Downlord: Indicado a todos os fãs do bom e velho Death Metal!

Resenha - Random Dictionary of the Damned - Downlord

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por David Torres
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Não tem como pensar no vocalista Dave Ingram sem logo associá-lo aos ótimos trabalhos que criou para o Death Metal quando esteve no Benediction e no Bolt Thrower, certo? Entretanto, o que talvez muitos não saibam é que o britânico continua lançando excelentes trabalhos, tanto em suas bandas atuais, Down Among the Dead Men e Echelon, como em outras pelo qual passou, como o Downlord, banda de Death Metal formada em meados de 2004, na Dinamarca. Dizem que tudo o que é bom, dura pouco e talvez seja mesmo, pois a banda infelizmente se dissolveu poucos anos depois de seu surgimento, porém, no período em que estava ativa, gravou quatro registros, sendo eles duas 'demos', um EP e um álbum de estúdio intitulado 'Random Dictionary of the Damned', lançado em 30 de janeiro de 2007, através do extinto selo Open Grave Records. A seguir, iremos nos aventurar pelo conteúdo insano presente nesse registro.

5000 acessosMetallica: Jason explica o baixo apagado de And Justice For All5000 acessosMulheres no Rock: resistência em um meio machista

O disco se inicia com 'Nailing You In', uma ótima faixa de abertura recheada de quebras rítmicas bem construídas. Uma atmosférica introdução antecede a composição e já estimula bastante o ouvinte a conferir o que vem a seguir. Pouco depois, 'riffs' potentes entram em cena, acompanhados por levadas insanas de bateria e os guturais peculiares e cavernosos de Dave Ingram. 'Psyklotron', a segunda faixa, já se inicia truculenta, com a voz de Ingram rasgando os alto-falantes e as guitarras convidando o ouvinte a 'banguear' freneticamente. Um desempenho entrosado e criativo de guitarras marca o início de 'Loathe. Scorn. Detest.', outra composição bastante fragmentada e que conta com linhas pulsantes de baixo e uma bateria sempre certeira e violenta na medida certa.

O registro prossegue de forma intensa com 'Full Scale Hatred'. A 'cozinha' de baixo e bateria está ainda mais agressiva e poderosa, assim como os 'riffs', sempre sujos e cortantes. 'XSV Payback' não faz feio e entrega ao ouvinte exatamente o que ele busca ao ouvir um material como esse: pancadaria das boas! Por sua vez, 'Hate Brace', é outra faixa bem interessante, recheada de variações rítmicas invejáveis. Os músicos oscilam de trechos 'grooveados' para outros frenéticos e alguns momentos até 'viajantes' e com melodias bem construídas.

Linhas harmônicas de guitarra apresentam a sétima faixa, 'Old World Chaos'. Provavelmente, ao terminar de ouvir esse som, o ouvinte ficará com o nome da música em sua mente, não apenas por se tratar de um título forte e imponente, contudo pela crueza com que Dave Ingram urra no microfone o título da composição. Novamente, uma ótima faixa! E por falar em urros, 'Underdrive' começa com guturais devastadores. A banda jamais desaponta e não deixa o ouvinte ficar entediado, proporcionando mais um espetáculo impetuoso e vil... No melhor sentido!

'Turn On, Tune In, Drop Dead' é outro grande destaque do álbum. Truculenta, visceral e perfeita! Os integrantes da banda sabem bem como construir algo realmente pesado, porém bem feito, combinando mudanças de andamento, peso e melodia na medida certa. Outra faixa que não deve deixar de ser mencionada é 'Smoke & Mirrors', que novamente aponta como os músicos possuem um entrosamento e um talento realmente admirável. A composição alterna de momentos extremamente brutais para outros mais arrastados e delirantes.

