Arch Enemy: "Khaos Legions é a própria besta!"

Resenha - Khaos Legions - Arch Enemy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Juliana - AEBR, Fonte: Brazilian Apocalypse, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


De seu humilde início underground para a potência que são hoje, o ARCH ENEMY sempre apresentou um death metal sueco sólido que lhes deu uma base de fãs que cresce a cada novo lançamento. Eles atingiram picos com álbuns influentes como Burning Bridges e Wages of Sin, então seguindo em um território com base mais comercial com Anthems of Rebellion e Doomsday Machine, que levou ao irregular Rise of the Tyrant. Assim, quando o Arch Enemy anunciou seu novo álbum de estúdio intitulado Khaos Legions, este escritor não tinha certeza em qual direção a banda estava indo.
5000 acessosThe Agonist: Alissa descreve demissão como "pior traição da vida"5000 acessosMetallica: TMZ descobre o que Lars usava por baixo da calça

Felizmente, Khaos Legions é a própria besta. Baseia-se nos aspectos positivos de seus últimos lançamentos e corrige os negativos, dando um grande dedo do meio, conduzido por um som cru e desenfreada com algumas das melhores composições que veio da banda em algum tempo. Com a música de abertura, a instrumental "Khaos Overture", está bastante claro que a banda significa negócio."Yesterday is Dead and Gone" é uma enxurrada implacável de quatro minutos que tem todos os traços da assinatura pelas quais o Arch Enemy é conhecido e amado - ritmos esmagadores, leads rápidos e o ataque vocal de Angela Gossow, com abundância de suas influências de metal melódico sustentando tudo isso.

Uma das coisas que desapontaram no Rise of the Tyrant foi que ele parecia apressado. Khaos Legions, por outro lado, parece consistente e parece que houve muito mais tempo gasto nos estágios criativos. Faixas como "Cruelty Without Beauty" (com um violão clássico tocando Outro ), "Thorns in My Flesh", "City of the Dead" e "Cult of Chaos" soam como uma mistura das eras de Wages of Sin e Burning Bridges com suas próprias idiossincrasias. "Through the Eyes of a Raven", "Under Black Flags We March" e "No Gods, No Masters" são de eras recentes, mas com uma forte, mais dominante força motriz. E em uma volta completa as faixas finais "Vengeance is Mine" e "Secrets" invocam memórias de sua estréia Black Earth.

Os irmãos Amott não se seguram no departamento de solo também. Os riffs, leads e harmonias são simplesmente de estourar a cabeça e fizeram meu queixo cair sobre a mesa. Como solistas individuais, que trazem diferentes estilos para a mesa - Michael com o seus leads baseados em blues e comandados pelo wah e Chris com seu trabalho técnico e ainda sim melódico - mas quando eles se harmonizam e trabalham juntos, tudo se encaixa. Um exemplo perfeito seria "Secrets". Ela simplesmente soa bem. As seções de ritmo do Sharlee D'Angelo e do Daniel Erlandsson são fortes e mecânicas e mantém a máquina rolando. Do ponto de vista vocal, a abordagem é retirada e faz Angela ter um som cru, muito irritado e bastante intenso e dito isso, a produção de Rickard Bengtsson combinado com a mixagem e masterização de Andy Sneap se combinam com essa abordagem - crua e na sua cara enquanto chuta o seu traseiro do começo ao fim.

Khaos Legions traz um pouco de tudo de seus álbuns anteriores e joga-os na panela musical, criando uma única entidade que reúne o melhor do Arch Enemy. Vai, sem dúvida, satisfazer os seus fãs e pode recuperar alguns fãs que tinham cansado um pouco de seus últimos esforços. É possivelmente o seu melhor momento desde o início até meados dos anos 00s e proclama que o Arch Enemy está aqui para ficar. Se você não gosta, bem, você sabe o que fazer.

1. Khaos Overture
2. Yesterday is Dead and Gone
3. Bloodstained Cross
4. Under Black Flags We March
5. No Gods, No Masters
6. City of the Dead
7. Through the Eyes of a Raven
8. Cruelty Without Beauty
9. We are a Godless Entity
10. Cult of Chaos
11. Thorns in My Flesh
12. Turn to Dust
13. Vengeance is Mine
14. Secrets

Para comprar o Khaos Legions vá para: www.centurymedia.com/specials/archenemy

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Khaos Legions - Arch Enemy

1632 acessosArch Enemy: Uma verdadeira aula de peso aliado a muita melodia2511 acessosArch Enemy: acesso ao questionável mainstream?2220 acessosArch Enemy: Integrado no contexto do "Melodic Death Metal"4201 acessosArch Enemy: sem inspiração e refém do estilo que construiu

The AgonistThe Agonist
Alissa descreve demissão como "pior traição da vida"

644 acessosArch Enemy: "As The Stages Burn!" entra nas paradas798 acessosArch Enemy: ouça versão acústica de "War Eternal"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Arch Enemy"

Revolver MusicRevolver Music
Confira quem ganhou a premiação de melhores do ano

Angela GossowAngela Gossow
"Mulher numa banda de Metal sempre incomoda!"

Arch EnemyArch Enemy
"A religião é uma desculpa para a guerra!"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Arch Enemy"

MetallicaMetallica
TMZ descobre o que Lars usava por baixo da calça

SlashSlash
A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gay

Dave MustaineDave Mustaine
"Joguei dois feitiços em pessoas, ambos funcionaram!"

5000 acessosIron Maiden: quinze canções que definem a banda5000 acessosLemmy Kilmister fala de Sharon e Iron Maiden5000 acessosCapas clássicas: os locais onde foram feitas nos dias de hoje5000 acessosVinil: 21 coisas que ninguém nunca lhe conta sobre colecioná-lo5000 acessosKerry King: certo que fez coisa legal na sua carreira5000 acessosGwar: "Oderus Urungus" é queimado em memorial ao vocalista

Sobre Juliana - AEBR

Juliana Lacerda, formada em Matemática Aplicada e Computação Científica - USP. Fluente em inglês e atualmente aprendendo alemão e sueco. É webmistress do fansite oficial brasileiro da banda Arch Enemy www.archenemy.net.br . Além do Arch Enemy, gosta de bandas como Arkona, Dimmu Borgir, Ensiferum, Finntroll, Graveworm e Equilibrium.

Mais matérias de Juliana - AEBR no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online