Hypocrisy: não esperem retorno à agressividade do Death Metal

Resenha - End of Disclosure - Hypocrisy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Christiano K.O.D.A.
Enviar Correções  

publicidade

9


O eterno mago da música pesada, Peter Tägtgren, novamente reaparece para cravar mais de suas marcas no underground. Já é bom avisar: fãs do início da banda, não esperem nenhum retorno à agressividade total do Death Metal desenvolvido outrora. Ao que parece, o caminho escolhido, consideravelmente melódico, não tem volta.

Rockstars: Os 50 mais ricos do planeta

Slipknot: Qual é o significado e a tradução do nome da banda?

Pois então, é certo que muitos discordarão, mas o som que a Hypocrisy vai até além do consagrado Death melódico. Num aspecto geral – existem exceções, claro -, as faixas parecem tão belamente ferozes e técnicas quanto nos trabalhos anteriores. Portanto, a qualidade continua lááááááá em cima. E nessa pegada cadenciada e de muito bom gosto, a banda contrói um cenário que soa pesado e um tanto melancólico, que conquista facilmente o ouvinte.

Quanto às mencionadas exceções, são elas "Tales of Thy Spineless" e "United We Fall", velozes e violentas, mas contando com o charme melódico característico do grupo. Também, com um monstro chamado Horgh (Immortal) na bateria e com o competente Mikael Hedlund no baixo, elas não poderiam ficar menos do que incríveis.

E não pergunte como, mas um riff da faixa "The Eye" imediatamente me remeteu a uma canção do Metallica dos tempos do álbum "Ride the Lightining", esqueci o nome da dita cuja! Vai entender...

Agora, uma que se detaca é a formidável "When Death Calls", muito bem trabalhada, misturando trechos brutais com outros menos insanos. Simplesmente fantástica!

A capa, como sempre, é uma maravilha e o encarte se abre em um grande pôster contendo as letras e informações técnicas de um lado, e novamente a capa, em tamanho bem maior, do outro. Coisa linda!

E a versão nacional do disco, lançado pela Laser Company ([email protected]) conta com a faixa bônus "Living Dead", também uma das melhores do disco!

Como já se esperava, a Hypocrisy mais uma vez se superou e hoje é tida como uma das mais queridas do cenário da música pesada mundial. É um respeito e um carisma difíceis de explicar, mas merecidos. Essa consideração se faz com competência, certo? Pois isso o conjunto tem, e em excesso.

Hypocrisy - End of Disclosure
Nuclear Blast/Laser Company – 2013 - Suécia

Tracklist:
1. End of Disclosure 04:46
2. Tales of Thy Spineless 04:36
3. The Eye 05:41
4. United We Fall 04:50
5. 44 Double Zero 04:27
6. Hell Is Where I Stay 04:34
7. Soldier of Fortune 04:51
8. When Death Calls 03:54
9. The Return 06:06

Bonus track:
10. Living Dead (03:51)


Outras resenhas de End of Disclosure - Hypocrisy

Hypocrisy: uma verdadeira obra de arte da música extrema

Hypocrisy: o monstro incansável nos brinda com um ótimo álbum



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Lindemann: Tägtgren salvou vocalista do Rammstein de surraLindemann
Tägtgren salvou vocalista do Rammstein de surra

Rammstein: ame a si mesma, não importa o que digam, diz TillRammstein
"ame a si mesma, não importa o que digam", diz Till


Rockstars: Os 50 mais ricos do planetaRockstars
Os 50 mais ricos do planeta

Slipknot: Qual é o significado e a tradução do nome da banda?Slipknot
Qual é o significado e a tradução do nome da banda?


Sobre Christiano K.O.D.A.

Um cara diretamente ligado ao Som Extremo, fã de livros e filmes, formado em Imagem e Som, Publicidade e Propaganda e Jornalismo. Faz parte da banda de grindcore Prey of Chaos e tem um blog dedicado à música barulhenta. Enfim, alguém que faz da música sua vida.

Mais matérias de Christiano K.O.D.A. no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin