Anonymous Hate: Um bom debut desta banda de Macapá

Resenha - Chaotic World - Anonymous Hate

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini, Fonte: Blog Arte Metal
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Finalmente o debut do Anonymous Hate, a mais promissora banda de Macapá/AP, chegou às nossas mãos. Sucessor da grande demo "Worldead" (2010) e antecessor do mais novo trabalho "Red Khmer" (2012 - que estará em breve em nossas páginas), "Chaotic World" foi gravado no Symphony Music, na cidade natal da banda, e mixado e masterizado no conceituado Da Tribo Studio, por Ciero, em São Paulo/SP.

Metallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVLemmy Kilmister: "Esta coisa de Black Metal me faz rir!"

Para os que não se lembram, a banda pratica um Death/Grind fiel às raízes do estilo com letras de cunho político, religioso e social, ou melhor, que questionam, principalmente, estes temas e afins.

Indo para o conteúdo sonoro do álbum, podemos dizer que a proposta ouvida na demo continua intacta e pouca coisa se difere, como algumas composições com minúsculas doses de melodia como a ótima Indifferent. A faixa possui ótimos riffs e ritmo cadenciado (proporcional ao estilo), além de belos solos de guitarra.

Aliás, o som da banda também mostra certo flerte com o Thrash Metal tradicional, principalmente nos momentos mais cadenciados. Os riffs de guitarra são simples, mas muito bem elaborados e os solos muito bem executados, assim como as linhas de baixo. Os vocais de Victor Figueiredo não são os mais cavernosos do mundo, mas cai muito bem ao som da banda, assim como o auxilio dos backings do guitarrista Fabrício Goés. Mas, a bateria é o grande diferencial da banda, logicamente sem tirar o mérito dos outros músicos. A variação rítmica do instrumento entre o básico e a velocidade muda em um piscar de olhos drasticamente.

Dentre as 10 composições fico com Profanation que abre o disco e se mostra um belo cartão de visitas. Brasil Massacreland, que vem logo em seguida, possui um belo início e soa bem variada, com riffs e batera matadores. A já citada Indifferent também entra na lista, além de Worldead que conta com um show do baterista Alberto Martínez. Completam a banda Heliton Coelho (guitarra) e Romeu Tetrus (baixo).

A única ressalva vai para a produção que está longe de soar ruim, mas ainda soa 'verde'. As guitarras poderiam estar mais pesadas, os vocais mais na cara, enfim, nada que não seja lapidado com o tempo. Um bom debut!

http://www.myspace.com/anonymoushateap


Outras resenhas de Chaotic World - Anonymous Hate

Anonymous Hate: Dez faixas de esmaga-crânio incessante




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Anonymous Hate"


Metallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVMetallica
James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV

Lemmy Kilmister: Esta coisa de Black Metal me faz rir!Lemmy Kilmister
"Esta coisa de Black Metal me faz rir!"

Musas do Metal: as bandas que elas ouvem quando estão em casaMusas do Metal
As bandas que elas ouvem quando estão em casa

Metal Moderno: 5 bandas aptas a se tornarem clássicasMetal contra o câncer: festival aceita "cabelo" como ingressoBeatles: John Lennon homenageado com cratera em MercúrioRock: Ele morreu? Slash responde!

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.