Resenha - 667 - Vampires In The Church - St. Madness

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


O curioso St. Madness é um conjunto do Arizona (EUA) que segue a linha teatral do rock pesado, com vários fãs espalhados por aí. Na ativa desde 1999, estes doidões mascarados, sanguinolentos e mordazes estão chegando ao seu quinto álbum de estúdio, "667 - Vampires In The Church", persistindo na mesma peculiaridade de seus registros anteriores, ou seja, não dá para saber o que vem pela frente.

Esta imprevisibilidade ocorre em função do St. Madness executar os mais variados subgêneros do rock´n´roll em seus discos. Uma canção difere da outra, sem o menor escrúpulo. Mesmo assim há certa coesão, pois em sua essência tocam Heavy Metal dos anos 80 com algo de Thrash, mas com alguns ritmos inusitados inseridos pelo álbum. Você pode estar se deliciando com um poderoso Heavy Metal para logo depois entrar algo mais puxado para o punk, ou blues, e por aí vai...

publicidade

Instrumentalmente, o grande destaque é o trabalho da dupla de guitarristas, que elaboram bases bem interessantes e se intercalam nos solos de forma empolgante. O mentor Prophet segue cantando frequentemente de forma crua e áspera, com algumas mudanças ocasionais - algumas surpreendem, como em "Head", onde lembra muito ao David Lee Roth, ou em seu ótimo desempenho no blues acústico "Covered In Blood Again".

publicidade

Há inúmeras faixas com grande poder de fogo, mas é impossível deixar de destacar "Arizona", semi-balada explosiva, ríspida e repleta de emoção, além da faixa-título, "Vampires In The Church" (... adivinhe quem são os vampiros?!?...), metal tradicional e dono de grandes solos. E, num disco que atira para tudo quanto é lado, nada melhor do que uma homenagem ao extinto Pantera em "Walk", além do encerramento sabbathico em "Just Say Goodbye".

publicidade

No final, ou o ouvinte vai ficando cada vez mais indignado ou acaba curtindo mesmo, pois, mesmo sem um direcionamento concreto e executado de maneira bem simples, é inegável que as faixas deste álbum são em sua grande maioria pegajosas e enérgicas, transmitindo aquela sensação do rock clássico e sujo. Um belo trabalho!

Formação:
Prophet - Voz
Altar Boy - Guitarra
DoomMad Marvin - Guitarra
Uno Mosh - Baixo
Dark Soul - Bateria

publicidade

St. Madness – 667 - Vampires In The Church
(2006 / Nasty Prick Records – importado)

01. Vampires In The Church
02. Speaking In Tongues
03. Arizona
04. Covered In Blood Again
05. Return To Madness
06. Carl The Clown
07. Head
08. Ever After
09. Walk (tributo a Dimebag Darrell)
10. Missing Girl’s Body Found
11. I Cut Myself (The Divinyls ‘I Touch Myself)
12. Expressionless
13. Kill
14. Until Death
15. Just Say Goodbye

publicidade

Homepage: www.stmadness.com




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Nirvana: quem é o bebê da capa de Nevermind?Nirvana
Quem é o bebê da capa de Nevermind?

Bruce Dickinson: punks não sabem tocar e tem inveja do metalBruce Dickinson
Punks não sabem tocar e tem inveja do metal


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin