Paul McCartney: O velho e o novo se encontram em novo disco

Resenha - New - Paul McCartney

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Há quem acredite que, depois de quatro décadas de carreira, o britânico Paul McCartney não tenha mais nada de novo para dizer em um disco de inéditas. Mas, do alto de seus 71 anos de idade, parece que o velho Macca discorda. Depois de lançar, ano passado, o álbum "Kisses on The Bottom", no qual revisita canções dos anos 20, 30 e 40 que tiveram algum tipo de influência em sua trajetória, ele resolveu se focar no novo. Não à toa, batizou seu primeiro registro inédito em seis anos de "New". No álbum, 16o de sua carreira, uma surpresa mais do que grata, uma verdadeira aula de boa música pop, Paul não deixa o seu passado para trás.

659 acessosFoo Fighters: como foi gravar com Paul McCartney no último disco?5000 acessosDi'Anno: "Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!"

Ao contrário: "New" traz faixas que têm um gostinho dos Beatles, sua ex-banda, e também de outros momentos de sua carreira-solo e mesmo de seus anos ao lado dos Wings. Só que isso não faz a obra chegar a soar como nostalgia pura e simples, essencialmente girando em volta do próprio umbigo, porque o músico se cercou inteligentemente de um quarteto de jovens e badalados produtores, que deram a camada de juventude e novidade que surpreenderão os ouvidos desatentos.

O mais estrelado destes nomes é, de fato, Mark Ronson, o homem por trás de "Back to Black", o premiado álbum da meteórica Amy Winehouse. Com a mão de Ronson, Paul inspira os ares do quarteto de Liverpool e entrega a faixa-título, divertida, ensolorada e mais Beatles impossível (mais alguém lembrou de "Penny Lane"?), além da viajandona "Alligator", com um sabor da fase mais alucinada e psicodélica dos quatro, mas com um DNA que remonta ao britpop.

Já ao lado de Paul Epworth, um dos nomes mais destacados da atual cena inglesa (de Bloc Party a Florence and The Machine, passando pelo igualmente premiado "21", da cantora Adele), McCartney prova que pode ser tão ou mais roqueiro do que a molecada que atualmente ocupa as páginas de recomendações da revista NME, bíblia dos indies. A faixa de abertura, "Save Us", tem mesmo um gostinho de indie britânico, flertando com o eletrônico em uma vibração que resulta em pura energia, iniciando os trabalhos na medida certa. Já a sutileza de "Queenie Eye", com um refrão gostoso e que dá vontade de sair dançando descontroladamente, não esconde o fato de que estamos diante de um piano absolutamente rock 'n roll, que comanda a festa com mais precisão do que uma guitarra conseguiria neste momento.

A experiência folk de Ethan Johns (Kings of Leon, Joe Cocker) transparece em "Early Days", que nos transporta imediatamente a uma cidadezinha do interior enquanto Macca, aqui quase Bob Dylan, relembra seu passado enquanto garoto, ao lado de John Lennon, escrevendo música dentro de casa enquanto procuram alguém disposto a ouvi-la. É a história dos Beatles cantada em versão acústica. Também é ao lado de Johns que McCartney costura a fragilidade de "Hosanna", com uma vibração oriental, meio indiana, que remete a um certo parceiro das antigas que atendia pelo nome de George Harrison.

Mais da metade de "New", contudo, é produzida por Giles Martin – que é ninguém menos do que o filho de George Martin, lendário produtor dos Beatles, considerado uma espécie de quinto integrante da banda. E é justamente sob a batuta de Martin que McCartney se permite ousar um pouco mais. Os críticos foram unânimes na comparação e eu, infelizmente, não consigo fugir dela: "Everybody Out There" é uma faixa mais David Bowie do que Paul McCartney, deixando a gente simplesmente a imaginar como seria uma parceria do velho Macca com seu igualmente talentoso conterrâneo. O irresistível refrão de "I Can Bet" tem um quê de "o que aconteceria se os Beatles surgissem na Londres da virada dos anos 2000?". "Scared", a canção oculta depois de "Road", é uma balada bela e dolorosa ao piano. E eis que "Appreciate", a melhor canção de "New", é também é aquela que mais conversa com a música eletrônica, daquele tipo mais experimental, gerando uma mistura soturna que tem R&B no meio e chega a remeter ao duo francês Daft Punk. Dá pra imaginar? Pois imagine.

"New" pode até dialogar com o passado de Paul McCartney. Mas o músico não se colocou em uma posição confortável e foi tirar a modernidade para dançar. Aprendeu novos passos. Chacoalhou o esqueleto. E provou que, neste festival de pretensos dançarinos, ainda é um dos maiores craques do sapateado.

Tracklist
1. Save Us
2. Alligator
3. On My Way to Work
4. Queenie Eye
5. Early Days
6. New
7. Appreciate
8. Everybody Out There
9. Hosanna
10. I Can Bet
11. Looking at Her
12. Road

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de New - Paul McCartney

1205 acessosPaul McCartney: O Steve Jobs da música futurista


George HarrisonGeorge Harrison
Ronnie Von cometeu gafe e deixou de gravar com ele

659 acessosFoo Fighters: como foi gravar com Paul McCartney no último disco?220 acessosBeatles: singles natalinos serão relançados em dezembro840 acessosPipocando Música: 8 teorias de artistas que foram trocados933 acessosPaul McCartney: a máquina do tempo e as canções que não voltam mais0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

BeatlesBeatles
Eles queriam filmar Senhor dos Aneis com Kubrick

Ultimate Classic RockUltimate Classic Rock
As 10 melhores músicas que encerram álbuns

Rolling StoneRolling Stone
Revista elege os melhores rocks com mais de sete minutos

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Paul McCartney"0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"


Paul DiAnnoPaul Di'Anno
"Harris é como Hitler e estar no Maiden é entediante!"

MetallicaMetallica
Lars Ulrich quase saiu no tapa com Lou Reed

EpicaEpica
Foto original de Simone Simons nua em capa é revelada?

5000 acessosRock In Rio 2017: ausência do "Dia do Metal" é compreensível5000 acessosGuns N' Roses: Como Slash explica a separação em sua biografia?5000 acessosMassacration: saiba quem é o baterista que tocava "de verdade"3994 acessosSweet Child O' Mine: incrível cover com 2 violões ao mesmo tempo5000 acessosMotorhead: as 10 melhores músicas que não são "Ace Of Spades"5000 acessosMetallica: registro de encontro com uma fã muito especial

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online