Arch Enemy: "Khaos Legions é a própria besta!"

Resenha - Khaos Legions - Arch Enemy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Juliana - AEBR, Fonte: Brazilian Apocalypse, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


De seu humilde início underground para a potência que são hoje, o ARCH ENEMY sempre apresentou um death metal sueco sólido que lhes deu uma base de fãs que cresce a cada novo lançamento. Eles atingiram picos com álbuns influentes como Burning Bridges e Wages of Sin, então seguindo em um território com base mais comercial com Anthems of Rebellion e Doomsday Machine, que levou ao irregular Rise of the Tyrant. Assim, quando o Arch Enemy anunciou seu novo álbum de estúdio intitulado Khaos Legions, este escritor não tinha certeza em qual direção a banda estava indo.

The Agonist: "Alissa tenta matar a banda desde que foi demitida", diz Vicky PsarakisMax Cavalera: "Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!"

Felizmente, Khaos Legions é a própria besta. Baseia-se nos aspectos positivos de seus últimos lançamentos e corrige os negativos, dando um grande dedo do meio, conduzido por um som cru e desenfreada com algumas das melhores composições que veio da banda em algum tempo. Com a música de abertura, a instrumental "Khaos Overture", está bastante claro que a banda significa negócio."Yesterday is Dead and Gone" é uma enxurrada implacável de quatro minutos que tem todos os traços da assinatura pelas quais o Arch Enemy é conhecido e amado - ritmos esmagadores, leads rápidos e o ataque vocal de Angela Gossow, com abundância de suas influências de metal melódico sustentando tudo isso.

Uma das coisas que desapontaram no Rise of the Tyrant foi que ele parecia apressado. Khaos Legions, por outro lado, parece consistente e parece que houve muito mais tempo gasto nos estágios criativos. Faixas como "Cruelty Without Beauty" (com um violão clássico tocando Outro ), "Thorns in My Flesh", "City of the Dead" e "Cult of Chaos" soam como uma mistura das eras de Wages of Sin e Burning Bridges com suas próprias idiossincrasias. "Through the Eyes of a Raven", "Under Black Flags We March" e "No Gods, No Masters" são de eras recentes, mas com uma forte, mais dominante força motriz. E em uma volta completa as faixas finais "Vengeance is Mine" e "Secrets" invocam memórias de sua estréia Black Earth.

Os irmãos Amott não se seguram no departamento de solo também. Os riffs, leads e harmonias são simplesmente de estourar a cabeça e fizeram meu queixo cair sobre a mesa. Como solistas individuais, que trazem diferentes estilos para a mesa - Michael com o seus leads baseados em blues e comandados pelo wah e Chris com seu trabalho técnico e ainda sim melódico - mas quando eles se harmonizam e trabalham juntos, tudo se encaixa. Um exemplo perfeito seria "Secrets". Ela simplesmente soa bem. As seções de ritmo do Sharlee D'Angelo e do Daniel Erlandsson são fortes e mecânicas e mantém a máquina rolando. Do ponto de vista vocal, a abordagem é retirada e faz Angela ter um som cru, muito irritado e bastante intenso e dito isso, a produção de Rickard Bengtsson combinado com a mixagem e masterização de Andy Sneap se combinam com essa abordagem - crua e na sua cara enquanto chuta o seu traseiro do começo ao fim.

Khaos Legions traz um pouco de tudo de seus álbuns anteriores e joga-os na panela musical, criando uma única entidade que reúne o melhor do Arch Enemy. Vai, sem dúvida, satisfazer os seus fãs e pode recuperar alguns fãs que tinham cansado um pouco de seus últimos esforços. É possivelmente o seu melhor momento desde o início até meados dos anos 00s e proclama que o Arch Enemy está aqui para ficar. Se você não gosta, bem, você sabe o que fazer.

1. Khaos Overture
2. Yesterday is Dead and Gone
3. Bloodstained Cross
4. Under Black Flags We March
5. No Gods, No Masters
6. City of the Dead
7. Through the Eyes of a Raven
8. Cruelty Without Beauty
9. We are a Godless Entity
10. Cult of Chaos
11. Thorns in My Flesh
12. Turn to Dust
13. Vengeance is Mine
14. Secrets

Para comprar o Khaos Legions vá para: www.centurymedia.com/specials/archenemy


Outras resenhas de Khaos Legions - Arch Enemy

Arch Enemy: Uma verdadeira aula de peso aliado a muita melodiaArch Enemy: acesso ao questionável mainstream?Arch Enemy: Integrado no contexto do "Melodic Death Metal"Arch Enemy: sem inspiração e refém do estilo que construiu




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Arch Enemy"


The Agonist: Alissa tenta matar a banda desde que foi demitida, diz Vicky PsarakisThe Agonist
"Alissa tenta matar a banda desde que foi demitida", diz Vicky Psarakis

Babymetal: Sabaton, Arch Enemy e rapper participam de novo álbumBabymetal
Sabaton, Arch Enemy e rapper participam de novo álbum

Fotos de Infância: Arch EnemyFotos de Infância
Arch Enemy

Arch Enemy: técnica vocal e vegetarianismoArch Enemy
Técnica vocal e vegetarianismo

Pra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 2003Pra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 2003


Max Cavalera: Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!Max Cavalera
"Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!"

Creed: nomeada pior banda dos anos 1990 pela Rolling StoneCreed
Nomeada pior banda dos anos 1990 pela Rolling Stone

Jim Carrey: batendo cabeça ao som de Cannibal CorpseJim Carrey
Batendo cabeça ao som de Cannibal Corpse

Iron Maiden: Video mostra "erros" da banda ao vivoSlayer: quando Cronos deixou Tom Araya de olho roxoThe Voice Brasil: candidato arrebenta com Queen e vai pra finalUriah Heep: banda acusa o Iron Maiden de plágio

Sobre Juliana - AEBR

Juliana Lacerda, formada em Matemática Aplicada e Computação Científica - USP. Fluente em inglês e atualmente aprendendo alemão e sueco. É webmistress do fansite oficial brasileiro da banda Arch Enemy www.archenemy.net.br . Além do Arch Enemy, gosta de bandas como Arkona, Dimmu Borgir, Ensiferum, Finntroll, Graveworm e Equilibrium.

Mais matérias de Juliana - AEBR no Whiplash.Net.