Age of Artemis: Power Metal de qualidade com aura de positividade

Resenha - Overcoming Limits - Age Of Artemis

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Carlos Eduardo Garrido
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Prestes a lançar seu segundo e aguardado álbum, “The Waking Hour”, resolvi dar uma repassada no excelente debut “Overcoming Limits” de 2011, apenas a fim de aumentar ainda mais as expectativas para o novo disco do AGE OF ARTEMIS.
5000 acessosSeparados no nascimento: Kirk Hammet e Sky Blu (LMFAO)5000 acessosU2: Miley Cyrus dá vexame tentando cantar "One"

Como em tudo que o talentoso e batalhador Alírio Netto se envolve, o destaque acaba ficando para ele, não importa o quão bom sejam os instrumentistas e as músicas criadas. Em “Overcoming Limits” não foi diferente. O vocalista dá um show à parte e mostra que tem pleno domínio de sua voz e sabe como encaixá-la nas músicas, seja nos agudos ou nas partes mais graves. Além disso, possuí um timbre bastante agradável. Porém, a banda está longe de se resumir a ele, pois, é formada por músicos extremamente competentes e que mostram que entendem do riscado.

Agora chega de conversa e vamos ao que interessa que é o som dos caras. Se em outros trabalhos em que o vocalista está ou esteve envolvido, como KHALLICE e LINCE, o som era mais puxado para o metal progressivo, com o AGE OF ARTEMIS a pegada é bem mais para o power metal, ainda que o prog se faça presente aqui e ali. Todos sabemos o quanto optar por esse caminho pode ser perigoso, pois existe um mar de bandas do estilo que soam repetitivas ou meras cópias daquelas de maior destaque na cena. Entretanto, em “Overcoming Limits”, o grupo conseguiu se distanciar dessa mesmice e soar original.

O som do grupo acerta em buscar referências nos grandes nomes do estilo, mas ao mesmo tempo soar moderno e atual. Aqui você vai encontrar características inerentes ao estilo, como bateria veloz, riffs cortantes e solos avassaladores. Mas não apenas isso, as músicas são bastante variadas entre si e esse é o grande trunfo da banda. Dessa forma, ouvir o disco é uma tarefa bastante agradável, pois não cansa o ouvinte em momento algum. Músicas mais velozes e outras mais cadenciadas estão muito bem intercaladas no álbum. E o mais legal é que as canções possuem aquela aura de positividade encontrada nos primeiros trabalhados do HELLOWEEN e na era de ouro do STRATOVARIUS.

Em discos dessa qualidade é difícil encontrar destaques, mas mesmo correndo o risco de ser injusto, destaco as seguintes faixas. “Echoes Within” é a típica faixa de abertura dos álbuns do estilo, mas ressalto que é uma das melhores que ouço em anos, disputando esse título com “Last Free Land” dos compatriotas do VANDROYA. A balada “Take me Home” também merece ser destacada pela sua beleza. “One Last Cry” é mais cadenciada e parece ter saído do Temple of Shadows do ANGRA ou de algum trabalho recente do KAMELOT e claro que isso é um elogio. A épica “God, Kings And Fools” possui um clima meio egípcio e riffs maravilhosos, além de grande performance de Alírio Netto, uma das melhores músicas do disco. Enquanto que “Mystery”, “Break Up the Chains” e a excelente “Till The End” trazem de volta a velocidade inerente do power metal.

Em resumo, “Overcoming Limits” é mais um disco daqueles para nos orgulhar de sermos brasileiros, peça indispensável para qualquer apreciador de um bom heavy metal, especialmente para os amantes do power metal.

Fica a expectativa para que o próximo álbum seja tão com quanto esse e pelo talento nos envolvidos, provavelmente será.

Formação:

Alírio Netto - voz
Nathan Grego - guitarra
Gabriel ‘T-Bone’ Soto - guitarra
Giovanni Sena - baixo
Pedro Senna - bateria

Age Of Artemis - Overcoming Limits
(2011 / MS Metal Records – nacional)

01. What Lies Behind...
02. Echoes Within
03. Mystery
04. Take Me Home
05. Truth In Your Eyes
06. Break Up The Chains
07. One Last Cry
08. You ll See
09. God, Kings And Fools
10. Till The End

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Overcoming Limits - Age Of Artemis

2059 acessosAge Of Artemis: Superando limites com "Overcoming Limits"1075 acessosAge Of Artemis: Tirando leite de pedra de estilo saturado625 acessosAge Of Artemis: Para quem admira os primórdios do Power721 acessosAge of Artemis: Esperança para o Rock e Metal de Brasília1245 acessosAge of Artemis: O Power Metal Melódico ainda tem a oferecer

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Age Of Artemis"

VocalistasVocalistas
Alguns que poderão ser os novos ídolos do nosso Metal

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Age Of Artemis"

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Kirk Hammet e Sky Blu (LMFAO)

U2U2
Miley Cyrus dá vexame tentando cantar "One"

Trilhas rockTrilhas rock
As Top 10 eleitas pela LA Vynil Records Examiner

5000 acessosPink Floyd: os álbuns da banda, do pior para o melhor, pela UCR5000 acessosAC/DC: isso sim é uma bela estrada para o inferno5000 acessosIron Maiden: As 10 melhores músicas da atual formação3399 acessosMegadeth: as dez melhores músicas, conforme o Loudwire4038 acessosAngra: como fica "Carry On" nas vozes do Van Canto5000 acessosJames Hetfield: o verdadeiro lado Enter Sandman do Metallica

Sobre Carlos Eduardo Garrido

Jornalista formado. Descobriu o Heavy Metal aos 15 anos de idade e desde então, não vive mais sem esse estilo de música. Suas bandas preferidas são Metallica, Iron Maiden, Savatage, Angra, Blind Guardian, dentre muitas outras. Através do jornalismo conseguiu unir suas duas paixões: escrita e música. Além de colaborar com o Whiplash, mantém o blog ociocomcafe.blogspot.com.

Mais matérias de Carlos Eduardo Garrido no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online