Crushing Axes: Do extremo às passagens melódicas/acústicas

Resenha - Ascension Of Ules - Crushing Axes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Quem diria que a linha de trabalho exercida pelo saudoso Quorton e seu Bathory iria influenciar tantos músicos ao redor do mundo, mesmo depois de tanto tempo...? O Crushing Axes é uma típica 'banda-de-um-homem-só' da cidade paulista de São José dos Campos, tendo como idealizador Alexandre Rodrigues, que está em plena atividade desde 2008 e agora liberando seu quinto trabalho, "Ascension Of Ules".

Black Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaBandas: Por que ninguém está indo a seus shows?

Se comparado com os registros anteriores, "Ascension Of Ules" mostra todo um esforço consciente e devidamente planejado em criar os mais variados ambientes, indo do extremo às passagens melódicas e acústicas. Toda essa abrangência, ainda que tenha uma perspectiva old school, torna ingrata a tarefa em situar o leitor acerca sua arte, mas, em função de sua aura enigmática e pagã, podemos aproximá-lo - e somente aproximá-lo! - dos versáteis grupos do chamado Viking Metal.

Também vale mencionar que "Ascension Of Ules" é um álbum conceitual dividido em três atos, onde um deus é banido pelos seus pares e passa a vagar pela Terra, sem memória, e se envolve nas mais variadas aventuras até o desfecho final. Algo muito legal é o uso de sonoridades típicas da região do planeta pela qual o personagem Ules vai atravessando, como Erhu e Dizi (China), ou a Cítara e Gaita de Fole (Europa).

O áudio sujo, algo abafado e com timbres que poderiam ser mais bem escolhidos é o resultado de qualquer projeto que não possui o devido suporte pode oferecer. Mas, ainda assim, é digno de todos os elogios, pois, mesmo não tendo uma sonoridade no patamar de uma produção gringa, é honesto e consegue mostrar a essência da proposta do Crushing Axes.

Assim, com "Ascension Of Ules", Alexandre Rodrigues mostra estar à altura de liberar um disco físico e realmente profissional; talvez seja questão de tempo e contatos adequados. O repertório possui atrativos para atrair um amplo leque entre o público headbanger, e o leitor que se sentiu atraído pode acessar o MySpace do Crushing Axes, que disponibilizou todos os seus trabalhos para download. Dêem uma conferida!

Contato:
http://www.myspace.com/crushingaxes
http://crushingaxes.blogspot.com

Crushing Axes - Ascension Of Ules
(2011 / independente - nacional)

ACT I - Decadence Of Evil
01. Decay Of The Almighty
02. Awakening
03. Long Way To Nowhere
04. Journey Through The Dark

ACT II - Banned Pilgrim
05. Abyss Of Death
06. Misanthropy
07. Flagellated Mind (convidada: Jessica Araujo)
08. Bloodpaint

ACT III - Ashes Of Divinity
09. A Flash Of Memories
10. The Return (Invading The Garden)
11. Sweet Killing
12. Final Consideration (Vazio)


Outras resenhas de Ascension Of Ules - Crushing Axes

Crushing Axes: Projeto vai do épico ao pós-modernoCrushing Axes: Momentos brutais, atmosféricos e sinfônicos




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Crushing Axes"


Black Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaBlack Sabbath
Um Tony Iommi que você não conhecia

Bandas: Por que ninguém está indo a seus shows?Bandas
Por que ninguém está indo a seus shows?

Raul Seixas - Perguntas e RespostasRaul Seixas - Perguntas e Respostas
Raul Seixas - Perguntas e Respostas

Slash: Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vícioMegadeth: "Magia negra arruinou minha vida", diz MustaineBeatles: John Lennon homenageado com cratera em MercúrioRock: Ele morreu? Slash responde!

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.