Shift: nü-metal que vale a pena ser conhecido

Resenha - Creating a Monster - Shift

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernão Silveira
Enviar correções  |  Ver Acessos


Embora a simples menção ao termo nü-metal (ou new metal, se você preferir) cause arrepios em muitos headbangers, é preciso reconhecer que o gênero tem, sim, produtos interessantes. Un nome que vale a pena ser conhecido é o SHIFT, banda ascendente de Baltimore (EUA) que demonstra muito profissionalismo e qualidade em seu álbum de estréia, "Creating a Monster". Afinal, não basta distorcer a guitarra no último, arranjar um vocalista que berre desesperadamente e colocar uns arranjos eletrônicos no meio das músicas para produzir um nü-metal decente.

Death Metal: as 10 melhores bandas de acordo com a AOLMusical Box: Os 20 discos seminais do Hard Rock

Talvez o segredo da solidez no trabalho do SHIFT venha do currículo de seus integrantes principais. Rich Davis (guitarra) e Chris Lembach (bateria) são parceiros de longa data e tocaram juntos no MYSTIC-FORCE, banda de progressivo/power metal - gêneros que exigem muita técnica e criatividade, necessariamente. Para dar início ao SHIFT, eles recrutaram o vocalista Jeff Caudle (ex-CYPHER). As vagas restantes foram fechadas pouco mais tarde, com as chegadas de Doug Guthrie (guitarra) e Steve Shaffer (baixo) ao time.

Como um autêntico seguidor do gênero, o SHIFT não esconde as influências de DISTURBED - David Draiman deve ser o guru máximo dessa moçada -, com algumas pitadas de bandas como KORN e DEFTONES. Rich Davis é mesmo um guitarrista de mão cheia, com bons solos espalhados ao longo de todo o álbum. Caudle e Lembach (o grande compositor e arranjador do grupo) também mandam bem em seus postos, enquanto Guthrie e Shaffer não fazem feio.

Faixas como "Devil Beside" e "Blood" remetem o ouvinte mais atento diretamente à trilha sonora do filme "Rainha dos Condenados (Queen of the Damned)" - um disco pesado e sombrio, considerado ponto alto do nü-metal por reunir nomes como David Draiman (DISTURBED), Jonathan Davis (KORN), Chester Bennington (LINKIN PARK) e Wayne Static (STATIC-X), juntamente com outras bandas de peso no cenário (MARILYN MANSON, DEFTONES, PAPA ROACH, EARSHOT...).

Para os fãs de DISTURBED, músicas como "Escape the Machine" e "To Have You" (com uma introdução das mais espertas) certamente vão soar bem aos ouvidos. Mas o SHIFT também impressiona ao mostrar outras boas influências, como na thrasher "Rise Up" e em "Without a Soul", cujo instrumental intrincado até nos faz lembrar de DREAM THEATER.

Logo após lançarem "Creating a Monster" de forma independente, os caras conseguiram fechar um contrato de distribuição com a Nightmare Records. E agora eles anunciam estar trabalhando num segundo disco, o qual prometem que será mais pesado (Parêntesis: por que bandas de nü-metal sempre prometem que o próximo trabalho será mais pesado que o anterior?). Vale esperar.

"Creating a Monster" - SHIFT

1 - Welcome Change
2 - Escape the Machine
3 - Devil Beside
4 - Sins
5 - Blood
6 - Gone Wrong
7 - To Have You
8 - Taking Lives
9 - Choir of the Damned
10 - Rise Up
11 - Without a Soul

Selo: Nightmare Records (importado)

SHIFT na Internet: http://www.shiftallaccess.com/


Outras resenhas de Creating a Monster - Shift

Shift: interessante independente made in USA




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Shift"


Death Metal: as 10 melhores bandas de acordo com a AOLDeath Metal
As 10 melhores bandas de acordo com a AOL

Musical Box: Os 20 discos seminais do Hard RockMusical Box
Os 20 discos seminais do Hard Rock


Sobre Fernão Silveira

Paulistano, são-paulino, nascido nos "loucos anos 70" (1979 ainda é década de 70, certo?) e jornalista. Sua profissão já o levou a cobrir momentos antológicos da história da humanidade, como o título paulista do São Caetano, a conquista da Copa do Brasil pelo Santo André, a visita de Paris Hilton a São Paulo e shows de bandas como Judas Priest, Whitesnake, W.A.S.P., Megadeth, Slayer, Scorpions, Slipknot, Sepultura e por aí vai. Ainda tem muito gás para o nobre ofício jornalístico, mas acha que não vai muito mais longe depois de ter entrevistado Blackie Lawless, Glenn Tipton, Rogério Ceni e, claro, Paris Hilton.

Mais matérias de Fernão Silveira no Whiplash.Net.

adClioIL