Emerald Sun: Bom álbum, mas ainda falta um pouco

Resenha - Regeneration - Emerald Sun

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Felipe Kahan Bonato
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


EMERALD SUN... outra banda de power metal que chega ao crítico terceiro álbum. Lançado em 2011, o bom “Regeneration” mostra a inquietude dos gregos que ainda não conseguem acertar em cheio. Sem atingir a maturidade, a banda mistura grandes composições com esboços incompletos de boas ideias ou faixas simplesmente medianas. Apesar disso, é um disco muito bom, que não se desvia do seu propósito de ofertar um bom power metal.
5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 19835000 acessosBruce Dickinson comenta fama, aviões e Ozzfest

As guitarras iniciam o disco de forma potente lembrando, na inspirada “We Won’t Fall”, seu conterrâneo Gus G., ao contar com bons solos. Os vocais também são bem dosados e o refrão repetitivo torna a agressiva música bem pegajosa. “Theater Of Pain” segue na linha dos vocais bem trabalhados, que dosam bem velocidade com intensidade. Os instrumentos não fogem do clássico power metal e há um espaço para um lado mais melódico que ficou reservado apenas ao fim da faixa, infelizmente. No entanto, na sequência vem a amena “Where Angels Fly”, que se destaca pelo andamento e pelas guitarras de seu início, outra boa idéia interrompida como o final da canção anteriormente mencionada. A melhor faixa é a lenta e bela “Chasing The Wind” que, com a condução emocionante de Theo, é praticamente um hino do grupo.

O grande problema desse disco são as faixas que meramente o preenchem, como “Starchild” que apesar de se inserir no estilo, não consegue ter a criatividade nem o carisma das demais. Por sua vez, “Speak Of The Devil” fica no meio caminho, com um bom refrão repetido à exaustão e com uma base preguiçosa de baixo em seu início. “Planet Metal” não tem nenhum deslize mas também não agrega nada diferente. Já “Fantasmagoria” mostra a tentativa do grupo de se diferenciar e engrandecer o seu som, o que de fato conseguem na boa faixa, mas de modo contrastante com o resto do álbum. Mesmo com os bons solos e o andamento lento que realmente adicionam um tempero à música, esta é ainda desnecessariamente longa. Outro erro foi relegar à condição de bônus a diferente “Holding Out For A Hero”, que coroa muito bem o disco ao trazer um belo revezamento de vozes, bons backings, refrão, base, solos e teclados.

Assim, as faixas destacadas positivamente trazem um grande power metal que, se não é de todo inédito, consegue perfeitamente reunir tudo o que o estilo oferece de melhor, com peso, melodia, instrumentos bem intrincados e vocais precisos. Trata-se de uma banda em formação ainda, oscilando em suas composições, mas que, quando acerta, o faz muito bem. Resta dar tempo ao conjunto e torcer para que no quarto álbum esses gregos consigam concretizar nas composições o grande talento demonstrado. Com o primeiro álbum datado de 2005, o EMERALD SUN é uma boa promessa, ainda!

Integrantes:
Stelios "Theo" Tsakirides - Vocais
Johnnie Athanasiadi - Guitarra
Teo Savage - Guitarra
Jim Tsakirides - Teclado
Bill Kanakis - Bateria
Fotis "Sheriff" Toumanides - Baixo

Faixas:
1. We Won’t Fall
2. Theater of Pain
3. Where Angels Fly
4. Regeneration
5. Starchild
6. Speak of the Devil
7. Planet Metal
8. Chasing the Wind
9. Fantasmagoria
10. Holding out for a Hero

Gravadora: Pitch Black Records

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Emerald Sun"

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1983

Iron MaidenIron Maiden
Dickinson comenta fama, aviões, Ozzfest e Nikki Sixx

GuturalGutural
Mulheres que fazem vocal em bandas de Metal

5000 acessosVan Halen: "Ah, o que esses olhos viram!", diz segurança5000 acessosRockstars: as filhas mais gostosas dos astros do rock5000 acessosMetallica: "'St. Anger' foi um ponto baixo", diz Hetfield5000 acessosYngwie Malmsteen: "hoje eu sou maníaco por saúde"5000 acessosNicolas Cage: filho que canta heavy metal vai em cana por ser vida louca5000 acessosDio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalista

Sobre Felipe Kahan Bonato

Felipe Kahan Bonato: Nascido em 88, há mais de 10 anos - por enquanto - escuta praticamente qualquer subgênero de rock e metal, explorando principalmente bandas mais desconhecidas. Teve contato tardio com a guitarra, seu instrumento preferido, optando então em seguir a carreira de Engenheiro de Produção e em contribuir esporadicamente com resenhas no Whiplash.

Mais matérias de Felipe Kahan Bonato no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online