Echo and The Bunnymen: uma referência no pós punk mundial

Resenha - Ocean Rain - Echo and The Bunnymen

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


"Se o punk tinha sido uma tentativa violenta de usurpar o poder do mainstream, o pós-punk era, em muitos sentidos, um recuo traumático, um catártico grito primal"- as sábias palavras de STEVIE CHIK sintetizam, de forma precisa, toda a desconexão e, em certa medida, a abstrusa limitação campal de um movimento que foi o marco do advento tanto da visão tortuosa de mundo do KILLING JOKE quanto da crítica ao cotidiano do subúrbio dos SMITHS. Enquanto traço estético dos anos 80, o pós-punk simplificou as coisas ainda mais e refletiu os epicentros políticos ingleses e norte-americanos que, diga-se de passagem, não traziam nada de animador para a classe trabalhadora de baixa renda desses locais- e refletiram na economia e ideologia ocidental de forma significativa.
5000 acessosRoqueiros conservadores: a direita do rock na revista Veja5000 acessosTradução - Dark Side Of The Moon - Pink Floyd

Na questão musical, ao mesmo tempo que reduzia ao máximo as estruturas harmônicas e floreios, o post incluía abordagens inusitadas, destaque às linha graves e, eventualmente, elementos eletrônicos- de certo modo, uma passagem da influência de LINK WRAY para o KRAFTWERK. Nessa onda, surgiria em 1978 a primeira banda do mundo "liderada" por uma bateria eletrônica: por força dos "Franksteinianos" vocalista IAN McCULLOCH e do guitarrista WILL SERGEANT foi criada a dupla que levava o nome do sequenciador que utilizavam no lugar da bateria tradicional, o tal "Echo". Acrescidos do baixo de LES PATTINSON e impulsionados pelo single "Pictures On My Wall", o ECHO assina contrato com a Korova, a banda muda de nome- adivinhe- o "Echo" foi demitido e em seu lugar entrou PETE DE FREITAS- esse sim, de carne e osso.

Após o excelente "Crocodiles"(1980), "Heaven Up Here" (1981) e o experimental "Porcupine"(1983), o ECHO lançou o ponto de virada chamado "Ocean Rain" no ano seguinte. Ocupante de rankings ingleses e americanos, aclamado pela crítica e público como o trabalho seminal da banda , "Ocean " não se contenta em ser uma referência no nicho do pós punk; se trata de uma pequena pérola pop dosada com arranjos grandiosos, vocais cristalinos e um nome frequente na boca de gente como BONO VOX e do falecido MICHAEL HUTCHENCE.

O dado mais impressionante do registro é sua capacidade mimética de resvalar em tendências pop discutíveis como HUMAN LEAGUE sem jamais por os dois pés em terreno movediço; "Cristal Days" explora com maestria os sertões radiofônicos, mas mantém uma linha segura de honestidade, a exemplo das belas linhas orquestrais do single "Silver" e "Nocturnal Me". Opostamente, "The Yo Yo Man" e "Thorn of Crows" fazem o retorno aos arranjos semi-caóticos dos primórdios – sempre colocando a personalidade da banda em primeiro lugar.

Além de "Silver", o disco tem mais dois singles: "Seven Seas" e, principalmente "Killing Moon" são dois bons exemplos de junção de college rock, pop oitentista e linhas densas ao estilo do WIRE da década anterior. Pop Pós-punk ou pós- punk pop? Recomendado para quem acha que o FRANZ FERDINAND e o THE KILLERS inventaram a roda.

Track List:
1. "Silver" – 3:21
2. "Nocturnal Me" – 4:57
3. "Crystal Days" – 2:24
4. "The Yo Yo Man" – 3:11
5. "Thorn of Crowns" – 4:52
6. "The Killing Moon" – 5:47
7. "Seven Seas" – 3:19
8. "My Kingdom" – 4:06
9. "Ocean Rain" – 5:09

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Echo And The Bunnymen"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Echo And The Bunnymen"

Roqueiros conservadoresRoqueiros conservadores
A direita do rock na revista Veja

TraduçãoTradução
The Dark Side Of The Moon, do Pink Floyd

MetallicaMetallica
Lars sabe que os fãs não gostam do St. Anger

5000 acessosDeath Metal: as 10 melhores (ou piores?) capas do estilo5000 acessosEdu Falaschi: os dez vocalistas brasileiros preferidos dele5000 acessosAngra: versões bizarras de músicas da banda5000 acessosUlrich: o principal é não ter um ataque do coração no palco5000 acessosGuns N' Roses: Steven Adler não pode mais falar sobre reunião5000 acessosO lado escuro do rock: você acredita em magia negra?

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n´roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online