Wintersun : após oito anos, a banda lança trabalho sólido

Resenha - Time I - Wintersun

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Thiago Pimentel, Fonte: Hangover-Music
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Desde que o lançamento do novo trabalho da banda finlandesa Wintersun fora anunciado, em 2006, já se passaram seis anos. Seis longos anos. Um período enorme para um projeto que foi bastante bem recebido já em seu primeiro disco, em 2004, e que, ainda na estreia, ameaçava, crescer e tornar-se algo além de um trabalho solo do seu líder, o músico Jari Mäenpää (ex- Ensiferum).

5000 acessosDream Theater: os segredos do álbum Octavarium5000 acessosBlack Metal: banda brasileira fez clipe mais bizarro do universo

Mesmo com a demora para lançar um segundo álbum, o Wintersun conseguiu agregar uma boa base de fãs que, pacientemente, esperou o pretensioso – segundo as intenções de Mäenpää – novo disco. No entanto, apesar da banda agora possuir membros fixos, na prática o Wintersun segue como um projeto solo de seu vocalista, guitarrista, tecladista, arranjador e compositor – sim, além de membro fundador, ele é responsável por todas essas funções (!).

Durante todo esse tempo, Mäenpää anunciara que "Time" elevaria as particularidades de seu antecessor – o álbum autointitulado lançado em 2004. Resumidamente, seria mais profundo, trabalhado e, principalmente, melhor orquestrado. Toda a demora foi, teoricamente, reflexo desse trabalho minucioso e perfeccionista. No fim, a obra, intitulada desde 2006, acabou por se dividir em duas partes "Time I" e "Time II" – este com previsão de lançamento para o próximo ano.

Antes mesmo de ouvir o registro, "Time I" surpreendeu-me pela pouca quantidade de material – opa, anos de espera e... apenas cinco composições?! Entretanto, a impressão negativa logo se dissipa ao ouvir a climática instrumental 'When Time Fades Away'. Muito bem arranjada e com ideias melódicas completamente influenciadas pela música tradicional japonesa, a faixa é, na prática, uma magnífica introdução para a épica 'Sons of Winter and Stars'.

Com mais de 13 minutos de duração e dividida, exatamente, em quatro partes, 'Sons of Winter and Stars' é a mais longa música já composta por Jari Mäenpää. No geral, a faixa apresenta os elementos tradicionais a banda – melodias folk, ora heróicas, depressivas, ora 'espaciais' – intercalados as ideias mais comuns ao próprio power metal e, claro, várias mudanças de andamento. Uma prima distante da já conhecida 'Starchild'? Talvez, mas não tão distante.

Além dos arranjos em si, o maior destaque aqui é o incrível trabalho vocal realizado por seu líder – acredito que, logo nessa abertura, ele já demonstra que evoluiu muito sua técnica de canto. O refrão – entoado em coro na última (IV) parte da música – é com certeza um grande momento. Enfim, o tipo de canção que necessita, apesar de possuir partes grudentas, de tempo para ser absorvida. Mas, desde a excelente transição inicial aos primeiros blastbeats do baterista Kai Hahto, é fácil dar conta de que trata-se de algo realmente grandioso.

O álbum tem seu andamento com a cadenciada 'Land of Snow and Sorrow'. Apesar de conter excelentes linhas vocais, o seu riff inicial não convence muito e, logo após uma faixa épica, ela soou-me cansativa; mas, é uma boa composição. Nesse ponto, atento a falta de guitarras do disco. Claro, elas existem; no entanto, não possuem um papel tão fundamental como no registro anterior e, aqui, acabaram meio que sobrepostas aos sintetizadores e orquestrações.Devo comentar, também, que o trabalho do resto da banda é competente, mas, como eu imaginei, mostra possuir um papel maior nas performances ao vivo do que nas gravações em estúdio; aqui, indiscutivelmente, Jari é a 'estrela'.