Melodias hipnóticas de guitarra dão lugar a outro ataque supersônico, 'Groin Of God +++Amen & Out+++'. O que temos aqui? Mais uma sequência mortal de arranjos avassaladores e variações matadoras. A composição seguinte, 'Random Damnation', traz a receita do bom e velho arroz com feijão de volta, entretanto, não deixa o ouvinte entediado jamais, pois tudo é executado com garra e puro poder de destruição. Beirando o Death/Grind, temos também 'For It Was Written', a faixa mais curta do disco. Ainda que conte com apenas um minuto e doze segundos de duração, essa décima terceira faixa permite a banda desfilar toda a sua fúria e criatividade da mesma forma que nas composições anteriores.

Os acordes iniciais de 'Wake Up & Smell The Species' são 'grooveados' e pulsantes, convidando o ouvinte a 'banguear' mais uma vez. Para variar, não demora nada para a pancadaria ser retomada. Novamente temos mudanças de andamento estrategicamente criadas e inseridas nos trechos apropriados, dando ainda mais brilho a composição. Uma breve introdução inicia 'Sleep Forever', a última faixa desse ótimo registro. A composição segue o mesmo molde de todas as anteriores, sempre combinando um peso destruidor com passagens climáticas arrastadas e não menos interessantes, encerrando o disco de forma bastante satisfatória.

'Random Dictionary of the Damned' é uma das incontáveis joias que quando um fã de Metal Extremo descobre, se sente extremamente gratificado por ter tido a chance de conferir tal material. A banda executa um espetáculo realmente estrondoso, agressivo e muito bem elaborado. A dupla de guitarristas Donovan Spenceley e Rene Falther esbanjam entrosamento e 'feeling' a todo instante, bem como a 'cozinha' de baixo e bateria, formada por Thomas Fagerlind e Rasmus Schmidt, respectivamente. Somando todo o trabalho instrumental aos vocais subversivos de Dave Ingram, o resultando não poderia deixar de ser realmente matador. É realmente uma pena que a banda teve um fim tão precoce, contudo, ao menos proporcionaram um material que merece ser conferido por todos os apreciadores do Old School Death Metal e do Metal Extremo como um todo. Aprecie sem qualquer moderação!

Escrito por David Torres

01. Nailing You In
02. Psyclotron
03. Loathe. Scorn. Detest.
04. Full Scale Hatred
05. Xsv (Excessive) Payback
06. Hate Brace
07. Old World Chaos
08. Underdrive
09. Turn On, Tune In, Drop Dead
10. Smoke & Mirrors
11. Groin of God +++Amen & Out+++
12. Random Damnation
13. For It Was Written
14. Wake Up & Smell the Species
15. Sleep Forever

Dave Ingram (Vocal)
Donovan Spenceley (Guitarra)
Rene Falther (Guitarra)
Thomas Fagerlind (Baixo)
Rasmus Schmidt (Bateria)

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube
youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Random Dictionary of the Damned - Downlord

750 acessosResenha - Random Dictionary of the Damned - Downlord

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Downlord"

MetallicaMetallica
Jason explica o baixo apagado de And Justice For All

GênerosGêneros
O rock se firmou com características machistas

BaixosBaixos
Como conservar e recuperar as cordas do instrumento

5000 acessosRoger Moreira: "Jovem é de esquerda quase que 100% porque o pai sustenta"5000 acessosRock Star: em vídeo, 5 fatos sobre o filme5000 acessosKiss: 15 bandas que abriram shows deles e se tornaram famosos5000 acessosIron Maiden: celebridades que usam a camisa realmente ouvem a banda?5000 acessosBandas e Drogas: a relação entre a sonoridade e os efeitos5000 acessosIron Maiden: Paul Di'Anno fala sobre saúde de Clive Burr

Sobre David Torres

Moderador e criador nas páginas Mundo Metal e The Old Thrash Metal, tem como estilo predileto o bom e velho Thrash Metal e procura sempre conhecer mais e mais acerca do estilo, assim como do Rock/Metal como um todo e as suas mais variadas vertentes e subgêneros.

Mais matérias de David Torres no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online