Shift: interessante independente made in USA

Resenha - Creating A Monster - Shift

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


Aqui temos um registro independente que é um pacote do mais completo profissionalismo, conseguindo deixar para trás muitos dos lançamentos liberados pelas ditas grandes gravadoras. O Shift é um conjunto norte-americano de Baltimore que começou com Rich Davis (guitarra) e Chris Lembach (bateria), ambos do Mystic Force, que queriam seguir um rumo diferente do estilo Power Metal Progressivo desta banda. Na busca por novos músicos, contataram Jeff Caudle (voz), Doug Guthrie (guitarra) e Steve Shaffer (baixo), e partiram para o desenvolvimento de suas novas idéias.

O resultado está neste seu primeiro registro, batizado como "Creating A Monster", e o pessoal sabe o que quer. São 11 faixas bastante modernas que visam claramente o mainstream, se mantendo próximo ao que vem sendo feito por muitas bandas de seu país, com aquele rock'n'roll distorcido flertando escancaradamente com elementos eletrônicos, sendo que vários remetem parcialmente ao industrial dos anos 90. Mas não esqueçamos que alguns dos caras tocavam anteriormente numa banda que tinha algo de prog...

publicidade

E aí está o diferencial do Shift. Paralelo às modernices que pipocam por todo lado, o trabalho dos instrumentistas, em especial o das guitarras, se mantém extremamente técnico ao fazer uso de muitas passagens intrincadas, tornando tudo mais rico em termos de arranjos. Tanto que, diabos, a cada audição se vai tomando cada vez mais gosto pelas canções... Estas guitarras conseguem realmente fazer alguma diferença.

publicidade

Melódico, veloz ou arrastado, obscuro e com boas doses de agressividade, a coisa pode complicar na escolha de algum real destaque. "Escape The Machine" e "Devil Beside" mostram a faceta quase prog do conjunto, numa bela fusão com o que é feito nos dias atuais. Outras canções que provavelmente cairão no gosto do público são "Gone Wrong" e "Rise Up", mais pesadas e diretas, mantendo a tradição dos bons solos. Também merece citação "To Have You", com um jeitão mais alternativo, em especial pela forma como são exploradas as guitarras, inclusive com melodias influenciadas pela cultura oriental.

publicidade

E, como foi dito acima, o Shift caprichou em tudo o que se refere a "Creating A Monster", apostando na excelente produção de Drew Mazurek (Byzantine, H.I.M., Nothing Face, etc.) e em um trabalho gráfico invejável, todo em digipack, com ilustrações de Mattias Noren, que assinou trabalhos para Evergrey, Fate, Mind's Eye e Derek Sherinian. Todo o investimento obteve retorno, pois mesmo lançando o disco inicialmente de forma independente, logo depois de alguns meses assinaram com o selo Nightmare Records.

publicidade

Com certeza os headbangers mais puristas passarão longe deste CD, mas os fãs de rock pesado, alternativo e modernoso encontrarão os devidos atrativos – que não são poucos – no Shift, e talvez algo mais do que poderiam esperar. Um bom trabalho que, como alguns já observaram por aí, está cotado neste ano como um dos mais interessantes trabalhos independentes Made in USA do gênero.

publicidade

Shift - Creating A Monster
(2007 / independente - importado)

01. Welcome Change
02. Escape The Machine
03. Devil Beside
04. Sins
05. Blood
06. Gone Wrong
07. To Have You
08. Taking Lives
09. Choir Of The Damned
10. Rise Up
11. Without A Soul

Homepage: www.shiftallaccess.com


Outras resenhas de Creating A Monster - Shift

Shift: nü-metal que vale a pena ser conhecido




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metromix: a lista dos vocalistas mais irritantes do rockMetromix
A lista dos vocalistas mais irritantes do rock

Heavy Metal: celebridades que curtem ou já curtiramHeavy Metal
Celebridades que curtem ou já curtiram


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin