Soulfly: O legado de uma banda contemporânea

Resenha - Soulfly - Soulfly

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Johnny Freitas
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Nem parece, mas já se vão 14 anos desde o surgimento do SOULFLY, banda que, se não agradou a todos, com certeza tem construído um legado importante dentro da música pesada. Com oito discos lançados e tours pelo mundo todo, a banda de Max Cavalera já foi tema até de estudos acadêmicos relacionados à cultura brasileira, merecendo ao menos uma conferida por qualquer um que goste de metal.
2316 acessosMax, Igor e Sepultura: vídeo compara performances ao vivo5000 acessosButcher Babies: Conheça o Porn Metal de ex-coelhinhas da Playboy

Em 1996, o SEPULTURA tinha chegado ao auge. Depois de um começo tímido, flertando com o death metal e, mais tarde, já com Andreas Kisser na guitarra, lançando quatro álbuns que marcaram definitivamente seu nome na história, a banda soltava no mercado aquele que seria seu disco mais famoso, o tribalístico “ROOTS”. Naquela época, eles estavam, juntamente com o PANTERA, no topo da cadeia alimentar da música pesada mundial. Apesar disso, devido a problemas internos, e envolvendo a empresária e esposa de Max, Glória Cavalera, o vocalista acabou deixando a banda. O SEPULTURA, com o novo vocalista, Derrik Green, seguiu por outro caminho, distanciando-se dos experimentalismos, já Max Cavalera tentou aprofundar as idéias vencedoras mostradas em “ROOTS”.

O auto intitulado primeiro disco do SOULFLY, nova banda de Max, começa dizendo a que veio já na capa. De braços abertos, como o Cristo, livre (alma que voa?) para abraçar o que vier pela frente, Max parece dizer que está aberto, transparente, mas também só. Não no sentido próprio da palavra, pois a participação de convidados permeia toda a obra do SOULFLY, mas sim como aquele que possui uma visão, uma idéia que precisa ser exteriorizada. O Brasil, levado ao mundo por “ROOTS” através da participação dos índios Xavantes e da referência percussiva de Carlinhos Brown, aqui é apresentado com horizontes mais amplos, apontando para questões como a escravidão, a situação nordestina e a cultura brasileira de um modo geral. Mas, apesar de levar as características de um país para o resto do mundo, o mais interessante desse disco é o fato de apontar para interior de seu criador. Toda a raiva e a dor de Max Cavalera são expostas nas canções de “Soulfly”, o disco.

Já na abertura, as idéias de libertação e de recomeço ficam evidentes. “Eye for an eye” é explícita, na cara. A letra fala sobre começar de novo depois da perda, mas continuar sendo o mesmo, com suas convicções intactas. A idéia de apoiar-se e ter orgulho daquilo que o fez chegar até onde está também fica clara em versos como “All that i am doing can never be ruined, my song remains insane” (“Tudo o que estou fazendo nunca poderá ser destruído, minha música continua insana”). É a ponte perfeita entre passado e futuro. Max vocifera as palavras em cima de muito peso, com destaque para a bateria de Roy Mayorga, que, aliás, é matadora em todo o disco. “No hope no Fear” segue a linha, explorando ainda mais o conceito de liberdade, mas com a sabedoria de que o medo faz parte da ação, pois não senti-lo é o mesmo que estar inerte. “Às vezes sentimos como se a estrada estivesse bloqueada. Eu vou encontrar uma forma, vou mover essas rochas”, diz a canção. Se não há esperança para mudar, certamente não haverá o medo, e assim permanecemos no mesmo lugar, sem evolução.

Se o momento era de transição, tão forte quanto a expectativa do novo era o sofrimento da perda. Com a saída de seu antigo grupo, houve a ruptura com o irmão, e então baterista, Iggor Cavalera, com quem ficaria sem falar por uma década. Pouco tempo antes, o enteado, Dana Wells, fora barbaramente assassinado em uma briga de gangues nos Estados Unidos. “Bleed” surge como um grito desesperado de revolta e clamor por justiça. Mas não a justiça dos homens. “Por quanto tempo você pode se esconder”, urra o vocalista, e completa como uma promessa: “Tudo o que vai, volta”. A intervenção divina continua em faixas como “Tribe”, “Bumba”(animal folclórico que representa morte e ressurreição), com referência a Oxossi, orixá da caça, fartura e prosperidade, “First Commandment”, “Bumbklaat”, e “Umbabarauma” (composta por JORGE BEN).

