Fintersforst: excelente nome não conhecido no Brasil

Resenha - ...Zum Tode Hin - Finsterforst

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Parece ser uma tradição a Paranoid Records lançar excelentes álbuns de conjuntos não tão conhecidos do público brasileiro, e certamente o Finsterforst é mais um destes exemplos. Sua história é recente, pois a banda se formou em 2004, na Alemanha, usando como referência para seu nome de batismo o termo 'Floresta Negra', região localizada ao sul de seu próprio país, e já liberou o EP "Wiege Der Finsternis" (06) e o muito bom "Weltenkraft" (07).
5000 acessosOzzy Osbourne: os conselhos do Madman sobre masturbação5000 acessosKiss x Secos & Molhados: o fim da polêmica

Agora seu mais novo disco chama-se "...Zum Tode Hin" (em português seria algo como "... para a morte"), uma belíssima obra do chamado Pagan Folk Metal e que segue com algumas mudanças consideráveis em relação a seu antecessor. As composições estão bem mais longas – “Untergang” possui nada menos do que 21 minutos – e com uma aura mais sombria, devidamente intercalada com as conhecidas passagens festivas, além do uso comedido da flauta (cortesia de Sevan Kirder, do Eluveitie) também ser imediatamente perceptível.

Uma banda que não perde as características primordiais do Heavy Metal quando possibilita que o acordeão tenha um papel tão importante como o das guitarras já indica a habilidade e comprometimento de seus músicos. O Finsterforst proporciona a combinação de tantas seções furiosas mescladas à calmaria acústica que até mesmo conseguem abrir uma brecha por onde alcançam certa originalidade. E essa constatação, em meio à atual ebulição de grupos do gênero, é algo louvável.

E fica a certeza de que, mesmo com apenas cinco canções que ultrapassam os 70 minutos, o Finsterforst possui um grande reservatório de boas idéias, garantindo que cada um desses minutos realmente valha a pena. As letras são cantadas em alemão e de forma ríspida, e esta mesma rispidez é o único elemento que não consegue acompanhar todo o dinamismo proporcionado pelo restante dos músicos. As vozes são apenas adequadas, e nada mais do que isso. Mas este é um fator que pode estar prestes a ser resolvido, pois o vocalista Marco Schomas abandonou seu posto após o lançamento do disco.

Ainda que de forma séria, o Finsterforst literalmente brinca com a gama de possibilidades que sua música pode proporcionar. O resultado é tão bacana que os entusiastas de nomes como Finntroll, Korpiklaani e, principalmente, o Moonsorrow, praticamente tem a obrigação de conferir "...Zum Tode Hin". Grande trabalho!

Contato:
http://www.finsterforst.de
http://www.myspace.com/finsterforst

Formação:
Marco Schomas - voz
Simon Schillinger - guitarra
David Schuldis - guitarra
Tobias Weinreich - baixo
Sebastian 'AlleyJazz' Scherrer - teclados
Johannes Joseph - acordeão
Cornelius 'Wombo' Heck - bateria

Finsterforst - …Zum Tode Hin
(2009 - Einheit Produktionen / Paranoid Records - nacional)

01. Urquell
02. Das große Erwachen
03. Seines Glückes Schmied
04. Sturmes Ernte
05. Untergang

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Finsterforst"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Madman dá conselhos sobre masturbação

MaquiagensMaquiagens
O fim da polêmica Kiss x Secos & Molhados

MetallicaMetallica
Jason explica o baixo apagado de And Justice For All

5000 acessosSlipknot: veja a evolução das máscaras de cada integrante da estreia aos dias atuais5000 acessosMustaine: "Aos 15 entrei na magia e conheci o lado negro!"5000 acessosPower Metal: os dez álbuns essenciais do gênero5000 acessosSinal dos tempos: você perdeu de vez a fé no Rock Progressivo porque...5000 acessosAC/DC: "Infelizmente há um momento em que você tem que parar"2857 acessosELF: ouça Dio cantando "Aqualung" do Jethro Tull

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online