Resenha - Dancing With The Dead - Pain

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


O incansável sueco Peter Tägtgren é mundialmente conhecido pelo ótimo trabalho que executa com sua banda principal, o Hypocrisy, cuja sonoridade começou como um típico death metal e, com o passar dos anos, foi evoluindo e se distanciando um pouco de sua proposta original.

Em 1996 Peter criou o Pain, em que é o "faz-tudo" deste projeto. É pesado, mas as doses cavalares de elementos eletrônicos fizeram com que muitos headbangers acostumados com o extremismo do Hypocrisy acabassem por se decepcionar completamente com este trabalho.

publicidade

Porém, com o passar dos anos e mais lançamentos, o Pain foi se organizando e promovendo melhor seus CDs, obtendo maior compreensão por parte dos ouvintes e conquistando cada vez mais novos apreciadores europeus com sua música techno cheia de distorção. Tanto que, "Dancing With The Dead", seu quarto registro, foi aguardado com ansiedade pelos fãs e está sendo muitíssimo bem aceito pela mídia especializada.

publicidade

Novamente tocando todos os instrumentos, agora Peter traz um inesperado redirecionamento na música do Pain. As letras aqui estão bem mais obscuras e há uma certa preocupação social que antes não se percebia. E o que é melhor, as guitarras, baixo e bateria estão aparecendo bem mais, os famosos elementos eletrônicos que foram a tônica dos discos anteriores estão agora em segundo plano em vários momentos, fazendo deste um trabalho muito interessante de se escutar.

publicidade

Em meio à riffs pesados, industrial e alguns ritmos dançantes para nenhum clubber botar defeito, o que predomina mesmo é uma sonoridade bastante hipnótica e ótimos refrãos pegajosos com a já bastante famosa e enlouquecida voz de Peter. De cara, destaco a faixa "Dancing With The Dead", cheia de variações inacreditáveis e dona das melhores linhas vocais do álbum. "Same Old Song" também se sobressai por possuir um perfeito equilíbrio entre seus elementos eletrônicos pop e o peso do Heavy Metal.

publicidade

Confesso que um álbum deste estilo não me causava tão boa impressão desde "Supersexy Swingin' Sounds", o famoso álbum de remix do velho White Zombie. "Dancing With The Dead" é totalmente indicado aos amantes de música pesada e moderna, na linha de Nine Inch Nails e similares. Agora, se você espera metal extremo em Pain, passe longe.

PAIN - Dancing With The Dead
(2005 - Stockholm Records - Importado)

publicidade

1 - Don't Count Me Out
2 - Same Old Song
3 - Nothing
4 - The Table Has Turned
5 - Not Afraid to Die
6 - Dancing With the Dead
7 - Tear it Up
8 - Bye/Die
9 - My Misery
10 - Good Day to Die
11 - Stay Away
12 - Third Wave




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Lindemann: Tägtgren salvou vocalista do Rammstein de surraLindemann
Tägtgren salvou vocalista do Rammstein de surra

Rammstein: ame a si mesma, não importa o que digam, diz TillRammstein
"ame a si mesma, não importa o que digam", diz Till


Mônica Guedes: seus heróis morreram de overdose, os meus morrem na estrada, trabalhandoMônica Guedes
"seus heróis morreram de overdose, os meus morrem na estrada, trabalhando

Planno D: 10 coisas que irritam metaleiros (vídeo)Planno D
10 coisas que irritam metaleiros (vídeo)


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin