Matérias Mais Lidas

imagemThin Lizzy e o álbum picareta de covers do Deep Purple que garantiu sua sobrevivência

imagemConheça o guitarrista brasileiro de 16 anos que estará no próximo clipe do Megadeth

imagemBeatles: A música que Paul McCartney compôs para calar a boca de Pete Townshend

imagemA inteligente estratégia de Prika para não perder gravadora na ruptura da Nervosa

imagemO hit dos Engenheiros sobre Humberto não querer ser guru dos jovens igual Renato Russo

imagemPor que o processo de composição da Legião Urbana e Engenheiros era tão diferente?

imagemRoger Waters sobre tocar Pink Floyd sem David Gilmour: "Não tenho problema algum"

imagemSteve Grimmett: vocalista do Grim Reaper morre aos 62 anos

imagemAs 10 músicas mais estranhas do Guns N' Roses, em lista do Ultimate Classic Rock

imagemDream Theater: confira possível setlist dos shows da banda no Brasil

imagemSons of Apollo une carisma e técnica em show no Rio com direito a piada de Mike Portnoy

imagemAs obscuras músicas favoritas do Red Hot Chili Peppers de John Frusciante

imagemAs 10 melhores músicas "lado b" da carreira solo de Dio, em lista do Metal Injection

imagemDez clássicos do thrash metal que não foram gravados pelo "Big Four" - Parte I

imagemO hit do Engenheiros do Hawaii frequentemente confundido com confissão de aborto


Dream Theater 2022

Device: Caminhando entre o Thrash e o Death Metal

Resenha - Antagonistic - Device

Por Vitor Franceschini
Em 29/01/12

publicidade

Nota: 9

Os candangos do Device estão na ativa desde 2004 e de lá pra cá lançaram este trabalho e o EP "Behold Darkness" em 2007. A banda consegue caminhar perfeitamente na linha tênue entre o Thrash Metal e o Death Metal, fazendo um som maduro, com peso, personalidade e letras que abordam temas sociais, anticristianismo, guerra e morte.

Em 2008 a banda teve uma das maiores conquistas, ficando em segundo lugar da seletiva regional no Centro-Oeste do W:O:A Metal Battle Brasil, onde o principal objetivo do evento é levar uma banda para disputar o concorrido Metal Battle do festival alemão Wacken Open Air (a Meca do Metal mundial).

"Antagonistic" mostra-se um trabalho bem maduro por se tratar de um debut e foi produzido pela banda e Caio Duarte (Dynahead) no BroadBand Studios, em Brasília e masterizado pelo produtor/engenheiro de som britânico Russ Russel – que já trabalhou com nomes como Dimmu Borgir, Napalm Death, Defecation, entre outros.

"Let Burn" abre o trabalho de forma brutal e veloz, mostrando de cara a coesão da banda e o alto nível da produção, que deixou todos os instrumentos na medida. O refrão da composição fica na cabeça nas primeiras audições, o que mostra que a faixa é um belo cartão de visitas.

Apesar de fazer um som pesado e com momentos velozes, como em "Let Burn", a banda mostra versatilidade em temas mais cadenciados como em "Insanity", onde a cadência aliada a alguns dedilhados dá o tom da faixa, sem perder o peso característico da banda. Os solos de guitarra também são muito bem executados, digno da escola de nomes como Alex Skolnick (Testament) e Marty Friedman (Megadeth).

Voltando ao lado mais veloz, mas ainda versátil pela alternância de vocais guturais com rasgados, vale destacar "Temptations Desert". A faixa possui um trabalho fenomenal de cozinha e mais influências de Testament nos solos. "The Meaning Of Horror" demonstra mais uma vez como a banda sabe variar nas levadas rítmicas e de novo cadenciando o som, que é envolto por mais dedilhados. É a faixa que mais se aproxima do Metal dos anos 80.

Fecha o trabalho a faixa cantada em português "Pátria Dos Porcos" que conta com a participação especial de Cleyton Albernaz, da banda de Hardcore xLinha De Frentex, dividindo os vocais com Ítalo Guardieiro.

"Antagonistic" passa rápido nas audições, mas não passa despercebido e muito menos porque possui elementos descartáveis, mas sim, como um bom filme, que te prende na audição e quando acaba, parece que você começou a vê-lo naquela hora, de tantas qualidades que possui.

Este trabalho será relançado juntamente com o EP de estreia "Behold Darkness" em um único CD através da Eternal Hatred Records. Portanto, não perca a chance e vá logo atrás da sua cópia!


Outras resenhas de Antagonistic - Device

Resenha - Antagonistic - Device

Resenha - Antagonistic - Device

Resenha - Antagonistic - Device

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Iron Maiden: Perguntas e respostas e curiosidades diversas

King Diamond: O que significa ser Satanista?


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini.