Skull And Bones: metal da pitoresca "banda de um homem só"

Resenha - Waking Up Songs - Skull And Bones

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernão Silveira
Enviar correções  |  Ver Acessos


O heavy metal tem uma magia única, inspiradora, que motiva os fãs a explorarem (ou descobrirem) seus talentos na busca por uma música genuína e feita com o coração. É neste espírito "Do It Yourself" - o velho lema da revolução punk dos anos 70 - que o multiinstrumentista, letrista e escritor gaúcho Carlos Fernando de Souza Silva, mais conhecido como Spartacus, apresenta o EP "Waking Up Songs", da banda SKULL AND BONES.

Cranberries: causa da morte de Dolores O'Riordan é reveladaIron Maiden: as 20 melhores músicas da "Era de Ouro"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Orgulhoso, Spartacus se identifica como "A One Man Band" (no caso, a "band" é o SKULL AND BONES). E fica fácil entender o porquê: no EP, que tem cinco faixas, algumas tiradas da demo "Dresden Reloaded", ele canta, toca guitarra, baixo e parte da linha de bateria (o restante foi entregue a um músico de estúdio não identificado), além de escrever todas as letras e compor todas as canções... Ufa!

Talvez nem seja necessário, embora seja inevitável, dizer que o trabalho é completamente "artesanal" (para não escrever amador). As músicas foram gravadas no estúdio caseiro de Spartacus, o que fica evidente durante a audição do EP. Naturalmente, a mixagem e a finalização ficaram bem aquém do desejado, em especial na harmonização da bateria com os demais instrumentos.

A vontade e o espírito criativo de Spartacus são realmente inquestionáveis, mas as músicas soam um tanto monotônicas. Percebe-se facilmente que ele gosta muito do heavy metal épico, repleto de inversões e complexidades sonoras. O problema é que este estilo exige um refinamento técnico totalmente incompatível com as atuais capacidades do SKULL AND BONES. Outra constatação: o nosso admirável bardo gaúcho é bem melhor com os instrumentos de cordas (especialmente a guitarra - mas vale uma menção à linha de baixo na música "Amazon") do que com o microfone.

Críticas à parte, não se pode deixar de notar, e louvar, a garra do artista em produzir um trabalho autêntico, original, com todas as cores de sua paixão pelo heavy metal. Também é evidente a estratégia de Spartacus em utilizar suas gravações amadoras para alavancar uma oportunidade verdadeiramente profissional na música. Em sua página no MySpace, ele escreveu: "Nós gravamos em nosso estúdio caseiro. Nosso equipamento é mediano, mas eu acredito - como alguém disse - que se você colocar seu coração e ter fé, as pessoas que ficarem ligadas serão tocadas. E eu poderia fazer muito melhor se tivesse um estúdio de ponta com um produtor e um engenheiro de som... Eu componho facilmente e tenho dezenas de músicas para gravar." Bem vendedor, não é mesmo??

É claro que Spartacus ainda tem um longo caminho a percorrer, mas o cara possui gana para transformar em realidade o seu sonho de "ser contratado [por alguma gravadora] e sair em turnê pelo mundo". Por isso, meu caro, não deixe a peteca cair. "Up the Irons!", como diz a banda que tanto lhe influenciou.

"Waking Up Songs" (EP) - SKULL AND BONES

1 - Waking Up Songs
2 - Inquisition
3 - Amazon
4 - Domination
5 - Aztec Slaughter

Produção independente

Site da banda:
http://www.skullandbonesband.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Skull And Bones"


Cranberries: causa da morte de Dolores O'Riordan é reveladaCranberries
Causa da morte de Dolores O'Riordan é revelada

Iron Maiden: as 20 melhores músicas da Era de OuroIron Maiden
As 20 melhores músicas da "Era de Ouro"


Sobre Fernão Silveira

Paulistano, são-paulino, nascido nos "loucos anos 70" (1979 ainda é década de 70, certo?) e jornalista. Sua profissão já o levou a cobrir momentos antológicos da história da humanidade, como o título paulista do São Caetano, a conquista da Copa do Brasil pelo Santo André, a visita de Paris Hilton a São Paulo e shows de bandas como Judas Priest, Whitesnake, W.A.S.P., Megadeth, Slayer, Scorpions, Slipknot, Sepultura e por aí vai. Ainda tem muito gás para o nobre ofício jornalístico, mas acha que não vai muito mais longe depois de ter entrevistado Blackie Lawless, Glenn Tipton, Rogério Ceni e, claro, Paris Hilton.

Mais matérias de Fernão Silveira no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336