Deadlock: Brutalidade para ouvir de mente aberta

Resenha - Wolves - Deadlock

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por José Antonio Alves
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


É indiscutível o fato de que a Alemanha é um dos maiores celeiros de bandas de metal, em qualquer uma das suas mais variadas vertentes. Não demorou muito para surgirem algumas bandas de um estilo que é mais vastamente explorado nos Estados Unidos, o Metalcore. Caliban, Heaven Shall Burn e o DEADLOCK despontam como algumas das melhores vindas das terras germânicas. "Wolves" é o terceiro trabalho do DEADLOCK e passa por elementos do melodic death metal, incorporando aspectos do metalcore.
5000 acessosRock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 19855000 acessosBayley, Wilson e Cherone: grandes erros na história de grandes bandas

Formado em 1997 como uma banda de death metal pelo vocalista Johannes Prem, o guitarrista Sebastian Reichl e o baterista Tobias Graf, chegaram a lançar um vinil auto-intitulado em 1999, mas o primeiro trabalho da banda foi lançado no ano de 2002, e contava com uso de teclados e a adição de vocais limpos da vocalista Sabine Weninger.

Em "Wolves" de 2007, a formula é mesclar death metal com metalcore, ritmos eletrônicos e uma boa combinação entre vocais guturais e limpos. A demonstração disso aparece na faixa "We All Shall Bleed", que soa brutal, com bons riffs e melodia, assim como na ótima "Code Of Honor". A maioria das músicas possuem fórmulas similares, com versos cantados em guturais contrastando com vocais limpos, o que pode até soar enjoativo, mas não no caso do Deadlock.

Esta diversificação nos elementos musicais torna a experiência de audição interessante no que se refere aos elementos eletrônicos. Claro, alguns irão torcer o nariz para isso, pois combinar elementos da música eletrônica com metal soa no mínimo "diferente", mas não dá tempo de "apreciar" tais ritmos, visto que logo a banda já emenda uma boa pegada de bateria, ou um riff matador.

"Loser´s Ballet" é uma das faixas diferenciadas do álbum, com inicio mais tranqüilo e bons arranjos um pouco mais sinfônicos, que logo avança para algo mais destruidor. "End Begins" apresenta bom solo e é um dos destaques no que se refere à atuação vocal. Considero a faixa "Dark Cell" como a melhor do álbum, chega a ser grudenta e com seus bons riffs elevam o nível do trabalho.

"As Words To Bullets" é a mais metalcore de todas no CD, com velocidade e boa levada, e para fechar o álbum, algo menos brutal e que exalta mais uma vez o lado harmonioso dos vocais: a faixa "To Where The Skies Are Blue".

A fórmula usada pelo Deadlock é interessante, eu diria que o bom balanceamento feito pela banda nos diversos elementos empregados fazem deste trabalho um dos melhores da carreira da banda, deixando de lado a discussão deathcore, metalcore, e afins, é um álbum para ouvir de mente aberta e desfrutar da brutalidade empregada.

Faixas:
1. World Domination
2. We Shall All Bleed
3. Code Of Honor
4. Losers' Ballet
5. Dark Cell
6. Grown Of Creation
7. End Begins 4:35
8. As Words To Bullets
9. Praeludium II
10. Bloodpact
11. To Where The Skies Are Blue

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Deadlock"

Rock In RioRock In Rio
Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985

VocalistasVocalistas
Três grandes erros na história de três grandes bandas

Classic RockClassic Rock
Os 50 maiores álbuns de rock progressivo

5000 acessosSlipknot: Veja membros atuais sem máscara5000 acessosAngra: Aquiles detona ex-companheiros de banda em workshop5000 acessosQueen - Perguntas e Respostas5000 acessosDerek Sherinian: comentários sobre Kiss e Yngwie Malmsteen5000 acessosEric Adams: "caça é um estilo de vida"5000 acessosAnthrax: gravadora não deixou que Corey Taylor fosse vocalista

Sobre José Antonio Alves

Aventureiro, mochileiro, amante da cultura latina e claro, fã de um dos estilos mais fascinantes deste universo musical: o Heavy Metal!

Mais matérias de José Antonio Alves no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online