Tristania: Sonoridade bem diferente de trabalhos anteriores

Resenha - Rubicon - Tristania

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por José Antonio Alves
Enviar Correções  

7


Quando vi que os noruegueses do Tristania se preparavam para lançar um novo álbum, sem Morten Veland ou mesmo Vibeke Stene, já imaginava que os tempos de "Beyond The Veil" e "Widow´s Weeds" não voltariam, mas fiquei curioso para ver o que teríamos desta vez. "Rubicon" é o sexto trabalho da banda e conta com a novata Mariangela Demurtas nos vocais, trazendo uma banda com sonoridade bem diferente de trabalhos anteriores.

Slash: guitarrista fala sobre a origem da sua cartola

Spin: os 40 melhores nomes de bandas de todos os tempos

Logo de cara, a abertura com "Year Of The Rat", nos mostra certo peso, além de um refrão bem encaixado e grudento, juntamente com bons teclados, o que a torna uma das melhores do disco. "Protection" pode até ter uma pegada mais "dark" em raros momentos, com um bom instrumental, surgindo também os primeiros guturais, mas ainda nos causa a impressão de faltar algo.

"Patriot Games" nos mostra os vocais masculinos de Kjetil Nordhus, com agressividade no refrão e com Mariangela em um tom mais diferenciado de voz, no conjunto, uma faixa mais pesada. "Exile" proporciona similar experiência, com um bom casamento das vozes masculina e feminina, mas talvez muitos sentem falta daquela coisa mais lírica que Vibeke Stene proporcionava.

Não temos em "Rubicon" aquele peso característico do metal, o que coloca a banda um pouco distante do gothic metal que a caracterizou em trabalhos anteriores. Por mais que esta afirmação seja fato, a faixa "Amnesia" até apresenta uma atmosfera mais doom/gothic, com bons arranjos de teclado e a ótima "Illumination" pode ser considerada a melhor composição do álbum, com um ritmo mais lento e com alguma complexidade.

Talvez no álbum falte a melancolia e os vocais líricos das fases anteriores, a voz de Mariangela é ótima, mas definitivamente falta algo, uma abordagem mais comercial se seguiu neste trabalho. Se você não conhece a fase antiga da banda, provavelmente irá adorar o álbum, mas para os fãs que já tiveram o prazer de ter trabalhos como "Widow´s Weeds" e "World Of Glass", "Rubicon" é bem diferente e com alguns poucos (e raros) elementos antigos.

Faixas de "Rubicon":

01. Year of the Rat
02. Protection
03. Patriot Games
04. The Passing
05. Exile
06. Sirens
07. Vulture
08. Amnesia
09. Magical Fix
10. Illumination


Outras resenhas de Rubicon - Tristania

Resenha - Rubicon - Tristania

Resenha - Rubicon - Tristania




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metalhead: as mulheres mais sexys do Heavy MetalMetalhead
As mulheres mais sexys do Heavy Metal

Galeria: Musas do Rock e Heavy MetalGaleria
Musas do Rock e Heavy Metal


Slash: guitarrista fala sobre a origem da sua cartolaSlash
Guitarrista fala sobre a origem da sua cartola

Spin: os 40 melhores nomes de bandas de todos os temposSpin
Os 40 melhores nomes de bandas de todos os tempos


Sobre José Antonio Alves

Aventureiro, mochileiro, amante da cultura latina e claro, fã de um dos estilos mais fascinantes deste universo musical: o Heavy Metal!

Mais matérias de José Antonio Alves no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin