Resenha - Random Dictionary of the Damned - Downlord

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Maurício Dehò
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O século é XXI, mas as raízes são do fim dos anos 80. É assim o disco de estréia do Downlord, banda meio inglesa, meio dinamarquesa, que começou em 2004, na união do guitarrista Rene Falther (ex-INIQUITY) com o baterista Rasmus Schmidt. Eles se juntaram ao vocalista Dave Ingram (ex-BENEDICTION), o guitarrista Donovan Spenceley (ex-SACRIFICIAL) e o baixista Thomas Fagerlind (ex-INIQUITY, DAEMON). Depois de duas demos e uma compilação delas, chamada “Grind Trials”, o quinteto lançou este ano o debut “Random Dictionary of the Damned”, pela Open Grave Records. O CD é uma verdadeira coleção de petardos: 15 faixas em 40 minutos do play.
5000 acessosSteve Vai: O dia em que ele foi humilhado por Chimbinha5000 acessosTotal Guitar: os melhores e piores covers da história

Já dá para sacar bem o estilo (e a porrada que é o álbum) na primeira faixa, “Nailing You In”. Ela é introduzida com um som bem sombrio de órgão, mas não tarda a pegar fogo. A verdade é que ouvir o Downlord é uma verdadeira regressão ao death metal e grindcore clássico. A produção não tem intenção alguma de deixar tudo limpinho e cristalino (apesar de algumas passagens parecerem precisar de uma melhora), reforçando esse lado bem ‘old school’.

O som nem precisaria ser descrito: um vocal gutural grave, riffs pesadíssimos e uma bateria veloz, com direito a blast beats. Por falar na bateria, vale destacar que alguns nomes consagrados passaram pela banda, como Reno Killerich (ex-Dimmu Borgir) e Jesper Frost (ex-Iniquity), mas Rasmus voltou a operar as baquetas e mostra não perder nada para os colegas (N.R.: depois do lançamento, Rasmus já foi substituído por Morten Siersbaek, ex-SPECTRAL MORTUARY e EXMORTEM).

É difícil escolher os destaques, pois a porrada é tanta e as faixas vão passando tão rápido (só as duas últimas passam de três minutos e meio) que só dá tempo de curtir o som. Mas algumas faixas se sobressaem, como a que abre o trabalho, a já citada “Nailing You In”, ou as boas linhas de guitarra em “Full Scale Hatred” e “Old World Chaos”, e ainda a palhetada feroz em “Smoke & Mirrors”. Um dos pontos altos do quinteto é o vocal de Dave Ingram, poderoso e, em alguns momentos, se assemelhando muito com o do brazuca Alex Camargo, do Krisiun.

Fechando bem o disco, “Wake Up & Smell the Species” e “Sleep Forever” são um pouco mais trabalhadas com partes cadenciadas e mudanças no andamento. O ponto negativo fica pela arte gráfica. A capa é muito escura e mal permite ver o logo da banda, tão pouco perceber o quanto ele é criativo e deveria ter mais destaque. As letras no encarte são minúsculas, peguem os óculos!

Como o que importa é o som, aí o Downlord não decepciona em seu debut. Alguns trechos são um pouco confusos, mas no geral, para quem gosta de um death metal bem ‘old school’, “Random Dictionary of the Damned” é uma opção muito boa e prova que, ainda que no século XXI, o estilo está mais do que vivo.

Track list:
1. Nailing You In
2. Psyclotron
3. Loathe. Scorn. Detest.
4. Full Scale Hatred
5. Xsv Payback
6. Hate Brace
7. Old World Chaos
8. Underdrive
9. Turn On, Tune In, Drop Dead
10. Smoke & Mirrors
11. Groin of God +++Amen & Out+++
12. Random Damnation
13. For It Was Written
14. Wake Up & Smell the Species
15. Sleep Forever

Formação:
Dave Ingram - Vocal
Donovan Spenceley - Guitarra
Rene Falther - Guitarra
Thomas Fagerlind - Baixo
Rasmus Schmidt – Bateria

Lançamento Open Grave Records 2007 - importado

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Random Dictionary of the Damned - Downlord

315 acessosDownlord: Indicado a todos os fãs do bom e velho Death Metal!

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Downlord"

HumorHumor
O dia em que Steve Vai foi humilhado por Chimbinha

Total GuitarTotal Guitar
Os melhores e piores covers da história

Collectors RoomCollectors Room
Baixos, guitarras, calcinhas, e máquina de pinball do Kiss?

5000 acessosLars Ulrich: O motivo pelo qual o Big Four tocou "Am I Evil"5000 acessosO lado escuro do rock: você acredita em magia negra?5000 acessosMomentos bizarros: histórias de Ozzy, Stones, Who e outros3694 acessosVídeo: A mais brutal bateria natalina do ano5000 acessosLed Zeppelin: sexo explícito na entrega de discos de ouro em 19735000 acessosEddie Van Halen: "Eruption foi um acidente"

Sobre Maurício Dehò

Nascido em 1986, é mais um "maidenmaníaco". Iniciou-se no metal ao som da chuva e dos sinos de "Black Sabbath", aos 11 anos, em Jundiaí/SP. Hoje morando em São Paulo, formou-se em jornalismo pela PUC e é repórter de esportes, sem deixar de lado o amor pela música (e tentando fazer dela um segundo emprego!). Desde meados de 2007, também colabora para a Roadie Crew. Tratando-se do duo rock/metal, é eclético, ouvindo do hard rock ao metal mais extremo: Maiden, Sabbath, Kiss, Bon Jovi, Sepultura, Dimmu Borgir, Megadeth, Slayer e muitas, muitas outras. E é de um quarteto básico que espera viver: jornalismo, esporte, música e amor (da eterna namorada Carol).

Mais matérias de Maurício Dehò no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online