Resenha - Execution - Tribuzy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 10


Desde o momento em que vi o selo encartado na promo anunciando "o melhor álbum de heavy metal de 2005, com..." - e aí a lista de convidados - foi impossível evitar a desconfiança de que se tratava de mais um argumento oportunista visando ocultar uma provável qualidade duvidosa, utilizando-se de participações especiais apenas para chamar a atenção. É natural que o estimado leitor tenha essa indisposição prévia.

Ozzy Osbourne: Madman dá a cura para a ressacaPlanet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarra

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Contudo, toda e qualquer má impressão sucumbe perante aos riffs matadores e a interpretação corrosiva de Tribuzy na faixa título. E quando o refrão surge, a primeira coisa que lhe vem à cabeça é: "clássico". Ótimo. E continua assim com a quebra de ritmo e o solo pra lá de progressivo, refinado e surpreendente de Kiko Loureiro, retornando ao decorrer "normal" da música com riffs memoráveis da sagrada escola do thrash oitentista. Passados os primeiros sete minutos, você consegue considerar que, talvez, numa das únicas vezes da história, a promoção de um álbum é mais do que adequada ao seu conteúdo.

"Forgotten Time" corrobora uma suspeita que te assombrara na primeira faixa: Renato Tribuzy consegue ser, de fato, o maior destaque dum álbum que conta com Bruce Dickinson, Michael Kiske e Matt Sinner, sendo uma pena que Ralf Sheepers apareça apenas nos backing vocals. Não somente aqueles que não conheciam seu trabalho prévio no Thoten (incluindo este imprudente jornalista), como os que já tinham noção de sua competência, certamente ficarão abestalhados com a indescritível atuação presente aqui. Agudos altíssimos perfeitos, tons baixos de uma agressividade cerebral e emotiva, entonações certeiras, nuances e backing vocals valorosos. Atributos conjugados numa interpretação maravilhosa. E além de todos os predicados, Tribuzy se destaca justamente por interpretar, de forma profunda, sincera e natural.

Definir o estilo de uma obra assim é ingrato, mas, se três palavrinhas a definem, estas são heavy, prog e thrash. Como prova "Divine Disgrace", bateria tipicamente prog, solo totalmente thrash e linha vocal de heavy metal. Claro, as referências vão além e claro, tudo está sincronizado e definido adequadamente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Absolution", com seu início swingado de baião (que de alguma forma me lembra muito "Change Of Heart", música solo de Bruce Dickinson), tem, em seus nove minutos, um duelo interessante entre um Tribuzy inspirado e um Michael Kiske resignado, ainda tentando se desvencilhar de seu passado na música pesada. Momento recompensado pelo turbinado solo de Roland Grapow, esmerilhando nas seis cordas, fazendo o que se espera de um guitar hero quanto este consegue captar a "veia" da música, na hora e do modo certo.

"Nature Of Evil", cover da (banda) Sinner, não por acaso, tem todo aquele jeitão Primal Fear de ser, uma certa cadência nos riffs, um clima ascendente no bridge e a explosão melódica no belo refrão. Excelente trabalho de Matt Sinner, Tribuzy, Ralf Sheepers e Kiko Loureiro.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Até as composições mais medianas, como "The Attempt", "Lake Of Sins" e "Web Of Life", por exemplo, são anos-luz melhores do que a maioria do que é feito por aí, e num nível tão alto como este, é engraçado dar um destaque morno para estas faixas - isto porque a primeira tem um refrão bacana, a segunda texturas criativas e a terceira um solo de Grapow, que, pqp!.

Imagine que você tenha a sua disposição o melhor vocalista de heavy metal em todos os tempos. Pois é. "Beast In The Light" é a prova final (e desnecessária) da inteligência de Tribuzy, que, ao contrário de Arjen Lucanssen em seu Ayreon (e mesmo de Steve Harris, já mal acostumado), cônscio da magnitude da situação, aproveita o convidado com o respeito de um fã e a qualidade de um ótimo compositor. Assim como fez em "Absolution" e "Nature Of Evil", o brasileiro se adapta soberbamente ao estilo do companheiro, merecendo muitos pontos por isso. A música em si, e digo isso ciente do que falo, não só é a mais instigante do álbum, como também uma das melhores coisas que Bruce Dickinson colocou sua voz nos últimos anos. Roy Z (incansável trabalhador e um dos guitarristas mais eficazes que conheço) aliado a Kiko Loureiro, dão o brilho final aos solos, que arrancarão faces contentes e realizadas dos ouvintes.

"Agressive", mais sugestiva impossível, é perfeita com todas as sílabas, um heavy/thrash mais intenso e pesado do que o praticado pelo Iced Earth - o que dá uma noção bem próxima do que realmente é - e rebuscado como merece.

A produção, a cargo do próprio Tribuzy e de Dennis Ward, é o ponto de referência ideal pelo qual se apóia a diversidade da música. Tudo soa pesado, equilibrado e utilizado com atenção: os timbres de guitarra, a microfonação da bateria, a ênfase em certas linhas vocais, o suporte do baixo, os backings preenchendo as lacunas, o volume dos instrumentos, a mixagem, enfim, coisa de mestre. E a banda de apoio, Gustavo Silveira e Frank Schieber nas guitarras, Ivan Guilhon no baixo e Flávio Pascarillo na bateria, óbvio, possui todos os requisitos exigidos para uma execução sem falhas.

Este review pode parecer apenas um compêndio de elogios hiperbólicos. Não é. Quando estes são justificáveis, nada mais prazeroso para um crítico do que concedê-los a quem merece.

Não sei se, como afirmou meu colega Ricardo Seelig, chega ao top 5 do metal nacional em todos os tempos. Se sim ou não, é irrelevante. O certo é que rodará intermináveis vezes em seu aparelho de som e ficará, com todos os méritos existentes, entre as melhores obras de metal deste século que se inicia.
"Now we live our lives in the execution times!".

Site Oficial: www.tribuzy.com


Outras resenhas de Execution - Tribuzy

Resenha - Execution - Tribuzy



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Tribuzy"


Heavy Metal: 50 lições para ser um vocalista brasileiro do gêneroHeavy Metal
50 lições para ser um vocalista brasileiro do gênero

Andre Matos: covers de Iron e Manowar com Dreadnox e Tribuzy em 1995Andre Matos
Covers de Iron e Manowar com Dreadnox e Tribuzy em 1995


Ozzy Osbourne: Madman dá a cura para a ressacaOzzy Osbourne
Madman dá a cura para a ressaca

Planet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarraPlanet Rock
As músicas com os melhores solos de guitarra


Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280