Capital Inicial: ela acertou mais que errou nessa longa jornada

Resenha - Saturno - Capital Inicial

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por David Oaski, Fonte: Rock Ideologia
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Realmente após o Acústico Mtv, lançado em 2000, a banda brasiliense Capital Inicial deu uma guinada pop (no pior sentido da coisa) em seu som, eram discos lançados ao que parece sem muito capricho, com composições fracas e, em certos momentos, até constrangedoras, como muitas das músicas dos álbuns: "Rosas e Vinho Tinto" (2002), "Gigante" (2004) e "Eu Nunca Disse Adeus" (2007).
801 acessosTitãs, Lobão, Ultraje, Legião: o Brasil era do rock há 30 anos5000 acessosMax Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merda

Porém de uma forma até injusta muitos se esqueceram da relevância de todo o resto da discografia da banda, afinal já são 30 anos de carreira e definitivamente a banda acertou mais do que errou nessa longa jornada.

No mínimo, os cinco primeiros álbuns da banda tem suas virtudes e qualidades, mesmo não tendo colocado a banda no patamar do primeiro time do rock nacional na época. Além disso, o Acústico Mtv, mesmo se tratando de uma compilação, é um disco espetacular, ouso dizer que um dos melhores já gravados por uma banda de rock nacional, pois além de ter ótimas melodias, mostrou uma banda coesa, com repertório forte e canções pop sem forçar a barra, o que resultou na maior vendagem da história da banda (pra lá de um milhão de discos vendidos).

A banda lançou no final do ano passado seu mais recente álbum: "Saturno", sucessor do bom "Das Kapital" (2010), que já mostrava uma banda mais interessada em soar algo além de um arremedo pop, com ares de The Killers e rocks de qualidade, a banda mostrou que ainda tinha lenha a queimar, superando as expectativas com o lançamento atual.

O disco (apesar da capa tosca) traz toda a energia, trazida principalmente pelo carismático vocalista Dinho Ouro Preto, a consistência rítmica da cozinha formada pelos irmãos Flávio Lemos (baixo) e Fê Lemos (bateria), mas o grande destaque do álbum são as guitarras de Yves Passarell.

A banda em diversos momentos lembra a sonoridade de bandas do pop rock atual, mostrando que segue antenada com os sons atuais, como Muse, The Killers, Green Day e The Strokes.

Dentre os rocks, destacam-se "Saquear Brasília", uma rara letra de protesto, que eram tão comuns nos anos 80, hoje em dia estão em extinção devido às bandas daquela época terem virado bunda moles e as atuais sequer se importarem com algo além de seu penteado. "Água e Vinho" também é muito interessante, com ótima guitarra permeando a canção e a letra relacionando antônimos na mesma frase. Além dessas "Um Homem Sem Rosto" e "Apocalipse Agora" seguem a linha, mantendo a energia do disco, com melodia mais acelerada, numa espécie de pop punk.

As duas melhores faixas do disco são "Cristo Redentor" e "A Valsa do Inferno", sendo a primeira a melhor letra da banda em muitos anos, tratando da ganância e conquista dos objetivos a qualquer preço; já a segunda é uma espécie de marcha, com ótimas guitarras e boa performance de Dinho, que parece ter recuperado sua voz após o acidente.

As baladas melancólicas do disco, o primeiro single "O Lado Escuro da Lua" e "Saturno" diferem numa coisa básica, enquanto a primeira é muito legal, com refrão marcante a segunda soa um pouco cansativa. "Noites em Branco" também parece não dizer a que veio, parece que a voz de Dinho não casa com esse tipo de canção, soando um tanto forçado em alguns momentos.

Ainda há espaço para "Poucas Horas" que inicia suave e fica mais pesada, com um ótimo solo e ideal para ouvir bem alto no som do carro; "Eu Ouço Vozes" que também possui boa melodia e a dispensável "Sol Entre Nuvens".

O mais importante ao analisar esse álbum é notar que a banda, apesar de algumas escorregadas, alcança seu objetivo, entrega um bom disco pop rock, com algumas pérolas na discografia da banda. Como todos os outros álbuns do Capital Inicial, não é impecável, mas trata-se de uma banda talentosa e carismática que tenta a muito tempo manter acesa a ideologia do rock no mainstream brasileiro.

Se você gosta de rock nacional, vale a audição. Se você não gosta dos caras devido ao som, eu te respeito. Agora, se você não gosta dos caras porque eles fazem sucesso, então volte para sua caverna empoeirada e ouça seus discos obscuros em paz.

O Capital Inicial conseguiu se mostrar muito mais relevante que a nova geração do rock, mostrando que ainda há estrada para esses coroas que parecem nunca envelhecer. Realmente parece que aquela história de que rock n' roll rejuvenesce procede.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Saturno - Capital Inicial

3719 acessosCapital Inicial: dando um passeio fora da zona de conforto

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 10 de janeiro de 2013

801 acessosTitãs, Lobão, Ultraje, Legião: o Brasil era do rock há 30 anos809 acessosCapital Inicial: Banda manda recado a Michel Temer em SP0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Capital Inicial"

Mente abertaMente aberta
Músicos de metal que tocam ou já tocaram em outros estilos

Ultraje a Rigor com DinhoUltraje a Rigor com Dinho
Mandando bem em clássica de Hendrix

Capital InicialCapital Inicial
"Roqueiro acha que pega mal curtir sertanejo"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Capital Inicial"

Max CavaleraMax Cavalera
Triste ver uma banda tão importante virar uma merda

Ultimate GuitarUltimate Guitar
As 28 canções mais sombrias de todos os tempos

David BowieDavid Bowie
A última foto pública e a última foto privada

5000 acessosMetallica: Jason explica o baixo apagado de And Justice For All5000 acessosLady Gaga: "o Iron Maiden mudou a minha vida!"5000 acessosOzzy x Sharon: conheça a mulher que supostamente causou a separação4542 acessosIron Maiden: Assista a introdução dos shows da nova tour5000 acessosKerry King: velho, gordo e careca? Está falando de mim, seu babaca?5000 acessosIron Maiden: Os mesmos três acordes em quarenta músicas

Sobre David Oaski

David Oaski é editor do blog Ideologia Rock, colunista do site Stereo Pop Club e colabora frequentemente com os sites Galeria Musical e Whiplash, além de já ter escrito para outras plataformas online. Amante de música (principalmente rock) independente de rótulos, escreve por hobby e para exercitar o senso crítico.

Mais matérias de David Oaski no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online