Deep Purple: "Rainbow com Jon Lord e Ian Paice"

Resenha - Slaves And Masters - Deep Purple

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Cássio Pfütz
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 6

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Para que você acompanhe meu raciocínio, vamos do começo. Em 1975 o guitarrista do Deep Purple, Ritchie Blackmore, deixou a banda. O motivo era o som do grupo que, sutilmente, ia ganhando uma roupagem de soul, juntamente com o velho rock n' roll. Blackmore, em tese, queria algo mais "roots". Deixando o Purple, montou uma nova banda, o Rainbow. Neste mesmo ano lançaram o disco que desde o nome deixava claro a lideraça do guitarrista: "Ritchie Blackmore's Rainbow". A grande surpresa deste álbum, e desta banda além das composições, que, sim, eram mais "roots", era o dono da voz. O vocalista do Rainbow, até então desconhecido, era Ronnie James Dio. Dono de uma voz que influenciou o metal pra sempre.

1232 acessosJoe Satriani: por que ele não ficou no Deep Purple?5000 acessosMetallica: foto rara de formação original do grupo

O processo de composição do Rainbow era o seguinte: Blackmore fazia as melodias e Dio as letras. Para deixar o disco ainda mais "roots", as letras de Dio traziam temas medievais e fabulosos como dragões, espadas, mágica, feiticeiros, guerreiros, princesas e castelos, que mais tarde também influenciariam diversas bandas de metal. A dupla de composição (e perfeita execução nos palcos) durou 3 álbuns com músicas inéditas e 1 álbum ao vivo. "Ritchie Blackmore's Rainbow" (1975), "Rising" (1976), "On Stage" (1977) e "Long Live Rock n' Roll" (1978).

Acredite. Em 1978 Blackmore tem uma conversa séria com Dio, dizendo que estava insatisfeito com a temática da banda, e queria que Dio passasse a compor letras mais comerciais para suas melodias. Dio chutou o balde e, certamente indignado, deixou o Rainbow. Após uma rápida escolha para um novo vocalista, um álbum foi lançado no ano de 1979, já mais comercial. Neste mesmo ano, o baixista do Deep Purple, Roger Glover, velho companheiro de Blackmore, entra na banda, dando uma engrossada no caldo do Rainbow. No ano seguinte a banda trocaria de vocalista novamente, conseguindo um vocalista ainda mais comercial, com o rosto ainda mais rosado, do jeito que Blackmore sempre sonhou. O nome deste sujeito é Joe Lynn Turner.

Os discos com Turner são bons. Mas se colocarmos ao lado dos 4 primeiros, podemos ver claramente a drástica diferença no som e na temática da banda. Que era, de fato, o que Blackmore queria. A voz vezes agressiva, vezes sublime, de Dio era muito diferente da voz forte e gemida de Joe Lynn Turner. Com ele, foram gravados 3 álbuns de grande sucesso, quiçá, grande apelo comercial.

Em 1983 o Rainbow acabou. Não havia nenhuma razão aparente além da volta do Deep Purple (com sua formação clássica). Eles lançaram o grandioso "Perfect Strangers"(1984), fizeram shows e em 1987 lançaram "The House of Blue Light". Este último contava com um som mais atualizado. Não chegava a ser comercial. Nas mãos de um quinteto poderoso, o Deep Purple foi brilhante na década de 80. Mas no final dessa mesma década Blackmore e Ian Gillan (vocalista) começaram a ter desentendimentos e Ian resolve deixar a banda (pela segunda vez, sendo a primeira em 1973). Os outros quatro membros permaneceram na banda. Tendo em vista que o Deep Purple, principalmente se tratando da formação clássica, era uma banda em que todos tinham o mesmo peso de importância, nem tudo estava perdido com a saída de Ian. O que precisavam agora era recrutar uma figura para o vocal. O escolha foi Joe Lynn Turner.

O adorável bad boy gravou com a banda o disco "Slaves and Master" em 1990. Esse disco, até os dias de hoje, divide muitas opiniões. Uns adoram: "pensando bem... apenas Ian Gillan não está lá". Outros detestam... "Ian Gillan não estar lá já é o bastante para ser ruim".

O Deep Purple sempre teve composições explosivas e super criativas. Ajudaram a criar o heavy metal junto com Black Sabbath e Led Zeppelin. E, como já disse antes, todos tinham o mesmo valor musical. "Slaves and Masters" podia sim ser um ótimo disco mesmo sem Ian Gillan, mas não é. Infelizmente não. Volto a repetir o mesmo que disse sobre o Rainbow acima: "Slaves and Maters" não é ruim, mas não se compara aos discos anteriores. Atrás de Turner estava o quarteto poderoso que compôs "Smoke on the Water", mas mesmo assim o som parece estar afogado na pop metal do Rainbow de "Stone Cold". O que ninguém para pra pensar é que o baixista do Deep Purple fez parte do Rainbow (na mesma época em que Turner) por isso, de certa maneira, o que prevalece nesta formação é o Rainbow Comercial.

Repito: "Slaves and Masters" não é um álbum ruim. Mas vocês não podem negar: "Slaves and Master" é Rainbow com Jon Lord e Ian Paice.

FAIXAS
01 - King of Dreams
02 - The Cut Runs Deep
03 - Fire in the Basement
04 - Truth Hurts
05 - Breakfast in Bed
06 - Love Conquers All
07 - Fortuneteller
08 - Too Much Is Not Enough
09 - Wicked Ways

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Lynyrd SkynyrdLynyrd Skynyrd
Banda cancela vinda à América Latina

1232 acessosJoe Satriani: por que ele não ficou no Deep Purple?1429 acessosDeep Purple: A incrível "Mistreated" no California Jam de 197451 acessosEm 03/06/1970: Deep Purple lança o álbum In Rock28 acessosEm 07/04/2017: Deep Purple lança o álbum Infinite30 acessosEm 25/03/1972: Deep Purple lança o álbum Machine Head0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Deep Purple"

The SunThe Sun
Os dez melhores riffs da história do Rock

Deep PurpleDeep Purple
"Sempre soubemos que venceríamos sem Gillan", revela Hughes

Gusttavo LimaGusttavo Lima
Deep Purple, Guns N' Roses e outros solos

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Deep Purple"0 acessosTodas as matérias sobre "Rainbow"


MetallicaMetallica
Foto rara de formação original do grupo

HumorHumor
Os impressionantes diários secretos de Roger Waters

PanteraPantera
About.com elege os cinco melhores álbuns da banda

5000 acessosMetallica: gosto musical impediu que se tornassem um Maiden5000 acessosBruce Dickinson: Use Your Illusions? Aquele formato é uma bosta!5000 acessosLed Zeppelin: plágios, homenagens ou mera coincidência?5000 acessosJourney: ouça vocal de Steve Perry em Don't Stop Believin'5000 acessosDavid Ellefson: o único artista tatuado autêntico foi Bon Scott5000 acessosStephanie Seymour: ex de Axl Rose mostra ótima forma aos 44

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Cássio Pfütz

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online