Em “Quilombo”, Max conta a história do escravo Zumbi, que segundo ele, serviu como inspiração devido à coragem, e na faixa “Cangaceiro” é a vez de Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, ser lembrado. “No”, “The song Remains insane” e “Prejudice” são porradas na cara do sistema, criticando o preconceito, a falsidade e as banalidades da vida atual. A bela “Soulfly”, mesmo sendo instrumental, parece resumir a temática do disco sem precisar de palavras.

O primeiro do SOULFLY talvez seja o mais fraco de toda a carreira da banda. Trata-se de um disco longo e que ainda pairava sob a sombra de “ROOTS”. Mas, se este último primava pelo ineditismo, “SOULFLY”, o disco, tinha o mérito de ser agressivo na música e no sentimento. É claro que, assim como para seu criador, o disco é parte de um momento representativo nas vidas de muitas pessoas, mas a verdade é que se trata do primeiro passo de uma caminhada que acabou se provando longa e próspera. Com certeza, o melhor ainda estava por vir, e não demoraria muito.

SOULFLY – “SOULFLY” (1998)
Roadrunner Records

Formação:
Max Cavalera- guitarra e vocal
Jackson Bandeira- guitarra
Marcello D. Rapp- baixo
Roy “Ratta” Mayorga- bateria

Track List:
1- Eye for an eye
2- No hope = No fear
3- Bleed
4- Tribe
5- Bumba
6- First Commandment
7- Bumbklaatt
8- Soulfly
9- Umbabarauma
10- Quilombo
11- Fire
12- The song remains insane
13- No
14- Prejudice
15- Karmagedon
16- Cangaceiro
17- Ain’t no feeble bastard
18- The possibility of life’s destruction

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 18 de junho de 2012

Max, Igor e SepulturaMax, Igor e Sepultura
Vídeo compara performances ao vivo

2528 acessosSepultura: Jean Dolabella comenta sobre documentário da banda0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Sepultura"

SepulturaSepultura
Paródia da música "Ratamahatta" com Hermes e Renato

Metal BrasileiroMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

SepulturaSepultura
"Bozó, bola pra mim uma logo pro Sepultura..."

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Soulfly"0 acessosTodas as matérias sobre "Sepultura"

Butcher BabiesButcher Babies
Conheça o Porn Metal de ex-coelhinhas da Playboy

LobãoLobão
Show mais curto da história do Rock não pertence a ele

OrtografiaOrtografia
Como deveriam realmente se chamar as bandas?

5000 acessosSlayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido5000 acessosCristina Scabbia: cantora fala sobre seus seios e Playboy5000 acessosFascínio pelo terror: Cinco bandas que dão medo3948 acessosSlayer: "Nunca tentamos ser algo que não somos"5000 acessosAerosmith: banda tem outro vocal na coxia para cantar por Tyler?5000 acessosJason Newsted: o Metallica vive em seu próprio mundo

Sobre Johnny Freitas

Johnny Freitas, gaúcho de 34 anos, é formado em jornalismo pela PUCRS desde 2002. Foi editor do jornal Enfoque, tendo trabalhado, também, em diversas assessorias de imprensa no Estado. Filho de pais hippies, quando criança costumava não pegar no sono antes de a agulha sair do vinil "The Wall". No aniversário de cinco anos nada de brinquedos, "Innocent Victim", do Uriah Heep, "Creatures of the Night", do Kiss e "The Fool Circle", do Nazareth fizeram, literalmente, a festa. E, antes que alguém pergunte, ao contrário do célebre personagem interpretado por Selton Mello no cinema, seu nome é Johnny mesmo.

Mais matérias de Johnny Freitas no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online