Almah: Edu, se foque na música e arrebente, meu velho!

Resenha - Unfold - Almah

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar Correções  


Não vou, honestamente, entrar no mérito das declarações discutíveis que Edu Falaschi vem dando nos últimos anos. Mas é preciso dar o braço a torcer, claro, e admitir que ele se encontrou na banda paralela que vinha mantendo enquanto atuava como vocalista do Angra. Quando o seu papel no Angra se complicou, foi justamente quando o Almah começou a ganhar mais corpo, mais forma, a se estabelecer e criar identidade própria.

Andre Matos: segunda parte de documentário comenta Shaman e carreira soloOzzy Osbourne: "Eu detesto a expressão Heavy Metal!"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E quando enfim o vocalista abandona o cargo à frente do Angra, mais do que acertadamente, aquela que agora é a sua banda principal apresenta seu disco mais refinado, inteligente e moderno. "Unfold" tem um vocalista vindo da escola do power metal/metal melódico mas é justamente o ápice de seu distanciamento das amarras deste gênero. Se o Almah já tinha se estabelecido como um dos grandes nomes da atual cena do heavy metal nacional, com "Unfold" eles abrem as portas de vez para conquistar também o mercado internacional.

Já na abertura, "In My Sleep", Edu surge cantando mais rasgado, mais agressivo, mas ao mesmo tempo mais confortável, com a voz longe da necessidade de entrar na região dos agudos. E detalhe: a música é absolutamente power metal, inclusive melhor do que o que próprio Edu vinha fazendo com o Angra nos últimos discos.

Aliás, e o elemento étnico de "I Do", que conversa com a música brasileira da mesma forma que a antiga banda do cantor, mas mantendo praticamente intactas as características do Almah, sem soar como uma mera cópia? Mesmo quando o frontman se arrisca num agudo mais intenso, como em "The Hostage", o faz com precisão, com cautela, sem exageros. E acerta na mosca. O grande trunfo de "Unfold", no entanto, está justamente nos momentos em que a banda sai desta zona de conforto do metal melódico. Escute "Beware The Stroke", por exemplo, e perceba uma forção afiada que também sabe fazer, com excelência, um metal tipicamente tradicional, na melhor escola Iron Maiden.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em "Cannibals In Suits", o Almah entrega um instrumental mais pesado, urgente, agressivo, quase como se estivesse bebendo da fonte do thrash metal. A letra, de cunho mais crítico e ácido, praticamente pede uma entrega mais furiosa. Ah, acha impossível? Pois vamos então para um outro lado, completamente diferente, já que "Wings Of Revolution" é um exercício de música pop brilhante, uma canção limpa e que poderia rivalizar com qualquer Coldplay da vida, talvez até pela chance de se tornar música-tema de um evento como as Olimpíadas, por exemplo (enquanto ouve a faixa, imagine um vídeo com cenas de artistas nas mais diferentes modalidades esportivas, superando seus limites, e você vai entender exatamente o que estou querendo dizer). Este espectro cristalino típico da música pop também fica claro em "Warm Wind", uma balada triste, tocante e bastante corajosa – porque, apesar de ser totalmente radiofônica, é repleta de bom gosto e sofisticação. Merece uma audição detalhada.

Um dos grandes momentos do álbum, no entanto, reside em "You Gotta Stand". Trata-se de uma música tipicamente hard rock, que tem tudo que precisa para não sair mais da cabeça do fã de boa música: uma dupla de guitarras disparando riffs envolventes e grudentos; um tecladinho irresistível que trabalha totalmente a favor do restante da composição, entrando nos momentos certos; e uma interpretação brilhante do vocalista, que vai dos gritos mais violentos a um refrão cavalgado e quase alternativo, que lembra imediatamente algo como o Faith No More. Dá pra imaginar? Então.

É hora do Edu se focar na música. Na sua própria música. É hora de deixar as polêmicas de lado, as discussões, o #mimimi, as fofocas. E pensar, apenas e tão somente, no seu trabalho. Que, aliás, se continuar assim, tem tudo para conquistar o mundo. Vai fundo. E arrebenta, meu velho!

Line-up
Edu Falaschi - Vocal
Marcelo Barbosa - Guitarra
Gustavo Di Padua - Guitarra
Raphael Dafras - Baixo
Marcelo Moreira - Bateria

Tracklist
In My Sleep
Beware The Stroke
The Hostage
Warm Wind
Raise The Sun
Cannibals In Suits
Wings Of Revolution
Believer
I Do
You Gotta Stand
Treasure Of The Gods
Farewell


Outras resenhas de Unfold - Almah

Resenha - Unfold - AlmahResenha - Unfold - Almah

Resenha - Unfold - AlmahResenha - Unfold - Almah

Resenha - Unfold - AlmahResenha - Unfold - Almah

Resenha - Unfold - AlmahResenha - Unfold - Almah




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Andre Matos: segunda parte de documentário comenta Shaman e carreira soloAndre Matos
Segunda parte de documentário comenta Shaman e carreira solo

Andre Matos: Novo site oficial do fã-clube é divulgado

Angra: Kiko Loureiro e Marcelo Barbosa fazem live sobre racismo na música hoje (11)Angra
Kiko Loureiro e Marcelo Barbosa fazem live sobre racismo na música hoje (11)

Kiko Loureiro: veja a capa de Open Source, o novo álbum solo do guitarristaKiko Loureiro
Veja a capa de Open Source, o novo álbum solo do guitarrista

Aliquid: Confira vídeo de "Angels Cry" em homenagem a Andre Matos

Andre Matos: Gus Monsanto e Fleesh homenageiam o vocalistaAndre Matos
Gus Monsanto e Fleesh homenageiam o vocalista

Andre Matos: um ano sem o inesquecível e genial maestroAndre Matos
Um ano sem o inesquecível e genial maestro

Andre Matos: Documentário revela seu lado mais humano fora dos palcos; assistaAndre Matos
Documentário revela seu lado mais humano fora dos palcos; assista

Andre Matos: Luis Mariutti homenageia vocalista com fotos e vídeo emocionanteAndre Matos
Luis Mariutti homenageia vocalista com fotos e vídeo emocionante

Andre Matos: o adeus ao maestroAndre Matos
O adeus ao maestro


Kiko Loureiro: foto pagando mico em karaokê com Dave MustaineKiko Loureiro
Foto pagando mico em karaokê com Dave Mustaine

Megadeth: Dystopia não seria tão bom com Menza e FriedmanMegadeth
"Dystopia" não seria tão bom com Menza e Friedman


Ozzy Osbourne: Eu detesto a expressão Heavy Metal!Ozzy Osbourne
"Eu detesto a expressão Heavy Metal!"

Roadrunner: os melhores frontmen de todos os temposRoadrunner
Os melhores frontmen de todos os tempos


Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280