Arch Enemy: acesso ao questionável mainstream?

Resenha - Khaos Legions - Arch Enemy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

6


Liberar inúmeros trabalhos de impacto que ajudaram a modelar todo um cenário musical e contar com uma base de fãs que somente parece aumentar são os frutos de muita dedicação em uma trajetória que já ultrapassou a marca dos 15 anos para o Arch Enemy. Mas, até quando uma banda consegue manter este ritmo tão positivo?

Beatles: Alissa White-Gluz e Gus G. gravam versão para "Yesterday"Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno

É claro que o Arch Enemy sempre exibiu uma saudável flexibilidade ao modificar sensivelmente sua música ao longo de cada um de seus sete álbuns de estúdio, e sem comprometer o cerne de sua proposta original. Mas, com "Khaos Legions", os suecos oferecem não somente ocasiões de uma transformação mais radical, mas exibem também sinais de cansaço, o que fará com que o público e crítica venham dividir as opiniões sobre o novo registro.

Se o grande atrativo do Arch Enemy era o invejável trabalho dos irmãos e guitarristas Amott, praticamente virtuosos, agora se optou em construir um repertório com várias canções bem mais simples, reduzindo a velocidade e injetando mais melodias em uma paleta com as mais variadas vertentes pelas quais o Heavy Metal se ramificou. E há de tudo, desde o já esperado Death Melódico, muito Power e, quem diria, até mesmo resquícios de um impensável Hard Rock se fazem presentes por aqui.

Assim, entre esses experimentos, "No Gods, No Masters" é a que melhor evidencia a rejeição aos arranjos mais intrincados e um dos exemplos de clichês e reciclagens do disco. De positivo, "Bloodstained Cross" funciona bem ao mesclar andamentos bem acessíveis, mas com espaço para o metal extremo. De qualquer forma, são as faixas com os conhecidos elementos clássicos do Arch Enemy que obtém os melhores resultados: "Under Black Flags We March" (essa poderia estar no disco "Doomsday Machine", de 2005), "Cruelty Without Beauty" e "Cult Of Chaos".

Com um áudio polido e moderníssimo que é uma verdadeira massa compacta, "Khaos Legions" pode ser considerado como o mais suave e contido disco da carreira do Arch Enemy. Agora, a questão é: isso é um passageiro e compreensível bloqueio criativo, ou toda essa ‘finesse’ é uma tentativa proposital para um maior acesso aos territórios do questionável mainstream?

Contato:
http://www.archenemy.net
http://www.myspace.com/archenemy

Formação:
Angela Nathalie Gossow - voz
Michael Amott - guitarra
Christopher Amott - guitarra
Sharlee D'Angelo - baixo
Daniel Erlandsson - bateria

Arch Enemy - Khaos Legions
(2011 - Century Media Records / Shinigami Records – nacional)

01. Khaos Overture
02. Yesterday Is Dead And Gone
03. Bloodstained Cross
04. Under Black Flags We March
05. No Gods, No Masters
06. City Of The Dead
07. Through The Eyes Of A Raven
08. Cruelty Without Beauty
09. We Are A Godless Entity
10. Cult Of Chaos
11. Thorns In My Flesh
12. Turn To Dust
13. Vengeance Is Mine
14. Secrets


Outras resenhas de Khaos Legions - Arch Enemy

Resenha - Khaos Legions - Arch EnemyResenha - Khaos Legions - Arch EnemyResenha - Khaos Legions - Arch EnemyResenha - Khaos Legions - Arch Enemy



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Beatles: Alissa White-Gluz e Gus G. gravam versão para YesterdayBeatles
Alissa White-Gluz e Gus G. gravam versão para "Yesterday"


Angela Gossow: Não perco meu tempo com idiotas!Angela Gossow
"Não perco meu tempo com idiotas!"

Separadas no nascimento: Angela Gossow e Julia RabelloSeparadas no nascimento
Angela Gossow e Julia Rabello


Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoMaridos traídos
Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno

Metallica: Casal toca Master no casamento e ganha encontro com a bandaMetallica
Casal toca "Master" no casamento e ganha encontro com a banda


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin