Endless Massacre II: uma ajuda da Violent Records à cena

Resenha - Endless Massacre II - Violent Records

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Clóvis Eduardo
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


A coletânea "Endless Massacre II", lançada pela Violent Records vai agradar os fãs de Thrash, Death e Black Metal do Brasil. São 26 músicas, todas de bandas brasileiras, selecionadas para o disquinho, o que valoriza a produção nacional e requintada pela boa qualidade de cada um dos selecionados.

Mulheres e guitarras: as mais importantes segundo a GibsonMax Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merda

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E o material está bem diversificado. O Predatory, banda da cidade de Praia Grande (SP), abre os trabalhos com "Visions World Apart", com um thrash metal rápido e técnico. O material está bem gravado, e nota-se bem o preparo da Violent Records em dar uma boa misturada nos materiais, mesmo com a singularidade sonora de cada banda. O encarte tem espaço para formação, fotos e o mais importante, contatos de cada um dos grupos selecionados.

Algumas dessas bandas participantes foram escaladas com duas músicas, como a March of Hate (Monte Azul Paulista - SP), a Abomydogs (Santos - SP), e a Moments of Gore (São Vicente - SP). A grande contemplada foi a Sengaya (São José - SC), com cinco músicas que, convenhamos, totalizariam no máximo quatro minutos de um bom grindcore.

Dos grupos já com algum destaque nacional, o Genocídio (São Paulo - SP), entra com "Nightmarishly", o Malefactor (Salvador - BA), executa "Castle of Carnal Sins" e os thrashers do Necropsya (Curitiba - PR) executa "Skull Crusher". A surpresa é para a "Plague of Astaroth", de Auckland, na Nova Zelândia, que apresenta "Arcane Odium". Curiosamente, o Black Metal estilo Limbonic Art é de autoria de apenas um sujeito, de codinome Frostmoor.

Mas o restante, é banda de tudo que é lugar. São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Santa Catarina, Amazonas, Pernambuco, Paraná e mais uma catrefada de lugares, cada qual com seu estilo e um só pensamento: lançar bons materiais, atingir o máximo de divulgação e colher um pouco do esforço merecido que é sobreviver no Heavy Metal brasileiro. E neste ponto, a Violent Records deu uma ajuda e tanto!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs

Mulheres e guitarras: as mais importantes segundo a GibsonMulheres e guitarras
As mais importantes segundo a Gibson

Max Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merdaMax Cavalera
Triste ver uma banda tão importante virar uma merda


Sobre Clóvis Eduardo

Clóvis Eduardo Cuco é catarinense, jornalista e metaleiro.

Mais matérias de Clóvis Eduardo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336