Ari Borger Quartet: técnica com doses de feeling e swing

Resenha - Back to the Blues - Ari Borger Quartet

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


"Back to the Blues" é o terceiro trabalho do Ari Borger Quartet - ou AB4 -, grupo liderado pelo pianista Ari Borger. Se contarmos "Blues da Garantia", de 2001, assinado apenas com o nome do músico, este seria o quarto álbum de Borger. Completam a sua discografia "AB4" (2007) e "Backyard Jam" (2010).
5000 acessosDeath: "Chuck Schuldiner não era um cara simpático!"5000 acessosAngra: "Como fãs do Pantera, a decepção é ainda maior"

Quem já ouviu algum destes quatro discos sabe que a coisa aqui é séria. Ari Borger é considerado por grande parte da crítica o melhor pianista de blues do Brasil. Ele morou vários anos em New Orleans, onde respirou a música negra norte-americana de perto e aprimorou a sua já invejável técnica com doses cavalares de feeling e swing. Ao seu lado estão atualmente o guitarrista Celso Salim, o baixista Rodrigo Mantovani e o baterista Humberto Zigler.

Lançado pela ST2, "Back to the Blues" acaba de chegar às lojas brasileiras. Fazendo uma comparação com os álbuns anteriores, retoma a sonoridade blueseira - como o próprio título sugere - de "Blues da Garantia", mas aqui turbinada com grandes doses da elegância e do refinamento demonstrados em "AB4" e "Backyard Jam", onde Borger conduziu o som de seu quarteto por gêneros como funk, soul, jazz e rhythm and blues.

Gravado ao vivo no estúdio em apenas três dias, o disco é todo instrumental, com exceção da versão de "I’d Rather Go Blind", um dos maiores standards do blues, imortalizada na voz de Etta James e aqui cantada por Bia Marchese. Há também releituras de "Back at the Chicken Shack" (de Jimmy Smith), "Key to the Highway" (parceria de Big Bill Broonzy e Charles Segar, regravada por um sem número de artistas, incluindo versões seminas de Eric Clapton) e "Funky Miracle", dos Meters. As outras cinco faixas são composições próprias, porém no mesmo nível das releituras.

Borger possui uma qualidade rara, presente apenas nos grandes instrumentistas. Ele se apodera das composições que regrava com tanta propriedade e personalidade que transforma grandes clássicos do blues com centenas de versões em músicas que parecem nascidas para as suas teclas. O AB4 não faz regravações pura e simplesmente, mas sim reinterpretações de composições presentes há muito tempo no imaginário popular, imprimindo novas cores e nuances à faixas que julgávamos conhecer de traz pra frente.

O absoluto e desconcertante domínio instrumental do quarteto é o responsável por essa soberania sonora. A audição de "Back to the Blues" proporciona o que a música tem de mais sublime: a harmonia quase sobrenatural entre os instrumentos, capaz de alcançar um resultado final que é muito superior à soma de suas partes. O AB4 é de uma solidez, de uma robustez, impressionantes, proporcionando um ataque harmônico repleto de melodias inspiradas e sentimento raríssimo.

"Back to the Blues" é o melhor disco lançado por um artista brasileiro em 2012, e, até segunda ordem, a milhas de distância de possíveis concorrentes. Com uma musicalidade imensa e uma qualidade que beira a estratosfera, Ari Borger e seus companheiros brindam os ouvintes com um álbum que namora a perfeição.

Forte candidato a melhor disco do ano!

Faixas:
Boogie Train
Back to the Chicken Shack
Key to the Highway
Coming Home
Funky Miracle
I’d Rather Go Blind
Boogie pro Bê
Funky Jam
Back to the Blues

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Ari Borger"

DeathDeath
"Chuck Schuldiner não era um cara simpático!"

AngraAngra
"Como fãs do Pantera, a decepção é ainda maior"

Heavy MetalHeavy Metal
A música fica mais pesada quando a afinação é mais grave?

5000 acessosMetallica: Bob Rock revela segredos do "Black Album"5000 acessosEric Clapton: saiba mais sobre a doença que o acometeu5000 acessosKiko Loureiro: em vídeo, debulhando no solo de "Tornado of Souls"5000 acessosFrontman: quando o original não é a melhor opção1879 acessosLoudwire: Em vídeo, 10 circle pits épicos5000 acessosUltimate Classic Rock: Os 20 álbuns mais aguardados para 2015

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online