Steve Harris: apesar dos pesares, não decepciona

Resenha - British Lion - Steve Harris

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Igor Miranda, Fonte: Van do Halen
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A espera acabou. Desde que foi anunciado, British Lion causou rebuliço entre os fãs de Iron Maiden. Afinal, o baixista e chefão Steve Harris nunca havia se aventurado em carreira solo anteriormente. Ninguém sabia como soaria. Logo de cara, Harris adiantou que o trabalho nada teria a ver com o Heavy Metal do Maiden, muito menos teria os elementos progressivos que caracterizaram os últimos registros do grupo em questão, mas seria um registro dignamente Hard Rock, baseado principalmente em influências setentistas do gênero.
50 acessosTales Of The Iron Maiden: Animação de "Fear Of The Dark"5000 acessosThe Voice Kids: até Brian May ficou impressionado com brasileiro

A abertura com “This Is My God” não passa a impressão necessária para uma abertura de um registro tão agurdado como este. A música é apenas boa. Bastante melódica, adianta algumas características presentes pelo play: o baixo está bem destacado, os vocais de Richard Taylor são agradáveis mas não são poderosos o suficiente para te deixar de queixo caído e o instrumental, no geral, é bem construído. “Lost Worlds”, mais impactante que a anterior, dá sequência com mais uma linha instrumental muito bem construída, com destaque ao baterista Simon Dawson.

“Karma Killer” tem uma entrada matadora, mas decepciona porque o senso comum aguardaria uma voz rasgada e imponente – não é isso que temos. Ressalto novamente que Taylor é um bom vocalista, mas está muito mais para o AOR. A música em si é um pouco repetitiva. Se fosse mais dinâmica, estaria entre as melhores. Mas as coisas começam a melhorar. “Us Against The World” é a faixa mais setentista do registro até então: inicia-se com um teclado climático, até que o instrumental entra de forma elegante, com guitarras cruzadas e baixo no talo. O ritmo cai no verso, mas volta como um soco na cara no refrão. Ótimo solo de guitarra, também. Canção de destaque até o momento.

“The Chosen Ones” é totalmente Thin Lizzy. Com direito a violão discreto de fundo, a música continua o resgate ao Classic Hard Rock com classe. Os riffs são simples e a bateria faz o clássico arroz-com-feijão. A voz de Richard Taylor se sai bem por aqui. O refrão chega a ser engraçado porque o baixo sobrepõe até mesmo a voz. Apesar de longa, “A World Without Heaven” é um musicão. Segue a proposta das duas anteriores. Destacam-se o seu belo verso e o ótimo solo de guitarra – o melhor até aqui. Em seguida, temos a excelente “Judas”. Faixa camaleônica, que alterna entre momentos pauleiras e calmísismos – chega a cair completamente em sua metade para um interlúdio acústico.

A melódica “Eyes Of The Young” parece ter sido composta por Phil Lynott. Semi-balada com violão de fundo e uma das poucas performances realmente boas de Richard Taylor. Se fosse lançada em 1975, teria feito sucesso nas paradas especializadas em Rock. “These Are The Hands” segue o registro não cheirando nem fedendo. A voz anasalada e extremamente AOR irrita um pouco por aqui. “The Lesson” encerra sendo a única “balada” propriamente dita, provando a constatação feita ao longo desse texto: Taylor é um vocalista de AOR, não de Classic Rock. Bem melodiosa e agradável, com direito a inserções de violino em alguns momentos, mas sonolenta por ser calma demais.

British Lion não tinha a intenção de ser um álbum revolucionário, muito menos de soar como a velha banda de Steve Harris. O intuito era realmente soar como um trabalho de Hard Rock setentista, com as influências que guiaram Harris e seus comparsas de Iron Maiden: bandas como Thin Lizzy, UFO e Wishbone Ash. Talvez peque em alguns momentos por ter soado mais AOR do que Hard Rock clássico – muito por conta de Richard Taylor, nome citado em várias partes da resenha -, mas o saldo final é bastante positivo. Harris deveria ter explorado mais essa sonoridade ao longo da história da donzela de ferro, pois tenho certeza que seria incrível ouvir algumas dessas canções na voz de Bruce Dickinson.

Steve Harris (baixo)
Richard Taylor (vocal)
David Hawkins (guitarra, teclados)
Grahame Leslie (guitarra)
Simon Dawson (bateria)

01. This Is My God
02. Lost Worlds
03. Karma Killer
04. Us Against The World
05. The Chosen Ones
06. A World Without Heaven
07. Judas
08. Eyes Of The Young
09. These Are The Hands
10. The Lesson

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de British Lion - Steve Harris

3505 acessosSteve Harris: disco pode divertir, mas com moderação4352 acessosSteve Harris: suas influências setentistas e oitentistas1780 acessosSteve Harris: som que queria fazer e da maneira que queria2655 acessosSteve Harris: trabalho mais "leve" de Steve até hoje4215 acessosSteve Harris: resenha da Classic Rock para o British Lion

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 20 de setembro de 2012
Post de 21 de setembro de 2012

Iron MaidenIron Maiden
Blaze explica por que Andre Matos teria sido melhor

50 acessosTales Of The Iron Maiden: Animação de "Fear Of The Dark"2796 acessosIron Maiden: Book Of Souls Tour chega ao fim ainda sem "Hallowed..."667 acessosIron Maiden: Quadrinhos e action figures na Comic-Con de San Diego880 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores1305 acessosBruce Dickinson: voando em um bombardeiro da II Guerra Mundial0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

WikimetalWikimetal
As melhores duplas do Metal

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Os vocalistas que ele respeita e admira

Arte GráficaArte Gráfica
Designer brasileiro cria versões para clássicos

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"0 acessosTodas as matérias sobre "Steve Harris"

The Voice KidsThe Voice Kids
Até Brian May ficou impressionado com brasileiro

MetallicaMetallica
Hetfield fala sobre Dave Mustaine, Load e homossexualidade

Iron MaidenIron Maiden
Uma releitura de "The Trooper" pelo Cine

5000 acessosAs novas caras do metal: + 40 bandas que você deve conhecer5000 acessosVício: Phil Anselmo relata como é ser viciado em heroína5000 acessosJoão Gordo: Crente? Vai tomar no cu quem tá acreditando!5000 acessosManowar: o dia em que a banda arregou pro Twisted Sister2619 acessosPink Floyd: David Gilmour e a inspiração para "Louder Than Words"4844 acessosSmashing Pumpkins: Corgan critica vídeos "pornô" das estrelas pop

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013 – apesar de ainda manter por lá uma coluna semanal, chamada Cabeçote.

Mais informações sobre Igor Miranda

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online