NoWrong: Unindo gerações do Metal

Resenha - Prognostic Of a Great Disaster - NoWrong

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar Correções  

publicidade

8


Este é o primeiro trabalho da prolífica banda de Osasco/SP, NoWrong. E por ser um disco de estréia, a coisa fluiu como deveria, pois a banda mostra um pique e uma energia necessária em um debut e já marca seu território.

A fórmula da banda não é inovadora, mas o quarteto consegue unir gerações do Metal como poucos. De início a sua música transita entre o Heavy Metal e o Speed Metal oitentista, chegando enfim ao Thrash. E tudo isso soando completamente atual devido às levadas e uma dose homeopática de ‘groove’, que casa perfeitamente com os dias de hoje. Algo raro isso!

publicidade

As guitarras seguem essa variação de estilo, ora demonstrando influências de Metal tradicional, ora despejando riffs Thrash’s a esmo. A bateria rápida e agressiva é um dos motores, assim como o baixo, gerando um som empolgante. Os refrãos são outro ponto forte, já que são inspirados em uma linha mais Crossover em coro.

Não dá pra imaginar o sujeito parado ouvindo faixas como Taste The Hate, Cyborg ou Psycho Violence (Proletarian), por exemplo. Ainda há um interessante cover para Trem Do Inferno, dos Cretinos e Canalhas, que segue uma veia mais ‘Rocker’.

publicidade

A produção a cargo de Lau Andrade juntamente com a banda não deixa a desejar e dá qualidade às composições. Sem sombras de dúvidas uma estréia ‘elegante’ e que chamará atenção daqueles que sabem valorizar a nova safra do Metal nacional, seja ele de que gênero for. Mandaram bem!

https://www.facebook.com/nowrongband

publicidade

publicidade


Outras resenhas de Prognostic Of a Great Disaster - NoWrong

NoWrong: Boa representante do Heavy nacional

NoWrong: Outra prova viva da excelência do underground nacional



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Punk Rock: seja feio, beba muito, e nunca penteie o cabeloPunk Rock
Seja feio, beba muito, e nunca penteie o cabelo

Metallica: Veja como fica seu nome com o formato do logo da bandaMetallica
Veja como fica seu nome com o formato do logo da banda


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin