Cauldron: Heavy Metal Old School que precisa amadurecer

Resenha - Burning Fortune - Cauldron

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Felipe Kahan Bonato
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 6

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Em pleno 2011 lançar um disco totalmente datado e produzido para soar como o tradicional heavy metal old school... essa é a estranha proposta do trio canadense do CAULDRON, que além de não mostrar quase nenhuma evolução ao se comparar este "Burning Fortune" com seu álbum de estreia, parecem ter se adaptado bem a essa zona de conforto, infelizmente.

Lemmy Kilmister: A opinião da lenda sobre Sharon Osbourne e Iron MaidenGilby Clarke: Axl me disse "aproveite seu último show"

Feitas estas considerações, as faixas só podem ser analisadas se transportarmos o trabalho para o início dos anos 80, por exemplo, comparando com o pool de bandas que pertencem à época. Algumas faixas, como a acelerada "All Or Nothing", que conta com boas guitarras. "I Confess", por sua vez, é bem preenchida e tem um refrão bem trabalhado, apesar de muito típico e nada inédito. "Rapid City / Unchained Assault" é veloz, quase punk, contrastando com a lenta mas pesada "Miss You To Death", um dos melhores arranjos do disco.

"Frozen In Fire", por outro lado, já mostra um estilo desencaixado e certa fragilidade na base, a qual persiste em "Tears Have Come", que também centraliza as ações muito nos vocais, repetindo muito o refrão. Outra que foge do estilo, e até por isso deveria aparecer na ponta dos destaques positivos mas que, pela proposta, soa despropositada é "Queen Of Fire", de instrumentais mais limpos e diferentes. "Breaking Through" retoma a velocidade, sem agregar nada, assim como a derradeira "Taken By Desire", que agrega apenas os vocais mais sombrios e um solo de guitarra razoável.

Ao fim, "Burning Fortune" tem suas poucas qualidades, até porque busca o heavy metal mais tradicional. Mas, justamente por ser atual e feito por uma banda não relacionada ao passado, acaba não gerando uma forte conexão com o gênero que aborda. Isso não é de todo ruim, mas a prisão a essa meta acabou por limitar um pouco as composições, que ainda apresentam um trabalho louvável de baixo e vocais grosseiros que funcionam muito bem dentro da proposta. Instrumentalmente ainda, as guitarras são geralmente simples demais e poderiam estar melhores também. Ou seja, mesmo dentro de sua proposta, o CAULDRON não empolga tanto assim. Por se tratar de uma banda jovem, que pelo menos já está tendo seu espaço, torço para que busquem com tranquilidade as raízes mais tradicionais, dando uma repaginada e seu toque pessoal ao estilo para que, aí sim, possam obter uma repercussão maior de seu trabalho.

Integrantes:
Jason Decay - vocais/ baixo
Ian Chains - guitarra
Chris Steve - bateria

Faixas:
1. All Or Nothing
2. Miss You To Death
3. Frozen In Fire
4. Tears Have Come
5. I Confess (Halloween (USA) cover)
6. Rapid City/Unchained Assault
7. Queen Of Fire
8. Breaking Through
9. Taken By Desire

Gravadora: Earache Records


Outras resenhas de Burning Fortune - Cauldron

Cauldron: Mais uma banda comum no caldeirão do oba-oba




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Cauldron"


As Novas Caras do Metal: especial 20 novas bandas de metal tradicionalAs Novas Caras do Metal
Especial 20 novas bandas de metal tradicional

NWOTHM: 10 bandas novas legais para você conhecerNWOTHM
10 bandas novas legais para você conhecer


Lemmy Kilmister: A opinião da lenda sobre Sharon Osbourne e Iron MaidenLemmy Kilmister
A opinião da lenda sobre Sharon Osbourne e Iron Maiden

Gilby Clarke: Axl me disse aproveite seu último showGilby Clarke
Axl me disse "aproveite seu último show"

Mulheres: 10 músicas que ajudarão a conquistá-lasMulheres
10 músicas que ajudarão a conquistá-las

Iron Maiden: curiosidades sobre o "The Number Of The Beast"Ôôôôôeeee: Sílvio Santos aprovou montagem com Steve HarrisMegadeth: Dave Mustaine relembra "quase" entrada de Dimebag DarrellChris Cornell: Eddie Vedder comenta, emocionado, a morte do amigo

Sobre Felipe Kahan Bonato

Felipe Kahan Bonato: Nascido em 88, há mais de 10 anos - por enquanto - escuta praticamente qualquer subgênero de rock e metal, explorando principalmente bandas mais desconhecidas. Teve contato tardio com a guitarra, seu instrumento preferido, optando então em seguir a carreira de Engenheiro de Produção e em contribuir esporadicamente com resenhas no Whiplash.

Mais matérias de Felipe Kahan Bonato no Whiplash.Net.