Symbolica: bom gosto, equilíbrio e peso imperam aqui

Resenha - Precession - Symbolica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Vindos do Enforcer, banda catarinense do qual não fazem mais parte, os guitarristas Zeca Jr. e Diego Bittencourt formaram o Symbolica. Os mesmos deram início à pré-produção deste trabalho e logo juntaram-se ao grupo o vocalista internacionalmente conhecido Gus Monsanto (ex-Adagio, ex-Revolution Renaissance, entre outros), o baterista Marcelo Moreira (Almah, ex-Burning Hell) e o baixista Lucas Pavei.
5000 acessosMonsters of Rock: a feijoada que quase derrubou King Diamond5000 acessosPreços: quanto custa para contratar a sua banda favorita

Com este time de primeira, em janeiro de 2012 gravaram "Precession" ao lado do renomado produtor Adair Daufembach (Hangar, Command6, Project 46). E como não poderia ser diferente, o que temos em mãos é um belíssimo trabalho. Bom gosto, equilíbrio e peso imperam aqui.

Investindo em um Prog/Power Metal de encher os olhos a banda consegue manter-se entre a linha tênue dos dois estilos de forma ímpar e, de certa forma, até inovadora. Tudo aqui soa na medida certa, sem exageros. Desde os incontestáveis vocais de Monsanto, passando pelas complexas linhas de guitarras e a técnica cozinha.

Enjoy The Ride abre o disco com boa pegada, riffs pesados e vocais agressivos. Bela escolha para iniciar o trabalho. A pesada Awake The Wrath Of Angels também se destaca pelo peso, aliás, com direito até a vocais guturais (a cargo de Diego). É importante ressaltar que as quebradas e mudanças de melodias nas composições é um fator positivo, além de característico de "Precession".

A Dance Of Eternity é mais um show a parte. Com variação rítmica, ótimos riffs e solos, baixo intenso e mais um show de Marcelo nas baquetas, posso dizer que essa faixa é a melhor do disco. Destaco também Awakening 999 e A Letter For Makind. O álbum ainda conta com um ótimo cover para Innuendo do Queen, que caiu como uma luva.

Não precisa falar nada da produção do disco, afinal é tão equilibrada e soberba quanto o restante do trabalho. Enfim, um projeto ousado que realmente conseguiu atingir seu objetivo e, principalmente, às nossas expectativas. Vale à pena conferir.

http://www.symbolica.com.br/
http://www.facebook.com/symbolicabr?fref=ts

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Precession - Symbolica

920 acessosSymbolica: vida longa e próspera para essa grande revelação1093 acessosSymbolica: uma das maiores revelações do metal nacional1260 acessosSymbolica: Não escolheu uma banda para clonar

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Symbolica"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Symbolica"

Monsters of RockMonsters of Rock
A feijoada que quase derrubou King Diamond

PreçosPreços
Quanto custa para contratar a sua banda favorita

QueenQueen
A declaração musical de ódio de Freddie Mercury

5000 acessosOverkill: mandando recado ao Avenged Sevenfold5000 acessosMegadeth: os 10 bens mais preciosos de Dave Mustaine5000 acessosSepultura: Andreas Kisser comenta os primórdios da banda5000 acessosImmortal: A selfie do Oscar em uma versão muito mais true5000 acessosMarty Friedman: 10 álbuns que mudaram a vida do guitarrista5000 acessosFuturologia: como estariam Cobain, Hendrix, Joplin e Morrisson?

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online