Royal Hunt: foco em uma inusitada simplicidade instrumental

Resenha - X - Royal Hunt

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


Depois da excelente estréia do vocalista Mark Boals em "Paradox II: Collision Course" (08), o dinamarquês Royal Hunt está liberando seu décimo álbum de estúdio, apropriadamente batizado como "X". Para tal, o mentor e tecladista André Andersen decidiu mudar o rumo das coisas ao incorporar muitos elementos da iluminada década de 1970, típicos das bandas do chamado Classic Rock.

Em "X", muitas características que tornaram a musicalidade do Royal Hunt tão original foram agora preteridas. Sente-se falta da força daquele jeitão sinfônico e meio progressivo, que oferecia um clima majestoso e tão especial a seus discos... O foco agora parece ser em uma inusitada simplicidade em sua seção instrumental. Como conseqüência, é o versátil Mark Boals quem se torna o grande destaque por aqui, com linhas vocais suaves e gritos estridentes, seu desempenho é muito consistente e passível de todos os elogios.

publicidade

E que fique claro que "X" está longe de ser um trabalho que deixe a desejar. É apenas diferente do que muitos provavelmente esperariam, tanto que, para dar ainda mais ênfase ao tom 'retrô' da proposta, a banda decidiu gravar tudo no formato analógico, e gerou excelentes faixas como a explosiva "End Of The Line" (com o novo baixista Andreas Passmark, ex-Narnia e Rob Rock, mostrando serviço!) e "The Last Leaf"; além de a fusão de estilos se mostrar completa em composições como "Army Of Slaves", "Shadowman" e "Back To Square One".

publicidade

Se "X" exibe um Royal Hunt procurando por uma nova direção artística ou apenas prestando uma carinhosa homenagem ao que já foi feito pelos mestres do passado, bom... Somente o tempo dirá. Enquanto a resposta não vem, fica a recomendação em ir curtindo um repertório agradável, que provavelmente manterá o interesse de parte de seus fãs e, com mais força, nos inveterados amantes do Rock´n´Roll da década de 1970, tão bem representado por feras como Deep Purple, Uriah Heep, Genesis e afins.

publicidade

Contato:
http://www.royalhunt.com
http://www.myspace.com/royalhuntmusic

Formação:
Mark Boals - voz
Marcus Jidell - guitarra
Andreas Passmark - baixo
André Andersen - teclados
Allan Sorensen - bateria

Royal Hunt – X
(2010 / Marquee / Avalon Records – importado)

publicidade

01. Episode X (Arrival)
02. End Of The Line
03. King For A Day
04. The Well
05. Army Of Slaves
06. Shadowman
07. Back To Square One
08. Blood Red Stars
09. The Last Leaf
10. Falling Down
11. Episode X (Departure)




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Top 10: Álbuns conceituaisTop 10
Álbuns conceituais

Vocalistas: as vozes mais agudas do Metal segundo o NoisecreepVocalistas
As vozes mais agudas do Metal segundo o Noisecreep


Guitarra: os melhores solos da história segundo a Guitar WorldGuitarra
Os melhores solos da história segundo a Guitar World

Mulheres no Rock: resistência em um meio machistaMulheres no Rock
Resistência em um meio machista


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin