RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Stamp

Harpago e Decadência: viagem ao início do Heavy e Thrash

Resenha - Futuro Decadente - Harpago e Decadência

Por Willba Dissidente
Postado em 26 de novembro de 2012

Nota: 8

Um dos sonhos mais antigos da humanidade é a viagem no tempo. Não obstante o deslocamento físico no continuo tempo-espaço ainda ser ficção, o Split Cd das duas bandas paulistas HARPAGO e DECADÊNCIA transfere o ouvinte sonoramente para os primórdios do Heavy e do Thrash metal brasileiro. Esta viagem, entretanto, carrega consigo os pontos altos e baixos da jornada.

Do começo ao fim de Futuro Decadente, temos a sensação de que LP's clássicos como SP METAL, ULIMATUM, HEADTHRASHERS e SÃO POWER, para citar alguns, tiveram irmão gêmeo. Em termos objetivos, essa observação significa que o que ouvimos aqui é um som envolvente, dinâmico, empolgante e criativo de Heavy (HARPAGO) e Thrash (DECADÊNCIA) cantando em português; porém mal gravado. Bandas como SELVAGERIA, e outros grupos atuais que seguem a era clássica do som, apresentam discos com sonoridade oitentista, só que com gravação primorosa. O que Futuro Decadênte apresenta, em termos de qualidade de registro, é como Ordem e Progresso do AZUL LIMÃO.

Eis o ponto chave do álbum como um todo e que dividirá opiniões. Os mais saudosistas vão bradar a plenos pulmões que esta é a verdadeira essência do metal brasileiro. Muitos irão discordar. De que lado você está?

Leve em conta na sua audição, que o disco lançado independente, e primeiro de maneira virtual, foi gravado de um único take e em condições precárias.

Com nome inspirado em música instrumental do HARPPIA, já temos uma das grandes influências do HARPAGO. Outros nomes clássicos do metal nacional oitentista, como ASTAROTH, VÊNUS, e SHOCK também não deixam de ter uma cota de participação no que viria a se tornar a sonoridade dos paulistas. Isso não quer dizer que a musicalidade da banda caia na mesmice, pois o HARPAGO soube usar as influência para fazer um som notadamente deles.

A abertura com Nova Ordem Mundial, é incisiva do que podemos esperar do HARPAGO. Música rápida, boas melodias, refrões cativantes e letras críticas. O trabalho de guitarra de Roger é bem apurado, criando ótimos riffs e solos. A cozinha baixo-bateria de Cláudio e Fernando funciona muito bem, 'segurando a onda' e fazendo suas próprias linhas durante os solos, no melhor estilo ÁGUA BRAVA. Os vocais, infelizmente, foram os mais prejudicados pela gravação. Uma outra lástima do disco é a música Gaiola Cerebral, que apresenta o som mais mal tirado de todas as músicas de Futuro Decadente, dificultando sua audição.

Então uma vinheta que parece ter sido extraida tal e qual de um documentário sobre a Segunda Guerra Mundial, descrevendo os horrores do transporte de humanos para as desumanidades cometidas pelos nazistas, e começa a pancadaria de Campo de Extermínio, faixa de abertura do DECADÊNCIA. Os vocais guturais, que beiram o black metal, sobre uma base predominantemente Thrash metal oitentista que aumenta a intensidade chegando a beirar o Death Metal; eis uma descrição do som do DECADÊNCIA. Ainda que a banda seja paulista é impossivél não pensar que ela bem poderia ter surgido em Belo Horizonte, fazendo par com CHACKAL, MUTILATOR, WITCHHAMMER etc (assim como o RATOS DE PORÃO que teve discos lançados pela gravadora Cogumelo).

Façamos aqui a mesma ressalva que já executamos em relação ao HARPAGO: as influências funcionam a favor do DECADÊNCIA, e não o tornam uma réles cópia. A banda prima por tocar em português o mais brutal possivél, abordando temas como guerra, miséria e injustiça social, logrando êxito em sua empreitada. Os músicos estão nivelados tecnicamente, assim como as composições, que vão agradar em cheio quem curte esse filão do metal. É possivél até se imaginar moshs, rodas e os headbangers mergulhando do palco frenéticamente em músicas como Soldado Vermelho (que é uma das mais pesadas do disco). Novamente, a gravação em um take só atrapalha, ainda mais num estilo que precisa das clássicas "paradinhas brutais".

[an error occurred while processing this directive]

Ironicamente, o que Futuro Decadente delinea é que as duas bandas paulistas (que coincidentemente são power trios em que o baixista canta), apresentam músicas que tem tudo para as levar a um "Amanhã Promissor". Se há argumentos contrários aos saudosistas que a gravação deveria ter sido melhor, o disco então tem serventia como um ótimo cartão de visita do som dos grupos. Após a audição do slipt cd não há headbanger que não ficará "com a orelha coçando" de ansiedade para curtir todas essas porradas sonoras ao vivo.

HARPAGO

Cláudio - Baixo e voz
Roger - Guitarra
Fernando - Bateria

http://www.youtube.com/ClaudioHarpago/

[an error occurred while processing this directive]

DECADÊNCIA

Mike Dorsal - baixo/voz
Bruno "Vio-Lence" - guitarra
Vinny - bateria

http://www.facebook.com/Decadencia.Thrash.Metal.SP
[email protected]

Para quem se interessar, o split completo está disponível para download autorizado pelas bandas no link a seguir:

http://www.mediafire.com/?b5z3y0hc0w61siv

DECADÊNCIA & HARPAGO - Futuro Decadente (split)
Ano: 2012 - Independente

Track-list:
1- HARPAGO - Nova Ordem Mundial
2- HARPAGO - Ataque Heavy Metal
3- HARPAGO - Fim da Linha
4- HARPAGO - Gaiola Cerebral
5- DECADÊNCIA - Campo de Extermínio
6- DECADÊNCIA - Dor dos Inocentes
7- DECADÊNCIA - Sociedade Decadente
8- DECADÊNCIA - Soldado Vermelho

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze

Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Willba Dissidente

Willba Dissidente é fã das bandas de hard rock dos anos 70 e 80 e de metal oitentista dos mais variados países. Quem quiser saber mais deve acessar seu canal no youtube. Obrigado! Stay Hard (True As Steel)!
Mais matérias de Willba Dissidente.