Anonymous Hate: Dez faixas de esmaga-crânio incessante

Resenha - Chaotic World - Anonymous Hate

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O Brasil é surpreendente em vários aspectos no tocante à cena Metal, e de onde menos esperamos (principalmente quando falamos no já mais que consagrado eixo SP-RJ-MG), temos gratas surpresas, e algumas delas se recusam a sair dos nossos aparelhos de som. E o ANONYMOUS HATE é algo de absurdo, pois é uma autêntica carnificina sonora.
5000 acessosGuitarra: em vídeo, o solo mais destrutivo que você já viu5000 acessosMotorhead: Lemmy comenta as suas tatuagens e as tatuagens dos fãs

A banda, vinda do Norte do país, mais especificamente de Macapá, no Amapá, devotada ao Death Metal de raiz e bem cru, algo que mistura DEATH de início de carreira, NAPALM DEATH, CANNIBAL CORPSE e ANGEL CORPSE, e já enfocada antes aqui, com seu EP de estréia, ‘Worldead’, agora retorna com seu primeiro Full Length mais que merecido, feito com muita garra, suor e vontade de ferro, que transparece de forma bruta e agressiva em seu som.

A produção visual é muito boa, com uma capa bem legal, encarte com letras e informações presentes, e a produção sonora, apesar de não ser maravilhosa, está em um nível bem acima da média, pois todos os instrumentos são ouvidos perfeitamente, bem como as nuances da banda ficam bem claras, a ponto de se perceber claramente a evolução sonora deles em relação ao EP, pois a banda acrescentou um pouco de técnica à brutalidade já presente e dá no que dá: uma autêntica muralha sonora, mas bem feita, e termina por conferir ao quinteto uma persona bem definida, apesar do estilo já ter sido muito explorado. Mas os rapazes não se preocupam em ser os mais originais, e justamente este é o ponto mais forte de sua música, junto com as letras, que fogem da batida trilogia capetismo pueril-banhos de sangue-pesadelos non sense, investindo pesado em temas sociais e mensagens bem construídas, em uma expressividade bem violenta.

São dez faixas de esmaga-crânio incessante, de Death Metal violento e extremamente esporrento, na medida para quem quer ter a desforra encima dos chatos que tendem a pôr ‘música’ de gosto questionável em carros em altos volumes. Da ótima ‘Profanation’, que abre o CD com uma alternância de climas, excelentes bases de guitarras e vocais completamente agonizantes; Já em ‘Brazil Massacreland’, uma faixa bem curta (pouco mais de 2 minutos), alterna velocidade e cadência na mesma medida da anterior, embora passe mais tempo na levada mais lenta; em ‘Sea of Blood’, mais um massacre de guitarras, mas a bateria se sobressai, graças aos bumbos extremamente velozes e variações rítmicas. Em ‘Seed Falls’, uma faixa com um andamento extremamente empolgante, temos solos com momentos um pouco mais melodiosos, algo semelhante ao visto no ‘Show no Mercy’, bem como na faixa seguinte, ‘Indifferent’, com mais momentos ‘old’ AUTOPSY; ‘Tears of Blood’ novamente trás o clima do SLAYER de seu primeiro disco, devido aos andamentos um pouco mais lentos, e com vocais animalescos e baixo bem presente e dando peso; ‘Worldead’, já vista antes no EP, é outra facada bem dada (no bom sentido), pois sangra em vitalidade e peso absurdos; já ‘In the Way’ volta o clima mais cadenciado de antes, mas a opressão sonora é algo digno de menção honrosa. E tome mais pancada em ‘Suffering’, onde os vocais e backing vocals dão um show à parte. O CD fecha em grande estilo com a extremamente bruta ‘Empire and Faith’.

Agora, arrume o seu, ponha bem alto quando um pateta passar com carro de som alto, ouvindo funk, e grite a plenos pulmões: “Chegou a hora do acerto de contas, panaca”!!!
Recomendado demais!

Em tempo: o vocalista Carlos Haussler saiu da banda depois das gravações, e Victor Figueiredo é seu substituto. E o CD é uma homenagem póstuma a Antônio ‘Tosco’ Júnior.

Formação:
Victor Figueiredo – Vocals
Fabrício Góes – Guitarra/vocais
Heliton Coêlho – Guitarra solo
Romeu Tetrus - Baixo
Alberto Martínez – Bateria

Tracklist:

01. Profanation
02. Brazil Massacreland
03. Sea of Blood
04. Seed Falls
05. Indifferent
06. Tears of Blood
07. Worldead
08. In the Way
09. Suffering
10. Empire and Faith

Contatos:

Anonymous.hate@hotmail.com
http://www.myspace.com/anonymoushateap
(96)8122-1074/9122-7070/9132-8967

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Chaotic World - Anonymous Hate

285 acessosAnonymous Hate: Um bom debut desta banda de Macapá

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Anonymous Hate"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Anonymous Hate"

GuitarraGuitarra
Em vídeo, o solo mais destrutivo que você já viu

MotorheadMotorhead
Lemmy comenta as suas tatuagens e as tatuagens dos fãs

GuitarristasGuitarristas
Os 5 melhores para conhecer as últimas décadas

5000 acessosHeavy Metal: os 10 álbuns mais importantes da história5000 acessosDream Theater: o habilidoso baixista caladão5000 acessosNirvana e Guns N' Roses: veja Kurt imitando "snake dance" de Axl4974 acessosGene Simmons: "Eu não gosto do sabor nem do cheiro de qualquer coisa com álcool"5000 acessosDJ Ashba: "não me vejo voltando ao Guns N' Roses nunca mais"5000 acessosKeith Richards: Stone fala de relacionamento com os Beatles

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online