RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Summer Breeze

Arch Enemy: "Khaos Legions é a própria besta!"

Resenha - Khaos Legions - Arch Enemy

Por Juliana - AEBR
Fonte: Brazilian Apocalypse
Postado em 31 de maio de 2011

De seu humilde início underground para a potência que são hoje, o ARCH ENEMY sempre apresentou um death metal sueco sólido que lhes deu uma base de fãs que cresce a cada novo lançamento. Eles atingiram picos com álbuns influentes como Burning Bridges e Wages of Sin, então seguindo em um território com base mais comercial com Anthems of Rebellion e Doomsday Machine, que levou ao irregular Rise of the Tyrant. Assim, quando o Arch Enemy anunciou seu novo álbum de estúdio intitulado Khaos Legions, este escritor não tinha certeza em qual direção a banda estava indo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Felizmente, Khaos Legions é a própria besta. Baseia-se nos aspectos positivos de seus últimos lançamentos e corrige os negativos, dando um grande dedo do meio, conduzido por um som cru e desenfreada com algumas das melhores composições que veio da banda em algum tempo. Com a música de abertura, a instrumental "Khaos Overture", está bastante claro que a banda significa negócio."Yesterday is Dead and Gone" é uma enxurrada implacável de quatro minutos que tem todos os traços da assinatura pelas quais o Arch Enemy é conhecido e amado - ritmos esmagadores, leads rápidos e o ataque vocal de Angela Gossow, com abundância de suas influências de metal melódico sustentando tudo isso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Uma das coisas que desapontaram no Rise of the Tyrant foi que ele parecia apressado. Khaos Legions, por outro lado, parece consistente e parece que houve muito mais tempo gasto nos estágios criativos. Faixas como "Cruelty Without Beauty" (com um violão clássico tocando Outro ), "Thorns in My Flesh", "City of the Dead" e "Cult of Chaos" soam como uma mistura das eras de Wages of Sin e Burning Bridges com suas próprias idiossincrasias. "Through the Eyes of a Raven", "Under Black Flags We March" e "No Gods, No Masters" são de eras recentes, mas com uma forte, mais dominante força motriz. E em uma volta completa as faixas finais "Vengeance is Mine" e "Secrets" invocam memórias de sua estréia Black Earth.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os irmãos Amott não se seguram no departamento de solo também. Os riffs, leads e harmonias são simplesmente de estourar a cabeça e fizeram meu queixo cair sobre a mesa. Como solistas individuais, que trazem diferentes estilos para a mesa - Michael com o seus leads baseados em blues e comandados pelo wah e Chris com seu trabalho técnico e ainda sim melódico - mas quando eles se harmonizam e trabalham juntos, tudo se encaixa. Um exemplo perfeito seria "Secrets". Ela simplesmente soa bem. As seções de ritmo do Sharlee D'Angelo e do Daniel Erlandsson são fortes e mecânicas e mantém a máquina rolando. Do ponto de vista vocal, a abordagem é retirada e faz Angela ter um som cru, muito irritado e bastante intenso e dito isso, a produção de Rickard Bengtsson combinado com a mixagem e masterização de Andy Sneap se combinam com essa abordagem - crua e na sua cara enquanto chuta o seu traseiro do começo ao fim.

Khaos Legions traz um pouco de tudo de seus álbuns anteriores e joga-os na panela musical, criando uma única entidade que reúne o melhor do Arch Enemy. Vai, sem dúvida, satisfazer os seus fãs e pode recuperar alguns fãs que tinham cansado um pouco de seus últimos esforços. É possivelmente o seu melhor momento desde o início até meados dos anos 00s e proclama que o Arch Enemy está aqui para ficar. Se você não gosta, bem, você sabe o que fazer.

1. Khaos Overture
2. Yesterday is Dead and Gone
3. Bloodstained Cross
4. Under Black Flags We March
5. No Gods, No Masters
6. City of the Dead
7. Through the Eyes of a Raven
8. Cruelty Without Beauty
9. We are a Godless Entity
10. Cult of Chaos
11. Thorns in My Flesh
12. Turn to Dust
13. Vengeance is Mine
14. Secrets

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para comprar o Khaos Legions vá para: www.centurymedia.com/specials/archenemy


Outras resenhas de Khaos Legions - Arch Enemy

Resenha - Khaos Legions - Arch Enemy

Resenha - Khaos Legions - Arch Enemy

Resenha - Khaos Legions - Arch Enemy

Resenha - Khaos Legions - Arch Enemy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Arch Enemy: Angela fala sobre dificuldade em ser mãe

Arch Enemy: Jeff Hanneman nunca será esquecido, diz Gossow

Como Michael Ammot, do Arch Enemy, serviu de padrinho de luxo do Soilwork


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Juliana - AEBR

Juliana Lacerda, formada em Matemática Aplicada e Computação Científica - USP. Fluente em inglês e atualmente aprendendo alemão e sueco. É webmistress do fansite oficial brasileiro da banda Arch Enemy www.archenemy.net.br . Além do Arch Enemy, gosta de bandas como Arkona, Dimmu Borgir, Ensiferum, Finntroll, Graveworm e Equilibrium.
Mais matérias de Juliana - AEBR.