Running Wild: "Gates To Purgatory!", o 1º passo do grupo

Resenha - Gates To Purgatory! - Running Wild!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Luis Augusto Bueno de Amorim
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Para os fãs não é novidade que Rolf resolveu navegar uma vez mais abaixo de sua tremulante Jolly Roger, com a sua banda que possui uma das discografias mais perfeitas dentro do heavy metal. Na carreira do Running Wild há uma verdadeira festa quanto aos membros serem trocados aqui e acolá, porém isso nunca afetou a qualidade dos discos, que são todos excelentes. Que tal lembrarmos da época em que o Running Wild lançou seu primeiro LP?
923 acessosRunning Wild: nove primeiros clássicos serão relançados5000 acessosMorbid Angel: "banda satânica, eu jamais voltaria", diz Sandoval

Gates To Purgatory foi gravado pela Noise Records, e se tornou um clássico supremo para qualquer headbanger até hoje. O disco possuía temáticas ocultistas, sombrias, que só fizeram dele um mito a mais na carreira do Running Wild.

Na altura a formação era: Rolf Kasparek (guitarras e vocais), Gerald "Preacher" Warnecke (guitarra), Stephan Boriss (baixo) e Wolfgang "Hasche" Hagemann (bateria).

Todas as faixas trazem o que há de melhor no Heavy Metal oitentista, algumas soam como speed metal, e outras tem um feeling mais durão e cadenciado.

O álbum vendeu mais de 20 mil cópias em apenas 3 semanas e o legado deles estava apenas no início, pois não era apenas uma banda passageira como tantas outras, era uma banda que entraria na história e influenciaria milhares de outras bandas que surgiriam mais tarde.

Esse disco ainda não tinha a temática pirata adotada mais tarde, e os imbecis religiosos, e a mídia "competente", começaram com suas acusações e seus medos, expondo o grupo como sendo satanistas.

No vinil original as faixas "Satan" e "Walpurgis Night" foram censuradas e só saíram nos singles. Mas no relançamento do álbum em CD mais tarde essas músicas foram incluídas. Esses palhaços nunca conseguiram atrapalhar o Running Wild que vendeu uma tonelada de discos no velho continente, mesmo nessa época em que usavam seus coletes e calça de couro, com "Bullets", "Spikes" e Cruzes invertidas, e fizeram o que realmente queriam fazer, Heavy Metal!

Não importava se os religiosos estavam ou não perdendo jovens fiéis, ou futuras rendas... para o Running Wild, era importante escrever sobre aquilo que o coração falava, sem hipocrisia.

A música toma rumos diferentes no decorrer da carreira, mas sempre por decisão de Rolf, e nunca por pressão de mídia, críticas, ou religiosos falastrões de bairro.

Tracklist:

1. "Victim of States Power" 3:36
2. "Black Demon" 4:25
3. "Preacher" 4:22
4. "Soldiers of Hell" 3:23
5. "Diabolic Force" 4:58
6. "Adrian S.O.S." 2:49
7. "Genghis Khan" 4:11
8. "Prisoner of Our Time" 5:22
9. "Walpurgis Night*" 4:09
10. "Satan*" 5:00

*As faixas 9 e 10 são bônus presentes no relançamento em Cd.

Analisando o Clássico:

O disco começa com "Victim of States Power", que é poderosa ao extremo mesmo! Na minha modesta opinião, é uma das melhores músicas do Running Wild. Wolfgang espanca a sua bateria, de forma maravilhosa, fazendo um som brutalmente contagiante, Rolf e Preacher também trabalham muito bem nas guitarras atingindo um speed metal formidável.

Em "Black Demon" e "Preacher", temos sons cadenciados, mas muito bons, lembrando que a primeira faixa citada tem um refrão daqueles bem grudentos.

"Soldiers Of Hell" é outro destaque do disco, tendo aquela característica das principais bandas da época, onde você para e pensa: " Esse som poderia facilmente ser executado pelo Judas Priest, Saxon, Iron Maiden...", mas com a marca do Running Wild!

Logo em seguida, "Diabolic Force" chega arrebentando tudo!
É outra digna de ser chamada de hino, com riffs espantosos e um solo de guitarra maravilhosamente memorável. Merece ser lembrada como destaque.

Assim que a 5º faixa termina, você poderá ouvir um som de arrepiar até defunto. Chama-se "Adrian S.O.S.", e é outro dos sons mais perfeitos já feitos pelo Running Wild. Ela é direta, violenta, e espetacularmente bem feita.

"Genghis Khan" chega trazendo a parte histórica à tona. É muito bem trabalhada e envolvente.

Para fechar um dos maiores clássicos do metal, vem "Prisoner of Our Time", que foi tocada em quase todos os concertos da banda até o encerramento das atividades. Ela possui riffs marcantes, e um refrão digno de hino. basta ouvir e sentir a força deste som.

As faixas bônus foram colocadas no lançamento em CD, e também são muito boas, lembrando que são da mesma época do restante do disco.

Se você ainda não ouviu este Play, não perca tempo. É indispensável.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

923 acessosRunning Wild: nove primeiros clássicos serão relançados0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Running Wild"

Top 10Top 10
Os mais influentes álbuns de Metal Tradicional

Metal AlemãoMetal Alemão
About.com elege as melhores bandas

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Running Wild"

Morbid AngelMorbid Angel
"Banda satânica, eu jamais voltaria", diz Sandoval

Top 10 GuitarristasTop 10 Guitarristas
Matéria empolgada no Jornal da Globo

Iron MaidenIron Maiden
A fotografia estranha de "The Final Frontier"

5000 acessosPaulo de Castro: Baixos, guitarras, calcinhas, e pinball do Kiss?5000 acessosHard Rock - Aqueles que ficaram para trás - Parte 15000 acessosEvanescence: Biel "pediu" estupro de Amy Lee em tweet antigo5000 acessosPra discutir: os 100 melhores discos de Heavy Metal de todos os tempos2925 acessosKeith Carlson: Arte Black Metal minimalista ao extremo4194 acessosVote: Quais os melhores álbuns de rock e metal internacionais lançados em 1982?

Sobre Luis Augusto Bueno de Amorim

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online