Praticamente colada a vinheta ambiente 'Darkness and Frost', a faixa-título encerra o trabalho mesclando as principais ideias das músicas anteriores. Explico: é um épico onde elementos mais cadenciados e melódicos predominam. De forma geral, conta com ótimas passagens, um refrão marcante e, finalmente, um tradicional solo de guitarra de Mäenpää. Mas, novamente, o que se sobressai são os arranjos e a vasta gama de vocais realizadas pelo frontman finlandês. Sim, é incrível como ele consegue trabalhar e variar bem linhas guturais, rasgadas, limpas e agudas numa mesma composição. Aliás, sua influência no músico canadense Devin Townsend fica ainda mais evidente nessa canção.

Na minha opinião, a melhor música do álbum e que, digamos, mais resgata a atmosfera 'emocionante' de canções do registro anterior – vide 'Sadness and Hate' e 'Sleeping Stars'. Sabe aquela música que, próxima a sua conclusão, logo surge vontade ouvi-la novamente? Para mim, quando o teclado repete a melodia principal da faixa, do refrão, e encerra abruptamente, foi essa a sensação que passou. Ótima.


Enfim, 'Time I' termina e o saldo da audição é positivo. Não tão alto como eu esperei, pois faltaram guitarras e, principalmente, mais tempo de material – 40 minutos nos quais apenas três faixas figuram como principais é, sem exageros, pouco; afinal, se consideramos o tempo que o álbum demorou para ser produzido, é normal esperarmos mais. Talvez as altas expectativas, levantadas pelo próprio Jari Mäenpää, somada aos anos de atraso acabe tornando o julgamento do ouvinte mais rígido e, por consequência, isso fruste alguns. O disco é ruim? Não mesmo, pois possui ótimas composições e é bem feito. O problema são as expectativas Espero que 'Time II' compense esses pequenos pontos negativos que, no geral, podem até ser esquecidos pela qualidade e esmero do material – honestamente, acredito que essa divisão tenha sido negativa para o conceito do trabalho.

No mais, só resta aguardar e aproveitar esse material que, se comparado aos lançamentos comuns ao estilo, está acima da média. Quem adquirir a edição de luxo do trabalho, também pode conferir um disco bônus com versões totalmente instrumentais das músicas. Ah, vale lembrar que os finlandeses disponibilizaram o disco, na íntegra, para audição gratuita.

http://www.wintersun.fi/album-stream/

Músicas-chave:
"Time" ; "Sons of Winter and Stars" ; "Land of Snow and Sorrow"

Formação:
Jari Mäenpää – vocal, guitarra, teclados
Teemu Mäntysaari – guitarra
Jukka Koskinen – baixo
Kai Hahto – bateria

Tracklist:

1.When Time Fades Away 04:07
2.Sons of Winter and Stars 13:31
3.Land of Snow and Sorrow 08:21
4.Darkness and Frost 02:24
5.Time 11:44

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Outras resenhas de Time I - Wintersun

1465 acessosWintersun: emoções, surpresas, magia, teatralidade...


0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Winter Sun"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Winter Sun"


Dream TheaterDream Theater
Os muitos segredos do álbum "Octavarium"

Black MetalBlack Metal
Banda brasileira faz clipe mais bizarro do universo

Heavy MetalHeavy Metal
25 bandas que fizeram o gênero ser o que é

5000 acessosBehemoth: ser cristão e curtir metal é esculhambado e louco5000 acessosMamonas Assassinas: músicos já sabiam que iam morrer?5000 acessosGuns N' Roses x Nirvana: o que ocorreu em 1992?2684 acessosQuadradinho de oito hardcore no show do Dead Fish5000 acessosQueen: vídeo histórico de Freddie Mercury com Glória Maria5000 acessosDave Mustaine: dinheiro, mulher e drogas arruinaram todas as bandas

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Thiago Pimentel

Tenta, desde meados de 2010, escrever textos que abordem as vertentes da mais peculiar - em seu ponto de vista - manifestação artística do ser humano, a música. Para tal, criou o blog Hangover-Music e contribui no Whiplash.Net. Além disso, é estudante de jornalismo, guitarrista e acredita que se algum dia o Deus metal existira, ele morreu em 13/12/2001.

Mais matérias de Thiago Pimentel no Whiplash.Net.