Arch Enemy: Uma verdadeira aula de peso aliado a muita melodia

Resenha - Khaos Legions - Arch Enemy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Júlio Neto
Enviar Correções  

9


Com muitos anos de estrada, vasta experiência e após sete álbuns de estúdio que a transformaram em um dos maiores nomes do gênero, com casas cheias onde quer que toquem, era de se esperar certo acomodamento. Mas não é o que encontramos aqui, "Khaos Legions" é com sobras um dos melhores trabalhos já lançados pelos suecos.

Beatles: Alissa White-Gluz e Gus G. gravam versão para "Yesterday"Bon Jovi: as fotos do vocalista com mulheres nuas em 1985

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Se nos lançamentos anteriores o ouvinte tinha uma sensação que havia algo faltando, um sentimento de algo feito às pressas aqui encontrou exatamente o oposto. "Khaos Legions" em suas 14 músicas e quase uma hora e dez minutos de audição, nos encanta, prende a nossa atenção e faz viajar. É um disco maduro, com muito cuidado, harmonias muito bem feitas, peso na medida certa e muita melodia. Angela Gossow cantando muito bem, com agressividade na medida certa e muito feeling e para variar, com os irmãos Amott dando um show nas guitarras com solos altamente inspirados com cada um expondo suas qualidades e influências.

A cozinha formada por Sharlee D’Angelo e Daniel Erlandsson tem uma pegada forte e segura. Como destaques, vale a pena apontar as faixas "Bloodstained Cross" aliando peso com melodia e um refrão grudento para sair cantando junto já na primeira audição. A cadenciada "No Gods, No Masters" é o ponto alto do disco, com guitarras afiadas e uma cozinha segura. "Under Black Flag We March" nos faz lembrar o álbum "Doomsday Machine" aliando partes mais cadenciadas com outras mais rápidas e um solo de guitarra que sozinho já paga o CD. "Cruelty Without a Beauty" é uma pancada, rápida e pesada. Estes são apenas alguns destaques, mas o álbum ao todo é de muito bom gosto e vale a pena a audição por completo.

A produção ficou a cargo de Rickard Bengtsson e a mixagem e a masterização ficaram a cargo de Andy Sneap. Fizeram um excelente trabalho deixando o disco com um som polido, mas ao mesmo tempo cru e cristalino, tirando o melhor de cada instrumento. A bela capa ficou a cargo do renomado artista Brent Elliott White que já trabalhou para nomes como Megadeth e Death Angel.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Khaos Legions" é um trabalho que vai resgatar aquele fã que estava meio inseguro quanto ao futuro da banda e também vai agregar uma nova safra à sua já enorme legião de apreciadores. Com este lançamento que seguramente é o melhor em tempos, a Arch Enemy se mostra revigorada e disposta a briga. Vai encarar?

Faixas:

01 – Khaos Overtorture
02 – Yesterday is Dead and Gone
03 – Bloodstained Cross
04 – Under Black Flags We March
05 – No Gods, No Masters
06 – City of the Dead
07 – Through the Eyes of a Raven
08 – Cruelty Without Beauty
09 – We are a Godless Entity
10 – Cult of Chaos
11 – Thorns of My Flesh
12 – Turn to Dust
13 – Vengeance is Mine
14 – Secrets


Outras resenhas de Khaos Legions - Arch Enemy

Resenha - Khaos Legions - Arch EnemyResenha - Khaos Legions - Arch EnemyResenha - Khaos Legions - Arch EnemyResenha - Khaos Legions - Arch Enemy



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Beatles: Alissa White-Gluz e Gus G. gravam versão para YesterdayBeatles
Alissa White-Gluz e Gus G. gravam versão para "Yesterday"


Angela Gossow: Não existe deus! Simplesmente lide com isso!Angela Gossow
"Não existe deus! Simplesmente lide com isso!"

The Agonist: Alissa descreve demissão como pior traição da vidaThe Agonist
Alissa descreve demissão como "pior traição da vida"


Bon Jovi: as fotos do vocalista com mulheres nuas em 1985Bon Jovi
As fotos do vocalista com mulheres nuas em 1985

Big Four: astros da cena Heavy escolhem banda preferidaBig Four
Astros da cena Heavy escolhem banda preferida


Sobre Júlio Neto

Ligado ao Heavy Metal há mais de 25 anos. Zineiro, produtor de shows underground. Colecionador voraz de CDs, vinil e livros. Fã incondicional do metal nacional, sempre apoiando as bandas e não deixando de adquirir seus materiais. Mora no sul da Bahia e apesar da distância, sempre a par do que acontece no underground.

Mais matérias de Júlio Neto no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280