Black Oil: Heavy Metal com batidas regionais brasileiras

Resenha - Not Under My Name - Black Oil

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


Mais um brasileiro fazendo muito barulho lá fora! Addasi Addasi (sim, a palavra se repete) não é somente um guitarrista, mas também uma alma aventureira que já rodou o mundo e, na ânsia de conhecer novas culturas, teve a oportunidade de morar entre os Maoris na Nova Zelândia. Estabelecendo-se na Califórnia (EUA), procurou por músicos locais e montou o Black Oil em 2007, e há alguns meses lançou seu segundo álbum, "Not Under My Name".

Tragédias: 10 das piores ocorridas em shows de Rock e MetalBlack Sabbath: mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill Ward

E, se o debut "Join The Revolution" (09) já era muito bom, "Not Under My Name" consegue superá-lo com folgas. O Black Oil faz Heavy Metal dos mais agressivos e repleto de batidas regionais brasileiras ou, em menor grau, de outras culturas espalhadas pelo mundo, construindo sua música com fortes referências de Sepultura da fase "Roots" e com aquele groove típico do saudoso Pantera, além de linhas de voz bastante ríspidas que também remetem ao Max Cavalera e Phil Anselmo.

Algumas canções são bem experimentais, como é o caso da própria faixa-título cheia de ‘brasilidade’ e com pitadas de industrial, ou ainda "Matador", um dos exemplos de música cantada na língua portuguesa. Já outras faixas seguem uma construção mais convencional, tendo como destaque "Great Divide" e as espetaculares "Amazonia" e "CPU Samba".

A gravação ocorreu em Hollywood e ficou aos cuidados de um ex-integrante do Machine Head, Logan Mader (Cavalera Conspiracy, Gojira, Devildriver). O repertório é muito diversificado e, ainda que beire o lado extremo do Heavy Metal, as canções são de fácil assimilação e o resultado certamente encantará as culturas européias e orientais. E, considerando que a temática versa sobre a revolução e liberdade, países como o Brasil, México, entre outros, virão a se identificar ainda mais com o Black Oil.

"Not Under My Name" é um trabalho de grande impacto e que tem como único inconveniente o fato de suas 10 faixas abrangerem apenas 25 minutos. É muito pouco e somente resta ao ouvinte ficar acionando o ‘repeat’... Mas nada de ócio criativo por aqui: o Black Oil já está prestes a lançar seu mais novo álbum, sugestivamente batizado como "Violent Soul", onde Adasi já avisou que será bem mais pesado e com as letras ainda mais contundentes. Estamos no aguardo!

Contato:
http://www.blackoilband.com
http://www.myspace.com/blackoilband

Formação:
Mike Black - voz
Addasi Addasi - guitarra
Jessie Sanchez - baixo
Mike Gomez - bateria

Black Oil - Not Under My Name
(2011 / independente – importado)

01. S.O.S.
02. Terrorization
03. The Great Divide
04. Not Under My Name
05. Eyes of Gaza
06. Matador
07. Amazonia
08. CPU Samba
09. Destruction
10. Motivation


Outras resenhas de Not Under My Name - Black Oil

Resenha - Not Under My Name - Black Oil



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Tragédias: 10 das piores ocorridas em shows de Rock e MetalTragédias
10 das piores ocorridas em shows de Rock e Metal

Black Sabbath: mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill WardBlack Sabbath
Mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill Ward


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin