Goatlove: exalando malícia e distorção

Resenha - Goats Are Not What They Seem - Goatlove

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Existe um princípio incontestável: '... Na natureza, nada se cria, tudo se transforma...'. Pois bem, e o Goatlove é outro belo exemplo de que este fato também pode ser aplicado no campo musical. A banda é paulista e começou sua atividades em 2007, com o vocalista Roger Lombardi decidido a investir em uma esfera mais abrangente do que o Metal Gótico do Sunseth Midnight, e o resultado é o debut "The Goats Are Not What They Seem".
5000 acessosPantera: o surreal e constrangedor funeral de Dimebag Darrell5000 acessosHeavy Metal: "cristãos podem aprender muito com o gênero"

Pois bem, e o que temos em "The Goats Are Not What They Seem" é uma interessantíssima mescla de várias vertentes do Rock´n´Roll, mas cuja essência é o Hard Rock calcado no The Cult (que já era todo setentista), somado às linhas vocais de Roger, tão graves que remetem diretamente a Andrew Eldritch, do Sisters Of Mercy. Nada é novo, mas transborda de energia e soa tão bem como nos velhos tempos.

E o Goatlove tem como grande trunfo o fato de muitos entre a nova geração não possuírem intimidade com a história que estas feras britânicas escreveram lá pela segunda metade da década de 1980. Ou seja, se as canções deste disco já causam impacto ao público mais velho, são consideráveis as chances de serem ainda mais atrativas aos que estão adentrando agora na cena Rock´n´Roll.

Exalando malícia, distorção e ocasiões 'mezzo' dançantes, e tudo orientado por guitarras, temos uma sequência de canções simlpes, mas que funcionam muito bem. A trinca inicial – "Brand New Horse", "Beautiful Bomb" e "Here She Comes (Hot Stuff)" – é incrível, mas a tentativa de escolher algum destaque certamente resultará em injustiça. Na realidade, a única ressalva recai sobre "I Don't Believe", com uma veia Punk tão forte que a deslocou completamente do repertório.

Gravado no The Goatroom Studios, a produção, mixagem e masterização provam que o guitarrista Marco Nunes sabe o que faz em estúdio, dosando a sujeira e deixando todos os instrumentos regulados eficazmente. "The Goats Are Not What They Seem" é uma estreia independente que mostra um Goatlove com as manhas de assimilar suas influência e transformá-las em nada menos do que boa música, alta e distorcida. Não deixe passar em branco, pode confirir!

Contato:
http://www.goatloveweb.com
http://www.myspace.com/goatloveweb

Formação:
Roger Lombardi - voz
Marco Nunes - guitarra
Fábio Gusmão - guitarra
Frank Gasparotto - guitarra
Renato Canonico - baixo
Alexandre Watt - bateria

Goatlove - The Goats Are Not What They Seem
(2012 / independente – nacional)

01. Brand New Horse
02. Beautiful Bomb
03. Here She Comes (Hot Stuff)
04. Blade Of Love
05. Desperate Passion
06. Kill Somebody
07. Ultramarine Dog
08. Automatic Fire
09. I Don't Believe
10. St. Pity
11. Devil Sun

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Goats Are Not What They Seem - Goatlove

332 acessosGoatlove: um dos mais influentes músicos do Gothic Rock no Brasil

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Goatlove"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Goatlove"

PanteraPantera
O surreal e constrangedor funeral de Dimebag Darrell

Heavy MetalHeavy Metal
"Cristãos podem aprender muito com o gênero"

Top 5Top 5
Os roqueiros mais chatos da história

5000 acessosO Suprassumo do Superestimado: os 11 mais (ou menos) nacionais5000 acessosSpike: os sete piores solos de guitarra5000 acessosHeavy Metal: cinco discos necessários dos anos setenta5000 acessosAndré Forastieri: por que os brasileiros não gostam mais de rock?5000 acessosSexo: como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?5000 acessosSoundcheck: Bandas que mandam bem até na passagem de som

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online