Lich King: Thrash metal rápido, pesado e agressivo

Resenha - World Gone Dead - Lich King

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar Correções  

8


Esse revival do thrash metal teve duas importantes funções: em primeiro lugar, propiciou o aparecimento de diversas novas bandas, que trouxeram sangue novo ao estilo, aliando elementos "old scholl" com temas mais modernos; em segundo lugar, estimulou as bandas da velha guarda a seguirem em frente, e muitas das que haviam parado a regressarem, com lançamentos cada vez mais inspirados e destruidores (vide os últimos álbuns do KREATOR, OVERKILL, EXODUS, DESTRUCTION, TESTAMENT, MEGADETH, SLAYER, TANKARD, DEATH ANGEL, FORBIDDEN e até do METALLICA).

Cornos do Rock: a dor e o peso do chifre em três belas canções

Metromix: a lista dos vocalistas mais irritantes do rock

E os americanos do LICH KING fazem parte dessa nova safra de bandas e, junto com GAMA BOMB, EVILE, HAVOK, MUNICIPAL WASTE e VIOLATOR, seguem na linha de frente dessas novas bandas que vêm injetando um novo gás no estilo.

E não é diferente com seu novo lançamento, este excelente "World Gone Dead", seu terceiro e melhor trabalho até agora.

O som da banda é um thrash metal rápido, pesado e agressivo, com forte influência das bandas da Bay Area, em especial de Exodus e Slayer, aliados a temas mais modernos, que fazem com que seu som seja extremamente agradável e empolgante.

Como toda boa banda de thrash metal, o LICH KING é uma máquina de riffs matadores, que são exarados sem moderação pelos guitarristas Kevin Taylor e Erick Herrera, daqueles feitos para bangear junto durante toda a audição do álbum. Além disso, o baixo extremamente preciso e marcante de Joe Nickerson, aliado à bateria insana de Brian Westbrook, trazem ainda mais peso e técnica ao som do grupo. O vocalista Tom Martin também é bastante competente, lembrando em alguns momentos Rob Dukes do Exodus, mas um pouco mais agudo, mantendo um estilo próprio de cantar/urrar. Os coros também são muito bem encaixados, e remetem direto aos primórdios do estilo.

Apesar de o álbum ser todo muito bom, não há como não mencionar a excelente trinca de início do álbum, com a rápida e agressiva "Act of War", a excelente "ED-209", com seus riffs espetaculares, e a destruidora "A Storm of Swords", além da faixa de encerramento, "Lich King III (World Gone Dead)", a melhor de todas. Destaca-se também o excelente cover para "Agressive Perfector", dos mestres do Slayer.

A capa do trabalho também é bem legal, e remete aos clássicos do estilo, principalmente aos criados pelo mestre Ed Repka.

Enfim, com este álbum o LICH KING mostra todo seu potencial, e tem tudo para se tornar uma das grandes bandas do estilo.

World Gone Dead – Lich King
(2011 – Stormspell Records - Importado)

Track List:

1. Intro
2. Act of War
3. ED-209
4. A Storm of Swords
5. Waste
6. Terror Consumes
7. Grindwheel
8. Behaver
9. Aggressive Perfector (Slayer Cover)
10. Lich King III (World Gone Dead)




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Cornos do Rock: a dor e o peso do chifre em três belas cançõesCornos do Rock
A dor e o peso do chifre em três belas canções

Metromix: a lista dos vocalistas mais irritantes do rockMetromix
A lista dos vocalistas mais irritantes do rock


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin