Tristania: Banda mais uma vez muda o som em novo trabalho

Resenha - Rubicon - Tristania

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Carlos Cesare
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 4

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O TRISTANIA é um dos principais nomes do então classificado “Gothic Metal” e também é um desses grupos com mais modificações de sonoridade. Os dois primeiros álbuns mostravam um som mais denso, com diversas intervenções sinfônicas e algumas pitadinhas de Doom Metal. World of Glass veio em seguida, mostrando um som mais límpido e versátil, com uma grande gama de corais. Ashes mostrou um Tristania abandonando os elementos líricos, investindo num som mais progressivo e sombrio. Illumination moldou o que havia sido mostrado em Ashes, com uma conotação bem mais pop. Eu particularmente amo World of Glass e Ashes, e considero Illumination razoável.
5000 acessosO Suprassumo do Superestimado: os 11 mais (ou menos) nacionais5000 acessosSpike: os sete piores solos de guitarra

Pois após mais uma troca de formação (que acabou tendo grande peso, pois quem jogou a toalha foi a excepcional vocalista Vibeke Stene e o baterista de longa data Kenneth Olsson), a banda mais uma vez muda seu som em seu último trabalho, Rubicon. A diferença não é tão grande em relação ao Illumination, mas o que se escuta aqui não empolga. Infelizmente a banda está abandonando sua originalidade a cada novo trabalho e Rubicon pouco difere do que bandas como LACUNA COIL E BESEECH já fizeram exaustivamente.

Em uma primeira audição, a faixa que mais se destaca é Illumination. E nas seguintes também. Isso porque esta música é a que investe em algo totalmente diferente em relação ao resto do disco: e curiosamente é a única composta pelo tecladista Einar Moen. De resto temos Vultures, Exile e Protection, que contam com boas passagens e um instrumental coeso. E só. De Year of the Rat à Magical Fix, os mesmos elementos são utilizados, sem maior inspiração. O maior problema é a insistência em passagens repletas de vozes, em grande parte os duetos entre Mary e Kjetil, que acabam tornando tudo muito maçante e forçado. Não há dúvidas que os dois são bons vocalistas, mas o mesmo recurso utilizado em praticamente todas as músicas prejudica demais a audição.

Rubicon é o trabalho mais fraco do grupo, principalmente por ser uma repetição do que por milhares de vezes já foi explorado dentro do gênero. É uma pena uma banda que tem um grande valor na cena estar definhando desta forma.

Formação:
Mariangela Demurtas - Vocal
Kjetil Nordhus - Vocal
Einar Moen - Teclado
Anders Hoyvik Hidle - Guitarra
Ole Vistnes - Baixo
Tarald Lie - Bateria
Gyri Smørdal Losnegaard - Guitarra

Tracklist:
01. Year of the Rat
02. Protection
03. Patriot Games
04. The Passing
05. Exile
06. Sirens
07. Vulture
08. Amnesia
09. Magical Fix
10. Illumination

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Rubicon - Tristania

2289 acessosTristania: Não espere por aquele som melancólico de antes1333 acessosTristania: Sonoridade bem diferente de trabalhos anteriores

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Tristania"

MetalheadMetalhead
As mulheres mais sexys do Heavy Metal

Feias que me perdoemFeias que me perdoem
Musas do Rock e Heavy Metal

Musas do MetalMusas do Metal
Confira as 10 mais lindas atualmente

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Tristania"

Os 11 mais (ou menos)Os 11 mais (ou menos)
O Suprassumo do Superestimado

SpikeSpike
Os sete piores solos de guitarra

Heavy MetalHeavy Metal
Cinco discos necessários dos anos setenta

5000 acessosHall Of Shame: as melhores músicas ruins da história do Metal5000 acessosPsicografia: uma suposta carta do espírito de Cássia Eller5000 acessosFãs de Rock: você conhece o estilo de se vestir de cada um5000 acessosAngra: banda errou na escolha de Fabio Lione?5000 acessosMalmsteen: "A 1ª vez que fui ao Brasil não consegui acreditar"5000 acessosDave Lombardo: o que ele realmente acha de Lars Ulrich?

Sobre Carlos Cesare

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online