamikaze Love" explora um lado bem técnico da banda e demonstra quão preciso eles são. "Distance" é outra balada, sendo que esta é lindíssima com violões acústicos, percussão e vocal calmo. Boa pedida para um acampamento ou para uma cama de casal. "Analgesic" é uma curtinha que fecha o disco com mais pitadas do projeto de Trent Reznor com direito a piano e efeito no vocal.

Um álbum como Beyond The Scenes é um bom cartão de apresentação da nata rockeira de Manaus e merece estar na prateleira de qualquer pessoa que escuta música de qualidade. O segundo disco da Several "Carma" lançado no ano de 2010, chega a superar este debut na parte técnica da produção, e o que é melhor, vem cantado em português. Mas isso ficará pra uma próxima resenha.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Def Leppard Motley Crue 2

Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.
Mais matérias de Mário Orestes Silva.