Ghost: O trabalho é "ame ou odeie", não há meio termo

Resenha - Infestissumam - Ghost

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


E após um hiato de 3 anos após o lançamento de 'Opus Eponymous', eis que o sexteto mais demoníaco do Metal nos últimos anos retorna, sob as benção de Emeritus II, e dispostos a conquistar o mundo. Sim, o GHOST (que só recebe o 'B.C.' quando excursiona nos EUA) está de volta com seu novo trabalho, o segundo Full Length, 'Infestissumam'.

Uncut Magazine: fãs elegem as 10 melhores músicas do Pink FloydEntrevistas: Coices e tretas entre artista e entrevistador

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Falar do estilo da banda é quase chover no molhado, uma vez que devido à super exposição que a banda sofreu nos últimos anos, inclusive com artistas de peso usando camisas da banda ou ao lado deles (entre eles Phil Anselmo, James Hetfield, Charlie Benante e outros mais), ao ponto de todo headbanger que se preze conhecer o trabalho do grupo, que pode ser descrito como um Heavy Metal tradicional melodioso, com vocais bem melodiosos e agradáveis aos ouvidos, guitarras sabbathicas em riffs e solos simples e pesados, mas que esbanjam melodias, baixo e bateria coesos e bem pesados, e sinistros teclados que ajudam a dar a aura soturna e climática ao trabalho do GHOST.

Sob a tutela de Nick Raskulinecz, produtor do trabalho, a banda faz um trabalho mais polido que anteriormente, deixando a sonoridade do grupo mais evidente e seca, com cada um dos instrumentos mais aparente que no CD anterior, e o grupo ganha mais melodia e certa agressividade (devido aos riffs de guitarras), mas sem perder aquele ar sinistro e fúnebre de antes. A capa é um trabalho muito legal, trabalhando em tons de amarelo, marrom e negro, que serve como ambientação para o que iremos ouvir.

O que se pode esperar musicalmente de 'Infestissumam'?

Mais coesão em termos de peso, mas ao mesmo tempo, um som mais limpo, mas vemos que a banda ainda está focada na mesma fórmula de antes, com algumas evoluções aqui e ali (como dito acima, as guitarras dão um tom mais agressivo ao trabalho, fora uma elaboração um pouco maior nas composições), mas mesmo assim, o trabalho é "ame ou odeie", não há meio termo.

Após a intro que dá nome ao disco, entra a áspera e bela 'Per Aspera Ad Inferi', uma faixa dura e de andamento moderado, com um excelente refrão, com riffs bem secos e arrepiantes, belas vocalizações, baixo evidente e mostrando serviço; a já conhecida e fundamental 'Secular Haze' (usada como promoção em um Single e primeiro vídeo do CD); a ótima e com uma sonoridade mais voltada aos anos 70 'Jigolo Har Megiddo', onde o baixo rouba a cena; a surpreendente e satânica 'Year Zero', com um clima mais soturno devido a maior evedencia dos teclados e vocalizações trabalhadas com belos corais, ótimos teclados e base rítmica pesada; a irônica 'Idolatrine'; e a pesada 'Depth of Satan's Eyes', bem climática e com um andamento não tão lento, sendo uma canção mais elaborada.

O GHOST volta de vez para deixar sua marca no Metal, e esperemos que no Rock in Rio, consigam atingir um público maior. E ' Infestissumam' merece estar entre os dez melhores plays de 2013.

Vossa benção, Papa Emeritus II.

Infestissumam - Ghost
(2013 - Loma Vista Recordings - Importado)

Tracklist:

01. Infestissumam
02. Per Aspera Ad Inferi
03. Secular Haze
04. Jigolo Har Megiddo
05. Ghuleh / Zombie Queen
06. Year Zero
07. Idolatrine
08. Body and Blood
09. Depth of Satan's Eyes
10. Monstrance Clock

Formação:

Papa Emeritus II - Vocais
Nameless Ghoul - Guitarras
Nameless Ghoul - Guitarras
Nameless Ghoul - Teclados
Nameless Ghoul - Baixo
Nameless Ghoul - Bateria


Outras resenhas de Infestissumam - Ghost

Ghost: ou você ama ou odeia o trabalho do grupoGhost: uma mistura ainda muito maior de influências

Ghost: difícil missão de continuar o sucesso de críticaGhost
Difícil missão de continuar o sucesso de crítica

Ghost: casamento profano entre Heavy Metal, Pop e Hard RockGhost
Casamento profano entre Heavy Metal, Pop e Hard Rock

Ghost: novo álbum define o som da bandaGhost
Novo álbum define o som da banda

Ghost: o segundo disco veio para confundir ainda maisGhost
O segundo disco veio para confundir ainda mais

Ghost: Mais voltado ao Pop Rock, com sonoridades nada macabrasGhost B.C: um passo atrás na curta discografia da banda




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Ghost"


Ghost: já percebeu que não usam mais o B.C.? Músico explicaGhost
Já percebeu que não usam mais o "B.C."? Músico explica

Heavy Metal: as melhores músicas lançadas recentementeHeavy Metal
As melhores músicas lançadas recentemente


Uncut Magazine: fãs elegem as 10 melhores músicas do Pink FloydUncut Magazine
Fãs elegem as 10 melhores músicas do Pink Floyd

Entrevistas: Coices e tretas entre artista e entrevistadorEntrevistas
Coices e tretas entre artista e entrevistador


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

adGoo336