Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu e os cinco grandes vocalistas que o mundo do Rock não dá valor

imagemFãs detonam produção do Knotfest após anúncio do Pantera

imagemA música do Metallica que James não queria apresentar aos outros integrantes

imagemA melhor música de heavy metal lançada a cada ano desde 1970, em lista do Loudwire

imagemO carinhoso jeito de Axl Rose se desculpar com sua equipe pelo seu jeito imprevisível

imagemDez músicas de outros estilos que ganharam ótimas versões rock/metal - Parte I

imagemAngra e Shaman, Edu Falaschi fala sobre a treta que havia entre as bandas

imagemFrank Zappa surpreende ao eleger seus dez álbuns favoritos

imagemOzzy Osbourne revela que Lemmy Kilmister era um leitor voraz

imagemAmy Lee surpreende ao escolher os melhores cantores (e cantoras) de todos os tempos

imagemA música do Raul Seixas com erro gramatical que parece um plágio mas é uma homenagem

imagemO arrependimento que David Bowie carregava em relação a Elvis Presley

imagemBruno Sutter explica semelhança problemática entre Ayrton Senna e Fausto Fanti

imagemDave Lee Roth revela qual é seu álbum preferido do Van Halen

imagemMúsico de Los Angeles compartilha foto recente de Alex Van Halen


2022/07/09
2022/08/18

Resenha - Dancing With The Dead - Pain

Por Ben Ami Scopinho
Em 28/07/05

Nota: 8

O incansável sueco Peter Tägtgren é mundialmente conhecido pelo ótimo trabalho que executa com sua banda principal, o Hypocrisy, cuja sonoridade começou como um típico death metal e, com o passar dos anos, foi evoluindo e se distanciando um pouco de sua proposta original.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Em 1996 Peter criou o Pain, em que é o "faz-tudo" deste projeto. É pesado, mas as doses cavalares de elementos eletrônicos fizeram com que muitos headbangers acostumados com o extremismo do Hypocrisy acabassem por se decepcionar completamente com este trabalho.

Porém, com o passar dos anos e mais lançamentos, o Pain foi se organizando e promovendo melhor seus CDs, obtendo maior compreensão por parte dos ouvintes e conquistando cada vez mais novos apreciadores europeus com sua música techno cheia de distorção. Tanto que, "Dancing With The Dead", seu quarto registro, foi aguardado com ansiedade pelos fãs e está sendo muitíssimo bem aceito pela mídia especializada.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Novamente tocando todos os instrumentos, agora Peter traz um inesperado redirecionamento na música do Pain. As letras aqui estão bem mais obscuras e há uma certa preocupação social que antes não se percebia. E o que é melhor, as guitarras, baixo e bateria estão aparecendo bem mais, os famosos elementos eletrônicos que foram a tônica dos discos anteriores estão agora em segundo plano em vários momentos, fazendo deste um trabalho muito interessante de se escutar.

Em meio à riffs pesados, industrial e alguns ritmos dançantes para nenhum clubber botar defeito, o que predomina mesmo é uma sonoridade bastante hipnótica e ótimos refrãos pegajosos com a já bastante famosa e enlouquecida voz de Peter. De cara, destaco a faixa "Dancing With The Dead", cheia de variações inacreditáveis e dona das melhores linhas vocais do álbum. "Same Old Song" também se sobressai por possuir um perfeito equilíbrio entre seus elementos eletrônicos pop e o peso do Heavy Metal.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Confesso que um álbum deste estilo não me causava tão boa impressão desde "Supersexy Swingin' Sounds", o famoso álbum de remix do velho White Zombie. "Dancing With The Dead" é totalmente indicado aos amantes de música pesada e moderna, na linha de Nine Inch Nails e similares. Agora, se você espera metal extremo em Pain, passe longe.

PAIN - Dancing With The Dead
(2005 - Stockholm Records - Importado)

1 - Don't Count Me Out
2 - Same Old Song
3 - Nothing
4 - The Table Has Turned
5 - Not Afraid to Die
6 - Dancing With the Dead
7 - Tear it Up
8 - Bye/Die
9 - My Misery
10 - Good Day to Die
11 - Stay Away
12 - Third Wave

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Lindemann: Tägtgren salvou vocalista do Rammstein de surra

Rammstein: "ame a si mesma, não importa o que digam", diz Till

The Simpsons: 10 melhores aparições de roqueiros no desenho

Fotos de Infância: Red Hot Chili Peppers


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.