Matérias Mais Lidas

imagemA resposta de John Lennon quando perguntado se retornaria aos Beatles em 1975

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone

imagemO clássico da Legião inspirado em novela da TV Globo e acusado de plagiar The Doors

imagemBob Dylan explica a diferença entre suas composições e as de Paul McCartney

imagemCinco curiosidades sobre "The Sick, The Dying... And The Dead!", do Megadeth

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1991 é um ano tão celebrado

imagemRitchie Blackmore em 1978 sobre o Kiss, Fleetwood Mac, Yardbirds e Led Zeppelin

imagemCadáveres, sangue e girombas: a história da capa de "Reign In Blood", do Slayer

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1988 é um ano inesquecível

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1984 é um ano vital para o metal

imagemSteve Vai relembra um show "horrível" que ele fez com Frank Zappa

imagemKiss: Tommy Thayer responde se Gene Simmons e Paul Stanley se dão bem

imagemQuantos discos o Guns N' Roses vendeu no Brasil e no mundo? Veja os números

imagemNey Matogrosso relembra como foi abrir o Rock in Rio de 1985

imagemEric Clapton comenta a lenda do pacto com o diabo feito por Robert Johnson


Alestorm: o poder do "True Scottish Pirate Metal"

Resenha - Black Sails at Midnight - Alestorm

Por Diego Camara
Em 20/07/09

Nota: 9

Depois de um ótimo lançamento em 2008 com o álbum "Captain Morgan’s Revenge", que conquistou diversos fãs do folk metal pelo mundo além de uma grande repercussão da crítica, a banda escocesa Alestorm vem com um novo álbum. "Black Sails at Midnight", segundo álbum da banda, traz mais uma vez o poder do "True Scottish Pirate Metal", e não perde em nada para seu antecessor.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com o lançamento do single "Leviathan", muitos já viam com bons olhos o novo álbum dos escoceses. "Black Sails", lançado tão pouco tempo depois de "Captain Morgan’s Revenge", está muito diferente do anterior. O estilo deixa um pouco o thrash metal e se torna mais power, principalmente no teclado e na guitarra.

O CD abre com a poderosa "The Quest", com uma pegada de Power Metal, riffs rápidos e um refrão dos ótimos. A banda mostra grande personalidade, principalmente com o teclado e a guitarra, que se revezam de maneira marcante durante o solo.

O caminho então está aberto para a poderosa "Leviathan", um dos pontos mais altos de "Black Sails", contando a história do grande monstro marinho Leviatã. A música é emocionante, a letra é muito bem composta com ótimas alegorias. O grupo acertou em cheio quando compôs esta música, onde consegue ser épico sem utilizar de exageros ou algum lugar comum presente no gênero.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Outro ponto alto é a quarta faixa, "Keelhauled", que leva o ouvinte diretamente para um navio pirata. Ambientada no Folk, com um refrão mais uma vez ótimo e os vocais de Bowes e companhia, perfeitamente encaixados na música, além de um ótimo trabalho de Ted Bilson nas baquetas. A música é, juntamente com "Leviathan", as duas melhores do álbum.

Outros destaques são a música "Black Sails at Midnight", com uma pegada thrash sem perder a emoção, e a música "Wolves of the Sea", que mostra definitivamente porque a banda se considera "True Scottish Pirate Metal".

Ponto positivo também para a produção do álbum e para a maturidade da banda, que se antes parecia um bando de metaleiros que gostavam de piratas, agora parece um bando de piratas que gostam de metal. É um álbum consistente, perfeito para tomar com uma bela cerveja gelada ou uma ótima garrafa de rum.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Formação
Christopher Bowes – Vocal, Teclado
Dani Evans – Guitarra, Segunda Voz
Gareth Murdock – Baixo, Segunda Voz
Ted Bilson – Bateria

Faixas de "Black Sails at Midnight"
1. The Quest
2. Leviathan
3. That Famous Ol' Spiced
4. Keelhauled
5. To the End of Our Days
6. Black Sails at Midnight
7. No Quarter
8. Pirate Song
9. Chronicles of Vengeance
10. Wolves of the Sea

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Alestorm e Rhapsody of Fire: introdução de "Dawn Of Victory" foi plagiada?


Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre

Mais matérias de Diego Camara.